NOTÍCIAS
04/11/2016 | 19h33

Autopeças

Indústria de rolamentos NSK faz 100 anos

Empresa está nos 5 continentes com 64 fábricas e 32 mil funcionários


MÁRIO CURCIO, AB

Primeira fábrica da NSK fora do Japão foi inaugurada em 1970 em Suzano (SP)
A fabricante de rolamentos NSK comemora 100 anos na terça-feira, 8 de novembro. A companhia japonesa está presente nos cinco continentes com 64 fábricas, emprega 32 mil colaboradores e tem faturamento anual de US$ 9 bilhões. A planta brasileira, inaugurada em 1970 em Suzano (SP), foi a primeira erguida pela companhia fora do Japão.

A unidade produz 4 milhões de rolamentos por mês na soma de componentes industriais (para motores elétricos, por exemplo) e automotivos (para linha leve, pesada e para motocicletas). “Exportamos para todo o Cone Sul e também para os Estados Unidos”, afirma o presidente da NSK Brasil e Argentina, Carlos Storniolo.

Sem divulgar números, o executivo afirma que no acumulado até setembro a filial brasileira superou o mesmo período do ano passado por causa do mercado de reposição e também porque algumas das montadoras para as quais fornece, como Honda e Yamaha, tiveram desempenho melhor que a média do mercado.

Outros de seus clientes instalados no Brasil são MAN Latin America e Volkswagen. No segmento de duas rodas, além de Honda há BMW, Dafra, Suzuki e Yamaha. E os rolamentos que já fornecia como itens originais para as motos fabricadas em Manaus começam a chegar ao mercado de reposição (veja aqui).

No Brasil, a empresa também fornece direção com assistência elétrica para automóveis nacionais, mas os componentes ainda são importados: “Já avaliamos a possibilidade de produção local, mas ainda não há uma definição”, diz Storniolo.

A fábrica no Brasil tem 180 mil metros quadrados, emprega 398 colaboradores e abriga desde 2008 um dos 14 centros de pesquisa e desenvolvimento da empresa em todo o mundo.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 15/11/2017
Mudança na mobilidade domina discussões do Congresso SAE Brasil

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro