Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 01/11/2016 | 17h0

Schaeffler e Bosch apostam na embreagem eletrônica

Fornecedores veem chances de introduzir E-Clutch no País novamente
PEDRO KUTNEY, AB

Como opção mais barata do que as transmissões automáticas ou automatizadas, dois fornecedores apostam na reintrodução no País da embreagem eletrônica, a E-Clutch, que automatiza o acoplamento e desacoplamento do motor, sem que o motorista precise acionar o pedal da embreagem enquanto faz as trocas de marchas manualmente. Schaeffler e Bosch estão desenvolvendo a solução quase que simultaneamente, e ambas mostraram sua E-Clutch na mostra tecnológica do último Congresso SAE Brasil, realizado no fim de outubro.

Há um ano a Bosch fez uma demonstração para jornalistas de sua embreagem eletrônica instalada em um carro de testes (leia aqui) e nesta edição do Congresso SAE trouxe outro veículo equipado com o sistema para apresentar aos visitantes do evento. Já a Schaeffler mostrou em seu estande o protótipo de sua E-Clutch-MT Plus semiautomática com atuador eletro-hidráulico, que mantém o pedal e o motorista escolhe se quer ou não usá-lo para trocar as marchas. Ambos os fornecedores dizem que, por enquanto, nenhuma fabricante decidiu lançar carros com a embreagem eletrônica, mas existem conversas.

“As montadoras estão curiosas com a tecnologia, que é mais barata do que um câmbio automatizado e oferece conforto parecido no anda-e-para do trânsito, mas também porque pode trazer economia de combustível, algo cada vez mais exigido”, diz Claudio Castro, diretor da divisão de negócios de transmissão da Schaeffler Brasil. A redução de consumo ocorre se a E-Clutch for programada para abrir automaticamente quando o carro está em movimento inercial, sem que o motorista pise no acelerador, para dessa forma deixar o motor funcionando em baixa rotação – a embreagem fecha novamente com qualquer toque no freio ou acelerador. A versão eletroeletrônica do equipamento também pode ser combinada com Start-Stop, que desliga o motor quando o veículo está parado e religa quando volta a acelerar, aumentando a economia.

No fim dos anos 1990, a Schaeffler já equipou carros fabricados no Brasil que usaram sistema parecido, caso do Mercedes-Benz Classe A AKS e do Fiat Palio Citymatic, nos quais o motorista também trocava as marchas sem precisar pisar no pedal de embreagem. Na época, os clientes brasileiros não viram muita vantagem em pagar mais por isso e esses modelos tiveram vida curta. Castro avalia que desta vez pode ser diferente, pois existem mais pessoas que gostariam de ter o conforto de não precisar acionar o pedal da embreagem no trânsito pesado das grandes cidades brasileiras, mas não podem pagar tanto por modelos equipados com transmissões automáticas. “Outro fator é que os brasileiros também não gostaram muito dos câmbios automatizados, que têm certo atraso nas trocas de marchas, o que não acontece com a E-Clutch, que é até mais barata”, pondera o executivo.

Castro avalia que a Schaeffler tem boas chances de superar os concorrentes caso a E-Clutch passe a ser adotada por algum fabricante no País. “Temos larga experiência com transmissões e embreagens, que já são parte de nosso portfólio, por isso podemos oferecer soluções integradas e melhor ajustadas”, diz. A embreagem eletrônica apresentada pela Schaeffler na Europa em 2015 é modularizada, com vários graus de automação, pode ser adaptada para funcionar de várias formas, por meio de atuador eletro-hidráulico ou completamente eletroeletrônico, com ou sem pedal.

Seja com Bosch ou Schaeffler, apesar dos argumentos a favor, a aposta na E-Clutch ainda é incerta no Brasil, pois representa um meio termo tecnológico antes da transmissão automática que talvez o cliente nem queira experimentar. Poucas montadoras nesse momento de baixa severa do mercado se arriscariam a gastar recursos para desenvolver soluções que podem não vingar. O tempo necessário para ajustar a embreagem eletrônica a um carro é de cerca de dois anos, segundo os dois fabricantes. Portanto, se é verdade que nenhuma montadora decidiu usar a E-Clutch até o momento, será difícil ver a tecnologia adotada em algum modelo nacional antes de 2018.

Tags: Embreagem, automatização, E-Clutch, Schaeffler, Bosch.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência