Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 29/09/2016 | 19h33

Jeep: como está a operação 18 meses depois

Complexo industrial acelera para fazer 180 mil carros/ano e exportar mais

GIOVANNA RIATO, AB

Há 18 meses o Polo Automotivo da Jeep entrou em operação em Goiana (PE). O empreendimento foi construído com investimento de R$ 7 bilhões para ocupar o posto de fábrica mais moderna da FCA no mundo. Desde então a gama de produtos feita ali já inclui três carros: os Jeep Renegade e Compass e a picape média Fiat Toro. A produção acontece em dois turnos e, ainda que um deles não esteja completamente cheio, saem das linhas de montagem pernambucanas 600 unidades por dia.

A contração severa do mercado brasileiro conferiu ao Polo Automotivo Jeep um ritmo inferior ao esperado inicialmente. Quando a planta foi inaugurada, em abril de 2015, Sergio Marchionne, CEO global da FCA, declarou que esperava melhora das vendas em 2016, projeção completamente errada. Agora, em visita ao Brasil para o lançamento do Jeep Compass (leia aqui), ele apontou que a expectativa é de que os negócios comecem enfim a se recuperar a partir de 2017.

Ainda assim, o ritmo da nova fábrica é bem superior ao de boa parte da indústria, que administra ociosidade acima de 50%. A empresa não revela o volume de produção projetado para 2016, mas aponta que o objetivo é acelerar para, em breve, alcançar o patamar de 180 mil carros anuais na fábrica, que tem potencial para fazer 250 mil unidades/ano. Atualmente 10% do total feito ali é exportado para países da América Latina, com meta de elevar este porcentual para 20%.

Vocação para atender a outros mercados não falta. Marchionne assegura que o nível de qualidade alcançado na unidade é compatível com o visto nas melhores plantas globais. A estratégia é desde o início produzir ali veículos com maior valor agregado, enquanto a unidade de Betim (MG) segue responsável pelos carros mais populares da marca Fiat.

Nessa toada, os robôs e máquinas da unidade estão longe da ociosidade. Mesmo com elevado nível de automação, há 3,1 mil funcionários só na produção da Jeep. A empresa já começou a contratar outros 500 colaboradores para dar conta da montagem do Compass. A idade média ali é de 27 anos: a força de trabalho é jovem e foi garimpada e treinada em uma região sem qualquer tradição industrial. “Sobrevoei esta área para decidir sobre o investimento e não tinha absolutamente nada aqui. Era só cana de açúcar. Agora temos uma operação completa que é modelo dentro dos nossos negócios”, diz Marchionne.

EM BUSCA DE NOVOS FORNECEDORES

Além dos funcionários da fábrica da Jeep, há outros 5 mil trabalhadores dentro do Polo Automotivo na operação dos 16 fornecedores instalados ali. Cerca de 30% da força de trabalho do empreendimento é feminina, porcentual bastante expressivo. Os parceiros instalados dentro da área da planta entregam 41% dos componentes necessários para montar os veículos ali. “São os processos mais estratégicos. Integramos aqui empresas de vários países e culturas com o mesmo nível de qualidade. Todos tiveram de mudar mentalidade e paradigma”, pontua Alfredo Fernandez, diretor do parque de fornecedores do Polo Automotivo Jeep.

Segundo ele, a crise atrapalhou, na verdade, a negociação do segundo supply park que a FCA pretende instalar ali. O outro empreendimento ficará fora do terreno do Polo Automotivo, a 20 minutos, e servirá para localizar ainda mais a produção. “Estamos negociando, mas somos a única montadora instalada na região para quem nossos parceiros poderão fornecer. Com a baixa nas vendas, fica mais difícil chegar a um entendimento”, conta o executivo. Mesmo com os desafios, ele espera fechar as parcerias logo para começar a construção já em 2017. O acordo é que as empresas se instalem com máquinas próprias nos prédios construídos pela FCA.

Até lá a companhia segue gerenciando a complexa - e admirável -logística da unidade, com componentes entregues pelos fornecedores do Polo Automotivo em regimes just in time (no mesmo dia que serão usados na linha de montagem do carro) e just em sequence (meia hora antes de serem montados no carros). Uma série de outras autopeças e sistemas vem ainda de mais longe, do Sul do País e da região da fábrica de Betim.



Tags: Jeep, Polo Automotivo, FCA, Goiana, fábrica, produção.

Comentários

  • Rodrigo

    Pelo nome da pessoa que fez o ultimo comentário (Paula Tej...) já não se espera ser uma pessoa séria...a FCA está no caminho certo, embora a FIAT anda pisando um pouco na bola com os seus produtos e altos preços nada competitivos mas, não justifica um comentário infantil e sem fundamento deste da colega.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência