NOTÍCIAS
25/09/2016 | 19h12

Comerciais

VWCO acelera passo internacional no IAA

Empresa planeja dobrar exportações de caminhões e ônibus brasileiros


PEDRO KUTNEY, AB | De Hannover (Alemanha)

Cortes integra a nova holding do grupo e os produtos da VWCO no IAA de Hannover: mais internacionalização
Uma invenção brasileira criada há 35 anos, que por décadas foi o único braço do Grupo Volkswagen fabricante de veículos comerciais pesados, a Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) desde o ano passado é parte de uma grande divisão internacional da corporação, que replica seu nome em inglês, a VW Truck & Bus, que além da empresa com sede no Brasil reúne outra três marcas internacionais: MAN, Scania e VW Nutzfahrzeuge (comerciais leves). Foi assim criada a oportunidade para a VWCO ser tão multinacional quanto suas irmãs do grupo, com foco voltado aos mercados emergentes e planos de dobrar a participação das exportações no negócio.

“Somos uma operação forte no Brasil que pertence a um grande grupo internacional, hoje um pouco diferente do que éramos como MAN Latin America. Agora nos apresentamos como Volkswagen Caminhões e Ônibus com ambições internacionais bem maiores”, explicou Roberto Cortes, presidente da MAN Latin America, nome oficial da empresa desde 2009, quando a VWCO foi comprada pela empresa alemã que, por sua vez, teve o controle acionário adquirido pelo Grupo VW em 2011. Cortes apresentou o plano de internacionalização da empresa durante o IAA, o maior e mais importante salão de veículos comerciais do mundo que acontece a cada dois anos em Hannover, na Alemanha – desta vez de 22 a 29 de setembro –, e desde 2002 tem participação da VWCO com exposição de alguns veículos.

“Costumo dizer que só a metade do mundo, o Hemisfério Sul, já está de bom tamanho para nós”, afirmou o executivo para resumir a parte do mundo que cabe à VWCO explorar com maior apetite daqui para frente. O principal objetivo é elevar a proporção das exportações dos atuais 15% da produção para 30% a 35%. “Já somos líderes em vendas no Brasil e não há motivos para não sermos também no resto da América Latina. Também vamos expandir as operações para outras regiões, especialmente África e Oriente Médio. Temos produtos apropriados para esses mercados”, diz Cortes.

Este ano a VWCO mostrou alguns desses produtos no IAA. A marca trouxe um ônibus e dois caminhões com propostas alternativas de redução de emissões. O Volksbus 18.280 urbano de piso baixo trazido a Hannover é movido a biodiesel de cana e encaroçado pela também brasileira Marcopolo. O cavalo mecânico Constellation 25.420 Prime tem cabine leito fabricada com 18% de materiais recicláveis e redução de massa, que redeu capacidade de carga uma tonelada maior em comparação com modelos do mesmo porte. Já o Constellation 24.280 chassi-cabine usa gás natural (GNV) para reduzir em 20% as emissões de CO2. “Enquanto muito se fala em eletrificação dos veículos comerciais neste IAA, trouxemos alternativas mais viáveis para os mercados em que atuamos para reduzir emissões”, destaca Cortes.

POTENCIAL

A VWCO já exportou 100 mil veículos em sua história. “Temos uma meta de crescimento forte agora, mas já alcançamos isso antes. As exportações já chegaram a 28% da nossa produção, com pico de 14 mil unidades em um ano na década passada, e potencial para chegar a 17 mil se houvesse capacidade na época”, lembra Marcos Forgioni, diretor de vendas internacionais da MAN Latin America. Nesta década, o máximo exportado foi de 9,5 mil em 2011. Em 2015 o volume caiu para apenas 6 mil, número que deve ser repetido este ano. “É perfeitamente possível retomar os negócios e abrir novos mercados. A recuperação nas exportações brasileiras tem potencial para, pelo menos, crescer 5%. E dependendo da mudança atual em economias vizinhas, não seria exagero pensarmos em crescimento de até dois dígitos porcentuais ao ano”, avalia Cortes.

O executivo garante que agora, como parte do grupo Volkswagen Truck & Bus, existe uma mudança de foco com o objetivo de internacionalizar as operações da VWCO. “Não faz sentido depender de um país só. Temos mais possibilidades dentro de um grupo maior, com vocação para mudar o modelo e não colocar todas as laranjas em uma só cesta”, diz. No momento, a prioridade é abrir novos mercados para compensar as quedas de vendas no Brasil e na África do Sul.

Cortes aposta na eficiência do consórcio modular de produção da fábrica de Resende (RJ), que completa 20 anos em novembro, para vender produtos competitivos no exterior. A planta brasileira opera com sete fornecedores atuando diretamente dentro da linha de produção. “Dessa forma conseguimos reduzir os custos no Brasil”, afirma.

Para viabilizar os planos internacionais, a VWCO já tem 340 concessionários no mundo, 156 no Brasil e 186 espalhadas por países da América Latina e África. Também tem linhas de montagem já instaladas no México e na África do Sul. Com 25 pontos de venda, a operação mexicana já cresceu 20% este ano e deve montar mil unidades em 2016, com perspectiva de alcançar 5 mil em três a cinco anos. Cortes revela que vai direcionar pequena parte dos recursos que restaram do atual programa de investimento da companhia, de R$ 1 bilhão no período 2012-2017, para abrir novas unidades no exterior. Ainda este ano começam a operar na África duas novas pequenas plantas para montar kits semidesmontados (SKD) de caminhões Volkswagen enviados de Resende, uma na Nigéria e outra no Quênia. “Ainda não estamos em boa parte dos mercados africanos e temos condições de avançar lá”, comenta Cortes.

SINERGIA INTERNACIONAL

Cortes também destacou a maior sinergia internacional com as demais empresas da Volkswagen Truck & Bus e a importância que a VWCO ganhou dentro do grupo com a formação da holding: “Agora fazemos parte do conselho da companhia, temos um assento e voz. Mostramos nossos veículos no IAA desde 2002, esta já é a oitava vez, mas é a primeira como protagonista, nossa marca (VWCO) está escrita em português no grupo”, disse o executivo durante o evento de apresentação global da divisão de veículos comerciais do Grupo VW, que também teve a presença de um caminhão Volkswagen Constellation 25.420 Prime, modelo que celebra os 10 anos de criação da linha Constellation.

“Já foram produzidos 130 mil caminhões Constellation no Brasil, é uma história de grande sucesso, graças ao bom trabalho da equipe no Brasil, onde está a nossa base especialista em mercados emergentes, com produtos eficientes e robustos, que serão lançados em mais países fora da América Latina”, confirmou Andreas Renchler, CEO da Volkswagen Truck & Bus, na abertura do evento. “Estou seguro que a expansão internacional (da marca VWCO) será um sucesso”, completou.

“Com a formação da holding ganhamos acesso ao que não tínhamos quando éramos uma ilha isolada, com 500 engenheiros. Agora temos 8 mil na companhia com acesso a muito mais tecnologia”, acrescenta Cortes.


Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 14/02/2017
São Paulo avaliará veículos leves e pesados a partir de 2018

Esta coluna é apoiada por:

AUTOINFORME | 15/02/2017
Companhias se empenham em ações para aprimorar atendimento e pós-venda
QUALIDADE | 13/02/2017
Indústria automotiva precisa começar a pensar na retomada
DE CARRO POR AÍ | 13/02/2017
FCA adicionou mais um concorrente de peso na faixa mais promissora do mercado
INOVAÇÃO | 13/02/2017
Precisamos de bons exemplos que marcaram a história pela capacidade de ousar e criar
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
O mundo está em transformação e é melhor ser parte da mudança do que esperar ela acontecer
DISTRIBUIÇÃO | 09/08/2016
Crise pode reduzir negócios no pós-venda ou ser oportunidade para manter clientes mais próximos
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes