Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Brasil segue com taxas elevadas de mortes em acidentes de trânsito
Índice brasileiro chega perto do registrado em países do continente africano (Foto: Renato Araújo/Agência Brasil)

Segurança | 27/07/2016 | 16h11

Brasil segue com taxas elevadas de mortes em acidentes de trânsito

Ipea indica que país tem 21 fatalidades a cada 100 mil habitantes

REDAÇÃO AB

Apesar de recentes evoluções, como a obrigatoriedade de airbags e freios ABS nos carros, o Brasil permanece com taxas vergonhosas de mortes em acidentes de trânsito. A conclusão é do Ipea, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, que elaborou o estudo Mortes por acidentes de transporte terrestre no Brasil: análise dos sistemas de informação do Ministério da Saúde. O material se baseou nos dados mais recentes disponíveis, de 2013.

-Acompanhe na seção Ponto de Vista toda a cobertura sobre segurança veicular.

O levantamento não traz boas notícias: os números brasileiros chegam a 21 mortes em acidentes de trânsito a cada 100 mil habitantes. O índice está distante do registrado em países desenvolvidos. Na Europa, por exemplo, que conta com legislações severas de segurança e consumidores mais bem informados sobre recursos de proteção aos ocupantes nos veículos, são pouco mais de 10 mortes por 100 mil. A taxa brasileira está mais próxima da verificada no continente africano, que soma 24 por 100 mil.

Segundo o levantamento, o trânsito segue entre as principais causas de óbitos no Brasil. Para a população de 15 a 29 anos, por exemplo, este é o segundo maior motivo de falecimentos. Em 2013, houve total de 43 mil fatalidades e perto de 170 mil internações financiadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Com isso, o Ipea calcula que a sociedade tenha um custo de R$ 50 bilhões por ano, considerando gastos com atendimento e a perda de produção das vítimas.

“Independentemente dos custos financeiros , a grande quantidade de mortos e feridos no trânsito brasileiro gera fortíssimos impactos para as famílias envolvidas, a maior parte deles incomensuráveis emocionalmente, e para a sociedade em geral. É fundamental compreender esse fenômeno para que políticas adequadas de redução dos acidentes e das vítimas de trânsito tenham êxito”, destaca o texto, elaborado por Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho, técnico de planejamento e pesquisa do Ipea.

O levantamento aponta que a situação tende a se agravar com o crescimento da frota nacional de veículos. O caso mais grave é o das motocicletas, que concentra o maior grupo de vítimas fatais (28,5% das mortes em acidentes de trânsito). Em seguida aparecem as pessoas que usam automóveis (23,8%), pedestres (19,4%) e ciclistas (3,2%).



Tags: segurança, acidente, trânsito, mortes.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência