NOTÍCIAS
18/01/2017 | 20h30

Autopeças

Cooper Standard ajusta investimentos no Brasil

Após cancelar nova fábrica, empresa estuda fazer outras duas


PEDRO KUTNEY, AB

Linha de produção de vedações de borracha da Cooper Standard no Brasil
Após enfrentar crise severa, acumulando três anos de prejuízos no Brasil e perda de novos contratos por problemas de qualidade, a Cooper Standard tem meta de voltar a apurar números positivos este ano e já estuda novos investimentos em duas novas plantas, nas regiões Nordeste e Sul. Instalada desde 1995 no País, aqui a empresa produz em Varginha (MG) e Atibaia (SP) vedações de borracha (guarnições de portas) e dutos de combustível e fluído de freio. No ano passado, anunciou que iria investir R$ 20 milhões em Atibaia para fazer coxins (leia aqui), mas desistiu depois que a Ford engavetou o projeto B500 – espécie de Fiesta despojado desenvolvido na Índia para mercados emergentes –, que responderia por 50% da produção da unidade.

“Quando cheguei (em julho de 2015) existiam graves problemas de qualidade que tinham provocado a interrupção de pedidos (das montadoras). Só há seis meses voltamos a entrar em novos projetos”, explica Jürgen Kneissler, diretor geral da Cooper Standard América do Sul, que assumiu o posto há um ano e meio. Sem novos contratos, a empresa sobreviveu com o que já tinha, com fornecimento para quase todas as montadoras instaladas no País. “Temos alguns contratos fortes que garantiram nossa sobrevivência, como 100% do fornecimento de vedações para Toyota e Honda, além de 100% para o Chevrolet Onix (o carro mais vendido no Brasil)”, conta o diretor.

“Passamos esse período reestruturando a empresa e agora estamos ajustados para retomar a rentabilidade este ano”, afirma Kneissler. Apesar do cancelamento do investimento na nova fábrica de coxins em Atibaia, ele destaca que foi mantido o aporte de R$ 10 milhões para a aquisição de novos fornos importados da Alemanha, que estão sendo instalados na linha de extrusão de borracha em Varginha. “Temos flexibilidade e desenvolvimento próprio, com bom potencial de voltar a crescer, especialmente com novos projetos a partir de 2018”, diz.

Para os novos projetos já estão em estudo investimentos em duas novas plantas, para produzir componentes de borracha e termoplástico, dutos de combustível e fluídos de freio e, possivelmente, a localização de mangueiras de motor. Kneissler ainda não tem números fechados do aporte necessário. “Tudo vai depender das negociações e a concretização dos pedidos das montadoras”, diz. Umas das plantas seria localizada no Nordeste para atender a FCA em Goiana (PE) e a Ford em Camaçari (BA) – onde a Cooper Standard já atua dentro da linha, na montagem de dutos do motor. A outra unidade ficaria no Sul, com foco em fornecer para GM em Gravataí (RS) e para a Renault e Volkswagen em São José dos Pinhais (PR).

FORNECIMENTO DIRETO

A empresa direciona 100% da produção às linhas de montagem de veículos leves, sem atuação direta no mercado de reposição. Quase todos os fabricantes de automóveis no País são clientes – exceto a Hyundai que tem fornecedor próprio. Com cerca de 1,5 mil empregados no Brasil, atualmente as fábricas de Varginha e Atibaia produzem 25,4 milhões/ano de vedações de borracha e 5,9 milhões/ano de dutos metálicos. Entre 70% e 75% do faturamento vêm da divisão de vedações, e 25% a 30% das vendas de dutos.

Kneissler calcula que 15% da produção da Cooper Standard no Brasil sejam exportados por meio de compras globalizadas das montadoras. Assim existem peças fornecidas no Brasil circulando no Ford EcoSport produzido na Rússia ou na Chevrolet S10 feita na Tailândia, entre outros mercados.

O bom desempenho global da Cooper Standard, cuja cotação por ação listada na Bolsa de Nova York saltou de US$ 45 para US$ 110 em um ano e meio, acabou por suavizar o impacto dos maus resultados no Brasil. Mas Kneissler ressalta que voltar ao lucro é meta obrigatória este ano, “ou teremos sérios problemas”. Segundo relatório financeiro da companhia, nos três primeiros trimestres de 2016 a região da América do Sul (que só tem operação industrial no Brasil) apurou faturamento de US$ 61,4 milhões, em retração de 20,3% sobre o mesmo intervalo de 2015, mas o prejuízo apurado no período foi reduzido de US$ 20,1 milhões para 16,7 milhões entre janeiro e setembro deste ano, como resultado de taxa cambial mais favorável, apesar do ritmo de produção mais baixo registrado em toda a indústria automotiva brasileira.

Com faturamento global de US$ 4 bilhões e 30 mil empregados em 20 países, a Cooper Standard foi fundada em 1927 em Dearborn, região metropolitana de Detroit, berço da indústria automotiva dos Estados Unidos. Hoje a sede mundial da companhia fica localizada na vizinha Novi, mas a operação brasileira responde à Europa, devido à maior compatibilidade de produtos.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 25/04/2017
Fim do Inovar-Auto abre oportunidades de debates sobre a sua evolução

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement
DE CARRO POR AÍ | 28/04/2017
Marca prepara variação três-volumes da linha
INOVAÇÃO | 24/04/2017
Ter empatia com consumidor é essencial para o sucesso
AUTOINFORME | 19/04/2017
Montadora chinesa investe para melhorar produtos
QUALIDADE | 21/03/2017
Jovens buscam solução de mobilidade e querem permanecer conectados
Negócios | 08/03/2017
Tecnologia faz parte da receita para sair da crise
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
DISTRIBUIÇÃO | 09/08/2016
Crise pode reduzir negócios no pós-venda ou ser oportunidade para manter clientes mais próximos
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes