Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
MAN Latin America renova PPE em Resende

Trabalho | 01/12/2016 | 18h37

MAN Latin America renova PPE em Resende

Empresa vai manter jornada reduzida e espera retomada só em 2018

GIOVANNA RIATO, AB

Os trabalhadores da MAN Latin America vão continuar com a jornada de trabalho reduzida em Resende (RJ). A companhia acaba de aprovar com o Sindicato dos Metalúrgicos Sul-Fluminense a adesão ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE) por mais um ano. Dessa forma, os funcionários da unidade continuarão com redução de 20% no período de trabalho e de 10% nos salários, já que o governo compensa metade do salário perdido pelo afastamento.

Ironicamente, a renovação acontece no momento em que a empresa anuncia investimento recorde no Brasil, de R$ 1,5 bilhão entre 2012 e 2021, para ampliar o portfólio de produtos, desenvolver novas tecnologias de conectividade e internacionalizar a marca Volkswagen Caminhões e Ônibus (leia aqui).

A medida pretende adequar a operação da companhia ao fraco desempenho do mercado brasileiro de caminhões e ônibus, que segue contraído. Roberto Cortes, presidente da empresa, confirma que a ociosidade gira em torno de 70% do potencial produtivo. A produção da planta de Resende, que chegou a 350 caminhões por dia no pico do mercado interno, em 2011, está hoje em apenas 80 veículos diários.

Esta é a segunda renovação do PPE feita pela MAN. A empresa aderiu ao programa em 2015 e prorrogou a medida seis meses depois. Antes disso, em 2014, a montadora chegou a fazer acordo de redução de jornada semelhante ao PPE com o sindicato local. “A gente vem reduzindo o nosso ritmo desde 2012”, admite Cortes.

Segundo ele, todos os cortes e reestruturações necessárias para a nova realidade do mercado local já foram feitos por meio de programas de demissão voluntária e antecipação de aposentadorias. O número de trabalhadores da unidade de Resende caiu de 6 mil pessoas em 2011 para 3,6 mil funcionários atualmente, considerando os colaboradores da montadora e dos fornecedores do consórcio modular da empresa.

Do recorde de 207 mil caminhões e ônibus vendidos no Brasil em 2011, a companhia estima que o mercado local despenque para 59 mil unidades este ano. Cortes projeta crescimento de dois dígitos em 2017. “Mas ainda assim vai ser para volume pequeno, perto de 65 mil veículos. A base é muito baixa”, enfatiza. Apenas em 2018 o executivo espera que aconteça recuperação mais consistente. Para ele, a volta ao pico de vendas só deve acontecer perto de 2021.



Tags: MAN, Volkswagen, PPE, trabalho, fábrica.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência