NOTÍCIAS
06/01/2017 | 13h21

Mercado

Importados fecham com vendas 40% menores em 2016

Com 35,8 mil unidades, participação fica em 1,8% do mercado total


REDAÇÃO AB

As vendas de veículos importados pelas associadas à Abeifa tiveram queda de 40,2% em 2016 ao totalizar 35,8 mil unidades contra as 59,9 mil emplacadas no ano anterior, informa a entidade em comunicado. Com este resultado, a participação das marcas importadoras fechou o ano em 1,8% do mercado total de veículos no Brasil. A entidade que reúne dezoito marcas, entre importadoras e fabricantes, projetava vender 39 mil veículos no ano passado.

-Veja aqui os dados de emplacamentos da Abeifa
-Veja aqui os emplacamentos por modelos importados.

“Infelizmente, não conseguimos sequer atingir as vendas projetadas em janeiro de 2016 porque, independente da instabilidade político/econômica do País, estamos contingenciados pela alíquota extraordinária de 30 pontos percentuais no IPI e limitados à cota com teto máximo de 4.800 unidades/ano sem a sobretaxa”, argumenta o presidente da Abeifa, José Luiz Gandini.

Segundo Gandini já havia indicado em dezembro, a entidade espera por uma nova queda em 2017 (leia aqui).

“A permanecer essa política restritiva ao setor de veículos importados, nossas primeiras projeções para este ano indicam 25 mil unidades, ou seja, teremos de nos restringir às vendas dentro da cota sem os 30 pontos percentuais do IPI”, complementa.

Em dezembro, a entidade observou aumento de 25,9% com relação aos licenciamentos de novembro, que passaram de 2.650 para 3.336 veículos. Contudo, sobre dezembro de 2015, quando as vendas atingiram as 4.918 unidades, houve queda de 32,2%.

Para o presidente da Abeifa, as marcas poderiam ter obtido resultado melhor, mas as empresas que têm volumes maiores não puderam importar mais produtos porque já haviam superado sua cota anual e sobre a qual não incide os 30 pontos porcentuais adicionais de IPI. De acordo com Gandini, no cenário atual, vender fora do limite máximo da cota, que é de 4,8 mil unidades por ano, significa ter prejuízos.

“Por isso, volto a insistir que os nossos pleitos pelo fim dos 30 pontos percentuais no IPI precisam ser atendidos, para que possamos recuperar especificamente o setor de veículos importados. Mas, por ora, mantemos o pleito de ao menos a liberação das cotas não utilizadas por outras marcas em 2016. Com esta alteração não há benefícios fiscais, pois as cotas existem e não estão sendo utilizadas por algumas marcas que perderam seus canais de distribuição, encerraram suas atividades ou até foram descredenciadas do Inovar-Auto, portanto sem qualquer renúncia fiscal. Com esta simples alteração, não corremos o risco de gerar mais desemprego no setor com o fechamento de mais concessionárias e com certeza aumentaremos nossos recolhimentos de tributos aos cofres públicos, mas sobretudo estaremos em consonância com a agenda positiva que o governo deseja estabelecer para o País”, defende.

PRODUÇÃO

As associadas à Abeifa que têm fábrica no Brasil produziram 12.313 veículos em 2016, volume 69,2% menor que o total entregue em 2015 pelas fábricas de BMW, Chery, Land Rover, Mini e Suzuki. Contudo, vale ressaltar que no total de 2015 está incluído o Renegade, modelo fabricado pela Jeep e que ainda era associada naquele ano.

Com os totais somados – importados e produção nacional -, a participação das filiadas à Abeifa no mercado interno é de 2,42% em 2016.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 23/08/2017
Dez fatos que marcaram essa jornada

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
AUTOINFORME | 23/08/2017
Aplicativos vão indicar o melhor meio de transporte
DE CARRO POR AÍ | 18/08/2017
Empresa monta novos planos para mercados emergentes
INOVAÇÃO | 15/08/2017
Indústria automotiva precisa abrir os olhos para novas formas de trabalhar
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
Negócios | 08/03/2017
Tecnologia faz parte da receita para sair da crise
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes