Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 08/11/2016 | 13h00

Kia aguarda repasse de cotas sem IPI extra

Importadora poderá livrar este ano 1,8 mil carros dos 30 pontos extras

MÁRIO CURCIO, AB

A Kia Motors do Brasil aguarda para os próximos dias um decreto do governo que pode liberar cotas não utilizadas desde o ano passado por outros importadores inscritos no Inovar-Auto. O teto máximo de 4,8 mil carros por ano livres dos 30 pontos porcentuais extras de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) não foi utilizado na totalidade pela maioria das marcas importadas, mas faltou para a Kia, que desde a imposição da sobretaxação viu suas vendas encolherem de 80 mil unidades em 2011 para as 10 mil em 2016. "A ideia, bem recebida pelo governo, é repassar o que não foi usado para as marcas que têm maior frota circulante e mais concessionárias no País", afirmou José Luis Gandini, presidente da Kia Motors do Brasil e também da Abeifa (associação que reúne importadores e alguns fabricantes).

Com esse decreto, cerca de 1,8 mil carros da Kia recém-desembarcados no Brasil poderão ser vendidos ao consumidor brasileiro sem o repasse dos 30 pontos extras. Segundo Gandini, outras empresas que eventualmente se encontrem em situação semelhante poderão se beneficiar de cotas não utilizadas em 2015. E no ano que vem, seriam repassadas as de 2016. “Desde o estabelecimento dessa cota de 4,8 mil unidades anuais, já fechamos 65 concessionárias e cerca de 5 mil postos de trabalho”, lamenta Gandini.

Assista abaixo a entrevista exclusiva de José Luis Gandini à ABTV:



Tags: Kia Motors do Brasil, José Luiz Gandini, cota, IPI, governo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência