Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Powertrain | 01/11/2016 | 21h47

Volvo lança sexta geração de câmbio automatizado i-Shift no Brasil

Novo projeto eleva conectividade e vida útil da caixa automatizada

SUELI REIS, AB ǀ De Curitiba (PR)

A Volvo lança a sexta geração do câmbio automatizado i-Shift para caminhões no Brasil. O novo modelo já está sendo fabricado na unidade de Curitiba (PR) há pelo menos duas semanas e será utilizado primeiramente nos modelos pesados FH e FM. Esta é a mesma transmissão lançada na Europa também este ano e traz como principal novidade o aprimoramento de seu sistema inteligente, agora com maior capacidade de conexão entre a caixa e os demais módulos eletrônicos do caminhão, o que aumentou a integração de todo o sistema de força do veículo, oferecendo trocas de marchas mais rápidas, melhor desempenho do acelerador e maior resposta em aclives, ações que potencializam a eficiência com redução de consumo de combustível, de até 3% com relação à sua versão anterior.

“O lançamento do novo i-Shift no Brasil e também para os demais mercados sul-americanos representa o desafio da Volvo de sempre buscar a inovação e a evolução dos mercados onde atua”, declara o presidente do Grupo Volvo na América Latina, Wilson Lirmann. “Apresentar novas tecnologias ao País sempre gerou questionamentos sobre a necessidade destas inovações por aqui e se o mercado está disposto a pagar por isso. Foi assim quando lançamos a primeira geração do i-Shift em 2003; havia a incerteza se o mercado brasileiro iria assimilar esta tecnologia. E hoje, os resultados provam que esta foi uma decisão mais do que acertada: 100% dos caminhões FH saem de fábrica com o i-Shift e considerando as linhas FM e FMX, são 99%. Na linha VM, que oferece este câmbio há dois anos, o índice já chega a 84%”, comemora o executivo. Ele acrescenta: “A inovação está no simples: conseguimos entregar mais desempenho, mais eficiência de consumo. Não queremos trabalhar com o produto mais barato, mas com o que entrega a melhor produtividade”.

O gerente de engenharia de vendas da Volvo, Álvaro Menoncin, lembra da evolução das transmissões da companhia: na década de 1980, a duração de uma caixa mecânica (manual) variava de 250 mil a 350 mil quilômetros, subindo para até 450 mil na década seguinte. No início dos anos 2000, a montadora iniciou seu processo de migração e saída da transmissão mecânica para a automatizada – ou eletrônica, como a empresa define. Foi quando chegou a primeira versão do i-Shift, já concebida como uma nova caixa eletrônica, começando na faixa de 550 mil a 650 mil quilômetros de vida útil.

“A qualidade de materiais aliada a eficiência do sistema inteligente eleva ainda mais a vida útil da nova geração do i-Shift para mais de 1 milhão de quilômetros, trazendo mais disponibilidade do veículo para o cliente”, afirma Menoncin. “O câmbio conversa melhor com ele mesmo, com a eletrônica do caminhão e responde muito mais rápido ao motorista. Além disso, associado ao sistema i-See e aos sensores posicionados na caixa, esta nova geração entende perfeitamente o peso da carga transportada, bem como a topografia a sua frente, melhorando as trocas de marchas, oferecendo baixo consumo com maior velocidade média”.

No Brasil, quando foi lançada, o câmbio automatizado da Volvo era indicado para carga de até 45 toneladas, capacidade que foi superada para volumes acima deste limite com a segunda geração do i-Shift, que chegou por aqui em 2006, suportando até bitrens, uma necessidade cada vez mais crescente no País desde então. Com esta nova geração, o i-Shift proporciona desempenho melhorado em caminhões com motores de 540 cv.

OPCIONAIS

Disponível com 12 marchas mais quatro a ré, a sexta geração do i-Shift traz ainda novidades com mais duas opções alternativas para as linhas FH, FMX e FM com peso bruto total de até 300 toneladas: a primeira com 13 marchas e uma opção de super reduzida, que privilegia o arranque em condições mais adversas, seja em topografias mais acidentadas ou de regiões de serras, ajudando a manter a velocidade média no retorno com carga vazia, utilizando a última marcha denominada Overdrive.

A segunda opção é a caixa automatizada de 14 velocidades com super reduzida, indicada para operações de transporte de cargas indivisíveis, possibilitando ao caminhão rodar a velocidades muito baixas, de 0,5 a 2 km/h. “É muito útil em manobras de precisão, como em canteiros de obra, transporte de cargas muito grandes ou simplesmente em transporte de cargas que precisam rodar muito lentamente”, explica o também engenheiro de vendas da Volvo, Deonir Gasperin.

Nesta versão, é possível ainda especificar a caixa com duas marchas a ré adicionais mais curtas a fim de facilitar manobras de precisão para trás.



Tags: Volvo, câmbio automatizado, i-Shift, transmissão, Wilson Lirmann.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência