Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Balanço | 07/02/2017 | 18h18

Ganhos da GM se concentram nos Estados Unidos

Companhia consegue reduzir prejuízos na América do Sul em 2016

REDAÇÃO AB

O balanço financeiro da General Motors mostra que em 2016 os ganhos ficaram concentrados dentro do país sede, os Estados Unidos, onde a empresa bateu recordes de vendas. Entre as operações internacionais, a companhia continua lucrando na Ásia, mais especificamente na China, em proporção 10 vezes menor do que na América do Norte, mas segue perdendo dinheiro na América do Sul e Europa, ainda que tenha conseguido reduzir os prejuízos nessas duas regiões à metade do que foi registrado em 2015.

Apesar da pequena alta de 1,2% nas vendas de veículos no mundo todo, somando o recorde 10 milhões de unidades comercializadas em 2016, houve bom crescimento de 9,2% no faturamento global, que somou US$ 166,4 bilhões, mas o ganho financeiro da GM teve leve recuo. O lucro líquido de US$ 9,4 bilhões foi 2,7% menor do que o apurado em 2015. O resultado foi particularmente afetado pelo avanço de despesas não relacionadas à operação principal da empresa (fabricar e vender veículos), como pagamento de juros (US$ 572 milhões), impostos (US$ 2,4 bilhões) e US$ 300 milhões ainda devidos pelo recall provocado pela falha na chave de ignição de carros antigos vendidos nos EUA. Por isso o Ebit (lucro antes de juros e impostos) anotou robusta expansão de quase 16% no ano passado sobre o anterior, somando US$ 12,5 bilhões.

REGIÕES

Quase todo o Ebit de 2016 foi consolidado na América do Norte (EUA, Canadá e México), onde a GM faturou US$ 119 bilhões (mais de 70% da receita global) e apurou ganho operacional antes de impostos e juros de US$ 12 bilhões, 9% ou US$ 1 bilhão maior do que um ano antes. O bom resultado pode ser explicado pelas vendas de veículos de maior valor agregado, já que o total de 3,6 milhões de unidades vendidas nos três países significaram inexpressiva alta de apenas 0,5% sobre 2015 – e nos EUA, que respondeu por 84% das compras com 3 milhões de unidades, houve pequeno recuo de 1,3% nos negócios. Na região como um todo foram comercializados 36% de todos os carros produzidos pela GM no ano.

A divisão de operações internacionais (GMIO), que inclui Ásia-Pacífico, Oriente Médio e África, respondeu pela maior parte dos veículos vendidos pela GM no mundo (46%, ou 4,59 milhões de unidades, em alta de 1,3%), graças ao expressivo consumo da China, mas o desempenho financeiro é fraco. O lucro operacional (Ebit) obtido nessas regiões foi de US$ 1,1 bilhão, em expressiva queda de 21,4% sobre 2015.

O pior resultado, tanto financeiro como em volumes, foi registrado pela GMSA, que cobre toda a América do Sul. A companhia comercializou 584 mil veículos na região, o que representou queda de 9,5% sobre 2015, com Brasil encabeçando 59% das vendas e influenciando mais negativamente o desempenho. Nem mesmo a liderança no mercado brasileiro salvou o ano na região, onde o Ebit apurado resultou em prejuízo de US$ 400 milhões. Mesmo assim as perdas foram US$ 200 milhões menores do que em 2015, graças a cortes de custos, segundo a GM.

A GM Europa também seguiu no vermelho em 2016, registrando prejuízo operacional de US$ 300 milhões, ou US$ 500 milhões menor do que em 2015. A companhia atribui o resultado negativo ao Brexit – a votação que decidiu a saída do Reino Unido da União Europeia –, que pelos cálculos da GM já custou algo como US$ 300 milhões e impediu a divisão de chegar ao equilíbrio financeiro na região, como estava previsto. Os mercados europeus compraram 1,2 milhão de veículos produzidos pela GM – principalmente das marcas Opel e Vauxhall –, em alta de 2,6% sobre o ano anterior.

PROJEÇÕES PARA 2017

Para 2017 a GM espera manter ou até melhorar o lucro operacional obtido em 2016. Até 2020 a companhia deverá renovar 38% de sua linha de produtos, contra 26% no período 2011-2016, com lançamento de veículos completamente novos ou renovações, com foco principalmente em picapes, SUVs e crossovers, que deverão representar a maioria das novidades.

Para o período 2015-2018, a GM elevou em US$ 1 bilhão sua meta de aumento de cortes de custos, para US$ 6,5 bilhões.



Tags: GM, General Motors, balanço 2016, lucro, prejuízo, faturamento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência