Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Mercedes-Benz apresenta nova geração de câmbio automatizado

Powertrain | 04/11/2016 | 18h27

Mercedes-Benz apresenta nova geração de câmbio automatizado

Dedicado ao off-road, câmbio Powershift equipa extrapesados Axor 3344 e 4144

SUELI REIS, AB ǀ De Campinas (SP)

A Mercedes-Benz avança para fora da estrada e lança a segunda geração do câmbio automatizado Powershift, dedicada ao mercado off-road: a transmissão passa a equipar os modelos vocacionados Axor 3344 e 4144, especialmente indicados para operações mais severas, como o transporte na indústria canavieira, em madeireiras, mineração ou mesmo na construção civil, caracterizadas por locais sem pavimentação, com pistas de terra e topografia irregular. A montadora informa que os preços são de R$ 400 mil para a versão 3344 e de R$ 430 mil para a 4144.

Adaptado da primeira geração do Powershfit, amplamente utilizado pela montadora em seus caminhões rodoviários, o câmbio automatizado de 12 velocidades e sem pedal da embreagem traz a tecnologia de sensor de inclinação, capaz de identificar o tipo de topografia e seu ângulo (se rampa, subida ou plana) e, de forma automática, seleciona e aplica a marcha mais adequada, tecnologia também aplicada no extrapesado Actros e no semipesado Atego. O câmbio automatizado pode ser operado no modo automático ou manual, dependendo da preferência do motorista.

“O novo Powershfit foi desenvolvido para o mercado fora de estrada: foi mais de um ano de testes no Brasil em campos de prova e em parceiros frotistas das áreas de mineração, cana e transporte de madeira”, conta o engenheiro de caminhões extrapesados Actros e Axor da Mercedes-Benz, Hélio Ribeiro, durante a apresentação do novo câmbio na unidade da montadora em Campinas (SP), na sexta-feira, 4.

Segundo Ribeiro, os testes comprovaram que o tempo de acoplagem diminuiu em 40% com relação a versão anterior, graças à nova engenharia da embreagem. “Isso denota um ganho muito maior em agilidade e principalmente em produtividade”, destaca o executivo. Ele acrescenta que com o sistema de troca correta de marchas, é possível preservar ao máximo o veículo e a embreagem, alongando o período de sua troca, o que pode gerar redução de custos operacionais, menos paradas e etapas de manutenção.

O câmbio Powershift que equipa o Axor off-road conta também com três funções. A Power Mode Off-Road é ligada automaticamente ao virar a chave do caminhão: ela ajuda a ter maior controle da troca de marcha pela posição do pedal do acelerador, evitando trocas desnecessárias. Ao desabilitá-la por meio de uma tecla no painel, entra em ação a função EcoRoll, que coloca a transmissão em neutro quando não há demanda de torque, o que pode trazer redução no consumo de combustível. Por fim, a função Manobra proporciona controle preciso na movimentação em pátios e manobras.

CONFIANÇA FORA DA ESTRADA

Para o diretor de vendas e marketing de caminhões Mercedes-Benz no Brasil, Ari de Carvalho, o segmento off-road é uma das grandes apostas da montadora para o próximo ano. Segundo os dados mais recentes da empresa, até setembro este mercado demandou a venda total de 1,6 mil unidades da marca no Brasil, das quais pouco mais de 1 mil para os setores canavieiro e madeireiro. Segundo o executivo, este volume mantém a montadora como líder do segmento, com 49,2% de participação, 10 pontos porcentuais a mais do que os registros de 2015. “Registramos até agora cerca de 10% a mais de consultas dos clientes do segmento”, revela Carvalho.

Ele também projeta que para o mercado total de caminhões, o setor deve fechar o ano com algo em torno das 50 mil unidades, com viés de alta de pelo menos 10% para o ano que vem.

“Tivemos uma queda séria das vendas na passagem deste ano, mas projetamos uma melhora em 2017. Claro, depende de uma conjuntura de fatores, mas especificamente no off-road há uma demanda muito reprimida. No agronegócio, já observa-se uma reação na cana; há expectativa de crescimento de 2,9% da safra de grãos 2016/2017; a madeira também aponta reação já neste ano enquanto há uma melhora no índice de expectativa para novos empreendimentos nos próximos seis meses na construção civil.”

Apesar de prever 10% de aumento das vendas totais no mercado de caminhões para o ano que vem, Carvalho admite que o volume está muito longe do recorde da indústria registrado há 4 anos, quando as vendas atingiram as 170 mil unidades. Contudo, acredita que a retomada, embora devagar, dará novo fôlego e tempo para a readequação da cadeia.

“Todas as empresas do setor tiveram que se reajustar ao novo tamanho do mercado, portanto, não há condições atuais de atender a demanda se ela voltasse de uma vez, de forma muito rápida. Mas seria um problema muito bom de se resolver.”

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência