Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Produção local terá retomada lenta
George Rugitsky é conselheiro do Sindipeças e presidente da Freudenberg NOK

Eventos | 22/08/2016 | 22h40

Produção local terá retomada lenta

Brasil voltará à casa dos 2,4 milhões de veículos apenas em 2020

MÁRIO CURCIO, AB

A indústria automobilística brasileira levará quatro anos para voltar à casa dos 2,4 milhões de unidades produzidas. A projeção é do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças) e foi divulgada no painel Perspectivas do Setor de Autopeças durante o Workshop Planejamento Automotivo 2017, realizado por Automotive Business na segunda-feira, 22, em São Paulo (SP). Em 2015, um ano já bastante ruim (23% abaixo de 2014), o País fabricou 2,43 milhões de unidades.

“Em 2017 a produção de veículos deve crescer 3%”, estima o presidente da Freudenberg NOK e conselheiro do Sindipeças, George Rugitsky, indicando um total próximo a 2,17 milhões de unidades, sendo 1,8 milhão para automóveis.

Uma pequena alta está prevista já para o segundo semestre de 2016. O Sindipeças revela projeção próxima a 1,1 milhão de unidades fabricadas de julho a dezembro e crescimento de 8% nas vendas diárias sobre a primeira metade do ano.

“Nossa previsão é bem mais conservadora que a da Anfavea”, ressalta Rugitsky. A associação das montadoras acredita em crescimento de 26% das vendas diárias na segunda metade do ano sobre a primeira. Sobre os emplacamentos, o Sindipeças estima que no segundo semestre vão superar 1 milhão de unidades, o que fará a média diária registrar alta de 6% sobre aquela anotada nos primeiros seis meses.

O conselheiro do Sindipeças recorda que as várias medidas que a indústria teve de adotar para reduzir a produção (férias coletivas, layoff e redução de turnos) conseguiram baixar os estoques para 37 dias na soma dos pátios de montadoras e concessionárias. “Mas ainda assim o número permanece acima dos 35 dias”, ressalta Rugitsky, referindo-se a um número aceitável.

Para o Sindipeças, entre os fatores que comprometem o crescimento das vendas há não só o desemprego, mas o rendimento médio dos trabalhadores, que vem recuando desde o início de 2015 e terminou o primeiro semestre de 2016 abaixo de R$ 2 mil.

FATURAMENTO DAS AUTOPEÇAS E DÉFICIT NA BALANÇA COMERCIAL

Rugitsky recorda que até o fim do ano as fabricantes de autopeças instaladas no Brasil devem registrar faturamento líquido nominal de R$ 63 bilhões, anotando queda de 4,5% ante 2015. Para 2017 a previsão é de discreta alta de 2,7%, com R$ 64,7 bilhões (veja aqui).

Os investimentos das fabricantes de componentes devem registrar no próximo ano R$ 1,55 bilhão e pequena alta de 2,7% sobre o volume estimado para 2016: “A perspectiva de retomada lenta afasta investimentos. Muitas empresas que atuam aqui são de fora e veem inúmeras oportunidades de investir em outros mercados”, recorda o conselheiro do Sindipeças.

Apesar da desvalorização cambial, o Brasil continua importando mais do que exportando componentes e deve fechar 2016 com déficit próximo a US$ 4 bilhões. E em US$ 3,2 bilhões para 2017. Em sua apresentação, o conselheiro do Sindipeças alertou para o crescimento da inadimplência da carteira de crédito para compra de veículos leves. Esse índice se acentuou de novembro de 2015 até maio deste ano e mostra crescimento mais acentuado na concessão a pessoas jurídicas: “A crise tem afetado a capacidade de pagamento das empresas”, recorda George Rugitsky. A concessão de crédito a empresas para compra de veículos até a metade do ano estava em R$ 5,9 bilhões, bem abaixo do pico de R$ 10,1 bilhões registrado em dezembro de 2014.



Tags: Sindipeças, Freudenberg, George Rugitsky, autopeças, Anfavea, layoff, PPE.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência