NOTÍCIAS
26/10/2016 | 20h14

Segurança

Normas de segurança poderiam evitar 40 mil mortes na América Latina

Estudo prevê que até 2030 se pouparia US$ 143 bilhões com redução de vítimas


REDAÇÃO AB

Um novo relatório do Global NCAP – Programa de Avaliação de Carros Novos – em conjunto com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) aponta que cerca de 40 mil vidas poderiam ser salvas, bem como seriam evitadas 400 mil sequelas graves até 2030 na América Latina se forem adotadas normas de segurança básicas propostas pela Organização das Nações Unidas (ONU) nas resoluções 14, 16, 94 e 95 que dispõem sobre cintos de segurança e pré-tensionadores, airbag frontal e airbag lateral.

A avaliação econômica com base na soma de mortes e feridos graves que poderiam ser evitados, totalizando 440 mil, sugere que essa redução no número de vítimas poderiam poupar até US$ 143 bilhões no período de 2016 a 2030.

O relatório também recomenda sobre a necessidade de adoção das normas referentes ao controle eletrônico de estabilidade, o ESC (norma UN13H) e sistemas de proteção de pedestres (norma UN127).

- Veja aqui o relatório completo do Global NCAP sobre mortes e normas de segurança na América Latina (em espanhol).

O estudo foi realizado de forma independente pelo Laboratório de Investigação do Transporte do Reino Unido (TRL na sigla em inglês) e suas conclusões estão alinhadas com as recomendações adotadas pela Assembleia Geral das Nações Unidas e as Metas Mundiais para o Desenvolvimento Sustentável.

A premissa do estudo era estimar quantas mortes e feridos poderiam ser evitados em quatro países da América Latina: Argentina, Chile, México e o Brasil estipulando as normativas de segurança mínimas para veículos por meio dos programas de testes de colisão.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) datado de 2015 revelam que apenas 40 países em todo o mundo aplicam em sua totalidade os regulamentações mais importantes referentes a segurança para ocupantes de veículos.

Para a presidente do Latin NCAP, vinculado ao Global NCAP, María Fernanda Rodríguez, “o relatório demonstra que devem ser implementadas as regulações da ONU na região da América Latina: sabemos que os fabricantes podem fazê-lo, mas não cooperam; os governos devem agir agora para salvar as vidas de seus cidadãos que merecem os mesmos níveis de proteção que os norte-americanos ou europeus”.

“Alguns países da América Latina iniciaram o processo legislativo e agora estão aplicando algumas normas similares às da União Europeia e às de outras regiões mais industrializadas, mas continua existindo uma brecha significativa entre as normas de segurança para veículos na região. Em particular, os testes de impacto frontal e lateral impostos pelas regulações 94 e 95 das Nações Unidas deveriam ser obrigatórios e aplicados a todos os carros novos que fossem vendidos nos mercados sul-americanos, devendo isso ocorrer o mais rápido possível. Esse relatório mostra o número de vidas que podem ser salvas, se forem implementadas medidas de segurança. O BID exorta todos os governos a implementá-las rapidamente”, afirma o especialista sênior de transporte e coordenador para segurança viária do BID, Dalve Soria Alves.

Segundo o chefe do TRL, Richard Cuerden, essas normas de segurança estão em vigor na Europa há décadas: “Há necessidade imperiosa de adotar as regulamentações de segurança secundárias para veículos impostas pelas Nações Unidas na América Latina. Na Europa, elas vêm evitando as desnecessárias mortes e lesões de centenas de milhares de pessoas. O estabelecimento de uma proteção mais comum e equitativa no caso de uma colisão para todos os usuários de veículos, sem importar a região, seria um grande passo para a democratização da segurança viária no mundo”.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 22/02/2017
Com Duster e o novo Captur, francesa aproveita maré alta dos SUVs

Esta coluna é apoiada por:

DE CARRO POR AÍ | 24/02/2017
Nissan apresentará dia 15 sua picape mexicana no mercado brasileiro
AUTOINFORME | 22/02/2017
Carro tem a preferência sobre todos os outros modais
QUALIDADE | 13/02/2017
Indústria automotiva precisa começar a pensar na retomada
INOVAÇÃO | 13/02/2017
Precisamos de bons exemplos que marcaram a história pela capacidade de ousar e criar
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
O mundo está em transformação e é melhor ser parte da mudança do que esperar ela acontecer
DISTRIBUIÇÃO | 09/08/2016
Crise pode reduzir negócios no pós-venda ou ser oportunidade para manter clientes mais próximos
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes