Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Balanço | 26/01/2017 | 17h09

Lucro líquido da FCA cresce 47% em 2016

Resultado chega a € 2,5 bilhões; projeção aponta para € 3 bilhões em 2017

REDAÇÃO AB

O Grupo FCA encerrou 2016 com lucro líquido 47% maior do que o apurado no ano anterior, passando de € 1,7 bilhão para € 2,5 bilhões, considerando o lucro líquido ajustado (antes de juros e impostos) informa em balanço financeiro divulgado na quinta-feira, 26. O resultado após desconto ficou em € 1,8 bilhão, aumento expressivo quando comparado com os € 93 milhões de um ano antes. No relatório, a montadora aponta para este ano um crescimento de 20% no lucro líquido ajustado, para € 3 bilhões.

O faturamento líquido beirou a estabilidade, com leve aumento de 0,4%, passando de € 110,5 bilhões em 2015 para € 111 bilhões em 2016. Para este ano, a empresa prevê um aumento de 3,6% a 8%, entre € 115 bilhões e € 120 bilhões. A dívida industrial líquida fechou o ano em € 4,6 bilhões, € 500 milhões a mais do que no ano anterior. No relatório, a FCA aponta que planeja reduzir esta dívida líquida praticamente pela metade, para € 2,5 bilhões.

As vendas do grupo também ficaram estáveis, com pequeno aumento de 2%, para 4,7 milhões de unidades em todo o mundo, com destaque para o crescimento de 9% das vendas da Jeep, para 1,42 milhão de veículos.

O relatório destaca ainda os resultados na América Latina, onde a FCA conseguiu reverter o prejuízo de € 87 milhões apurado em 2015 para Ebit de € 5 milhões (lucro antes de juros e impostos). Segundo a empresa, o desempenho da região é resultado do mix de veículos que se tornou mais atrativo principalmente com os lançamentos de Fiat Toro e Jeep Compass. Além disso, a FCA registra redução nos custos de vendas, gerais e administrativos a partir das iniciativas para adequar a operação ao volume do mercado, embora tais ações tenham sido parcialmente ofuscadas por vendas menores e custos maiores de produção, por sua vez impulsionados pela inflação e novos concorrentes de mercado.

Já o faturamento líquido (ou receita líquida) do grupo na região diminuiu 3,6%, para € 6,1 bilhão, devido às vendas menores na região, que caíram 18%, passando de 553 mil para 456 mil, embora tenham sido parcialmente compensadas pelos lançamentos Fiat Toro e Jeep Compass. Segundo a empresa, o resultado reflete ainda as condições fracas do mercado brasileiro, parcialmente compensada pela melhora na Argentina.

Na região do Nafta, bloco composto por Canadá, Estados Unidos e México, a receita líquida do grupo caiu 1%, para € 69 bilhões, refletindo vendas 5% menores, para 2,58 milhões de unidades em 2016 contra as 2,78 milhões de 2015.

Por outro lado, o grupo ítalo- americano viu suas vendas subirem 14% na região denominada EMEA, que compreende União Europeia, Oriente Médio e África, principalmente devido ao aumento dos volumes de vendas e ao mix de produtos mais favorável, incrementado com a nova família do Fiat Tipo e os novos Alfa Romeo Giulia e Jeep Renegade. Com isto, a receita líquida subiu 7%, para € 21,8 bilhões.

Na Ásia-Pacífico, que inclui China, a FCA amargou os resultados: as vendas caíram quase 40%, para pouco mais de 91 mil unidades contra as 149 mil de um ano antes, o que fez o faturamento líquido passar de € 4,8 bilhões para € 3,6 bilhões.

Na divisão de componentes, que soma os resultados de Magneti Marelli, Comau e Teksid, a FCA registra retração de 1% no faturamento líquido, que fechou 2016 em € 9,65 bilhão sobre os € 9,77 bilhão do ano anterior, embora o lucro (Ebit, antes de juros e impostos) tenha aumentado 13%, para € 445 milhões.



Tags: FCA, Fiat Chrysler, lucro, balanço, receita, faturamento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência