Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 06/12/2016 | 16h53

Produção de veículos sofre para chegar a 2 milhões em 2016

Anfavea admite que fábricas instaladas no Brasil não atingirão volume previsto

SUELI REIS, AB

“Não vamos atingir o nível de produção de veículos previsto para o ano.” Foi com esta afirmação que o presidente da Anfavea, Antonio Megale, admitiu que a indústria sofre para alcançar a casa dos 2 milhões de veículos produzidos neste ano ao divulgar os resultados da indústria na terça-feira, 6, em São Paulo.

- Veja aqui os dados da Anfavea;

- Leia também: Confira os resultados da indústria até novembro


Em suas projeções revisadas em junho e mantidas até agora, a entidade que reúne as montadoras instaladas no Brasil esperava encerrar 2016 com pelo menos 2,29 milhões de veículos produzidos, o que ainda representaria queda de 5,5% sobre o volume total de 2015, puxada pelo segmento leve, com 5,7% de queda, para 2,20 milhões, e no caso de pesados, um volume 1% menor no comparativo anual, para 94,6 mil unidades.

No entanto, o resultado do acumulado entre janeiro e novembro chegou perto – 1,95 milhão de unidades, entre leves e pesados, mesmo nível de 2004 – mas ainda abaixo da meta da associação. Com isto, a produção está 14,6% abaixo do registrado em igual período de 2015.

O fraco desempenho do mercado interno provocou volumes ainda menores de produção neste segundo semestre. Para Megale, alia-se a isso a paralisação das quatro fábricas da Volkswagen no País em agosto por falta de peças. “Erramos no volume previsto e estamos atribuindo isso principalmente pela quebra das operações da nossa associada. Não sabemos ainda o número [da produção para 2016], mas deverá ser de 100 mil a 150 mil abaixo da nossa projeção, que é exatamente a diferença da perda da nossa associada”, reforçou.

Se isso se confirmar, o ano deverá terminar com até 2,14 milhões de unidades, considerando 150 mil unidades a menos, e fecha 2016 com queda de 11,5% sobre 2015.

O executivo acrescentou que em função da instabilidade verificada ao longo do ano, a Anfavea achou por bem não refazer a projeção para a indústria. “Julgamos que a previsão foi correta e muito realista, o que aconteceu foi um imprevisto”, afirmou.

Para novembro, a entidade esperava um mês forte e ele veio: foram fabricados pouco mais de 213,3 mil veículos, entre automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. Este volume representa crescimento de 22,4% sobre o resultado de outubro e também alta de 21,8% sobre igual mês de 2015: foi o melhor mês de produção de veículos em 2016, além de ser o melhor mês desde agosto de 2015. Ainda segundo Megale, há um esforço muito grande por parte da Volkswagen de tentar recuperar o tempo perdido, o que pode ter contribuído para a alta de novembro, mas o executivo defende que haveria crescimento no mês de qualquer forma.

“Novembro e dezembro normalmente são meses mais aquecidos, há uma corrida para preparar estoques e estar preparados para o fim e começo do próximo ano. Está sim um pouco aquecido em função dessa aceleração [da Volkswagen], ainda assim, teríamos um crescimento forte em novembro e esperamos que seja muito forte em dezembro. Talvez, se a produção da nossa associada tivesse sido mais equilibrada nos meses anteriores, o resultado geral não teria caído tanto”, disse. “Dezembro deve repetir [o resultado de novembro] e assim poderemos ficar acima das 200 mil unidades, o que ajudará no fechamento do ano”, finalizou.

ESTOQUE E EMPREGOS

O total de veículos parados nos pátios das montadoras e nas concessionárias esperando vendas fechou o mês passado em 206,3 mil unidades, sendo 162,3 mil nas revendas e os demais 44 mil nas fábricas. Com isto, há estoque suficiente para 35 dias de vendas, considerando a média diária de vendas verificada também em novembro, que foi de 8,9 mil unidades por dia útil, a melhor do ano. Em outubro, quando o ritmo de vendas foi um pouco menor, o estoque era de 40 dias.

“Já estamos muito mais próximos dos estoques que consideramos bons e ideais. Caiu o número, tanto com a aceleração de vendas quanto dos ajustes de produção que tenta compensar isso, portanto, o estoque está dentro dos parâmetros que julgamos razoável”, disse Megale.

Já os empregos, por causa dos ajustes de estoques nas fábricas, o total de empregados pela indústria automotiva diminuiu 0,3% na passagem de outubro para novembro, com um total de 123,2 mil. Há um ano, 131,3 mil pessoas estavam trabalhando no setor, o que revela queda de 6,2%.

No levantamento da Anfavea, em novembro, 2,2 mil pessoas continuam em regime de layoff e outras 5,2 mil estão no PPE, Programa de Proteção ao Emprego.

Assista abaixo à cobertura da ABTV sobre o desempenho da indústria até novembro:



Tags: Produção, veículos, Anfavea, indústria, previsão, Antonio Megale.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência