NOTÍCIAS
27/09/2016 | 13h17

Comerciais

Wabco contorna crise no Brasil com tecnologia

Adoção de ABS e câmbio automatizado trouxe faturamento extra


PEDRO KUTNEY, AB | De Hannover (Alemanha)

Contreira, da Wabco: sem risco de retrocesso tecnológico
A meta global da Wabco, de crescer de 7% a 8% acima do mercado em todos os mercados onde atua, foi mantida também no Brasil, apesar da profunda retração de vendas que atinge seus clientes, os fabricantes de caminhões e ônibus. “A adoção de novas tecnologias nesses veículos nos ajudou bastante a cair menos do que a média”, explica Reynaldo Contreira, presidente responsável pelas operações da empresa na América do Sul. Ele se refere especialmente aos sistemas de antitravamento de freios (ABS), obrigatórios no País desde 2014, e os controladores de câmbios automatizados, que vêm sendo adotados em maior escala nos últimos anos.

Atualmente a fábrica brasileira da Wabco, em Sumaré (SP), trabalha em um turno e tem 350 empregados. “Com aqueda na produção precisamos fazer cortes e fizemos uma redução de jornada por conta própria por seis meses até o início deste ano. Alguns funcionários foram transferidos para o exterior, realocado em operações na Europa e Estados Unidos. Mas agora parece que estabilizamos”, contra Contreira. Segundo ele, já existem sinais mais positivos do mercado de caminhões no Brasil: “As vendas já estão começando a girar acima da produção em alguns casos e em 2017 esperamos crescimento em torno de 10%”, avalia.

Contreira reconhece que é difícil trazer de imediato ao País a maior parte das tecnologias que a Wabco vem apresentando nos últimos anos. No salão de veículos comerciais de Hannover (o IAA), na Alemanha (22 a 29 de setembro), a empresa apresentou diversos sistemas integrados de segurança ativa, como frenagem automática, assistência ativa de direção (250 mil caminhões já usam o dispositivo nos Estados Unidos) e detecção de pedestres e ciclistas que estão no ponto dos veículos. “Algumas dessa funções para funcionar precisam de estradas com boa sinalização (que é “lida” pelos sensosres) e no Brasil não temos isso. Mas existe uma evolução, talvez possamos adotar sistemas um pouco mais simplificados”, diz.

Para o executivo, “não há risco de retrocesso, as novas tecnologias vão continuar a ser adotadas, mesmo que em ritmo mais lento”. Como evolução, ele cita o ABS: “Passamos de 5% a 6% para 100% dos veículos e isso já está fazendo diferença”, destaca. Ele também aponta o crescimento das vendas de caminhões com câmbios automatizados – a Wabco vende o sistema de controle para quase todos os fabricantes no Brasil, como Mercedes-Benz e, via ZF, para Iveco, MAN e Ford. Para o futuro, Contreira vê boas chances de adoção de outras tecnologias nos caminhões brasileiros, como frenagem automática e o stop&go, que controla o veículo automaticamente no para-e-anda do trânsito.

“No começo existe certa resistência por parte dos frotistas, eles querem saber se tudo isso funciona. Mas depois que comprovam que as novas tecnologias também trazem redução de custos acabam aderindo rapidamente às tendências. O câmbio automatizado é um exemplo disso, o uso era próximo de zero há cinco anos e hoje está presente em 50% a 60% dos modelos pesados vendidos no País”, destaca Contreira.


Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 23/08/2017
Dez fatos que marcaram essa jornada

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
AUTOINFORME | 23/08/2017
Aplicativos vão indicar o melhor meio de transporte
DE CARRO POR AÍ | 18/08/2017
Empresa monta novos planos para mercados emergentes
INOVAÇÃO | 15/08/2017
Indústria automotiva precisa abrir os olhos para novas formas de trabalhar
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
Negócios | 08/03/2017
Tecnologia faz parte da receita para sair da crise
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes