Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Comerciais | 07/11/2016 | 18h09

Vendas de implementos têm queda anual de 31%

Até outubro, foram 52,2 mil unidades contra as 75,8 mil do ano anterior

REDAÇÃO AB

O setor de implementos rodoviários registrou queda de 31,1% nas vendas acumuladas de janeiro a outubro na comparação com iguais meses de 2015: de acordo com a Anfir, entidade que reúne as fabricantes, foram emplacadas 52.203 unidades neste período – há um ano, este volume era de 75.839 unidades, entre leves e pesados, apontam os dados divulgados na segunda-feira, 7.

- Veja aqui os dados da Anfir.

“A retração em um terço sobre o resultado do ano anterior traz consequências ruins às empresas como desemprego e endividamento”, afirma o presidente da Anfir, Alcides Braga.

O segmento de leves – carrocerias sobre chassis – emplacou 32,113 unidades nos dez meses completos do ano, volume 37% menor que o verificado no mesmo acumulado de 2015, quando o setor emplacou 50,8 mil unidades. Em outubro, os licenciamentos somaram 2.734 unidades, segundo a Anfir, o pior volume para o mês desde 2008.

Em pesados houve queda de 19,8% no acumulado, passando de 25 mil para pouco mais de 20 mil reboques e semirreboques. De acordo com a entidade, outubro também registrou o pior volume para o mês desde 2004 ao emplacar 1.621 unidades.

Para o presidente da Anfir qualquer sinal de recuperação só deverá vir em 2017. “Mas não será nada forte porque as empresas sofreram e sofrem bastante com a crise e não estariam preparadas para produzir com a intensidade necessária para caracterizar uma forte retomada”, afirma. “E mesmo assim acredito em retomada para minimizar as perdas sem saldo positivo”, acrescenta.

Segundo o executivo, o cenário futuro é estimado com base tanto nos sinais da economia, que não revelam perspectivas de crescimento forte, quanto nas condições existentes para financiamento do setor de implementos rodoviários. Para Braga, a regra atual do BNDES deveria ser melhorada: atualmente financiamentos via Finame podem representar custo anual de até 18%, isso porque o BNDES, mesmo financiando até 90% do bem opera com duas faixas de juros: uma de 50% para empresas grandes ou 60% para pequenas e médias e outra para a diferença até o teto. “Essa diferença é calculada com base em vários índices, o que acaba encarecendo a operação”, explica Braga.

Ele defende a adoção para o volume total do valor financiado da fórmula tradicional de operação: TJLP de 7,5% mais spread bancário de 2% e a parte do agente financeiro de 3%. “Isso totaliza taxa anual de 12% a 13% o que é perfeitamente viável”, afirma Braga.



Tags: Implementos, vendas, mercado, Alcides Braga.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência