Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 22/08/2016 | 23h00

Toyota investe R$ 46 mi em São Bernardo

Novo centro de pesquisa vai desenvolver produtos e fornecedores locais

MÁRIO CURCIO, AB

Com investimento de R$ 46 milhões, a Toyota inaugurou na segunda-feira, 22, seu primeiro centro de pesquisa aplicada no Brasil e na América Latina. O novo prédio fica dentro das instalações em São Bernardo do Campo (SP), onde a montadora construiu sua primeira fábrica fora do Japão, em 1962, e cumpre a segunda fase do projeto "São Bernardo Reborn" que reúne iniciativas para revitalizar a velha planta no ABC Paulista. Segundo a Toyota, a nova área reúne os departamentos de engenharia, compras, regulamentação veicular, qualidade assegurada e design de produto da marca, respondendo assim a determinações do programa Inovar-Auto, que exige investimentos em pesquisa e desenvolvimento pelos fabricantes de veículos em troca de incentivos fiscais.

“O novo centro terá testes de emissões, avaliação de novos materiais e da capacidade técnica de fornecedores. Fará também pequenos desenvolvimentos de design, como o do Etios Platinum (leia aqui) e de edições especiais”, afirma o CEO da Toyota para a América Latina e Caribe, Steve St. Angelo.

A área poderá ajudar no aumento da nacionalização de componentes para os veículos da marca no País, que atualmente usam 70% de peças nacionais, em média. Vai suprir demandas específicas do Brasil, mas poderá atender países vizinhos como a Argentina: “Existe essa possibilidade, até porque ampliamos nossas exportações”, afirma o vice-presidente executivo da Toyota do Brasil, Miguel Fonseca, referindo-se ao Etios, que é montado em Sorocaba (SP) e enviado, além da Argentina, ao Paraguai, Uruguai e Peru.

A primeira etapa do projeto São Bernardo Reborn ocorreu em março de 2015 com investimento de R$ 19 milhões para a transferência da sede administrativa e comercial de São Paulo para o ABC e a abertura do terceiro turno do setor de forjaria da unidade, que hoje fornece peças para fábricasda Toyota no Brasil e Estados Unidos. Também foi introduzido um programa de sustentabilidade ambiental na planta, com instalação de sistemas de captação e reúso de água da chuva e de painéis solares.

A Toyota emprega no Brasil 6 mil trabalhadores, dos quais 1,4 mil estão em São Bernardo do Campo. A unidade produziu de 1962 até 2001 a linha Bandeirante. Hoje fabrica só componentes. Há dois anos cogitava-se a nacionalização ali do híbrido Prius, que não vingou.

O projeto de fazer parte da linha Corolla em Sorocaba (SP) também foi engavetado, à espera da retomada do mercado. Mas vale dizer que a montadora vem ganhando participação na América Latina e Caribe desde criação de uma divisão para a região e a nomeação de Steve St. Angelo como seu CEO. Nestes três anos o market share da Toyota na região passou de 5,3% para aproximadamente 10%.

No Brasil a montadora registra queda inferior a 1% nas vendas acumuladas até julho ante o mesmo período do ano passado, enquanto o mercado nacional recuou quase 25%. E a empresa acredita que até o fim de 2016 terá vendido 180 mil unidades, revertendo a queda para discreta alta de 2%. As perspectivas também são favoráveis para a Toyota argentina, com 80 mil unidades e pequeno crescimento (1%) de market share.

20 MIL KM PELA AMÉRICA LATINA

No dia da inauguração do centro de pesquisa aplicada também ocorreu a largada da etapa latino-americana do projeto global “5 Continents Drive”, promovido pela Toyota Motor Corporation (veja aqui).



Tags: Toyota, Steve St. Angelo, Miguel Fonseca, Etios, Corolla, Prius, design, pesquisa, São Bernardo Reborn, 5 Continents Drive.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência