Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Segurança | 04/07/2016 | 19h08

Entregamos o que cliente quer, aponta Renault

Presidente da empresa na AL não acha que marca é fraca em segurança

GIOVANNA RIATO, AB | De Medellín (Colômbia)

Os sucessivos resultados fracos em testes de impacto do Latin NCAP não constrangem o presidente da Renault para a América Latina, Olivier Murguet. “Nós estamos atentos para cumprir a legislação e entregar o que os clientes querem com o preço que eles pedem”, resume o executivo, para quem a marca não tem desempenho inferior em segurança na comparação com as concorrentes locais.

O Global NCAP já fez duras críticas a montadora pela falta de segurança dos carros oferecidos em países que têm legislação fraca para a proteção dos ocupantes dos carros. “É preciso avaliar o segmento em que atuamos, não acho que nos preocupamos menos com segurança do que as outras empresas”, justifica Murguet, sinalizando que não é estratégico investir em dispositivos de segurança além dos que são obrigatórios em carros mais baratos. A declaração, no entanto, não leva em conta concorrentes como o Volkswagen Up!, carro popular que recebeu cinco estrelas nos testes de impacto do Latin NCAP, a nota máxima.

A postura de apenas cumprir a legislação de cada país sem oferecer nada além disso pode mudar em breve. Depois de receber nota zero para a performance do Kwid vendido no mercado indiano e avaliado pelo Global NCAP, a Renault assegurou que a versão do carro que será produzida no Brasil trará melhorias importantes em proteção aos ocupantes. Além do airbag duplo frontal, obrigatório no mercado nacional, a montadora promete oferecer de série bolsas de ar laterais, além de Isofix para a instalação de cadeirinha de retenção infantil.

O Kwid chega ao mercado brasileiro ainda em 2016 para substituir o Clio como modelo de entrada da marca (leia aqui). O compacto chegou ao mercado local no fim dos anos 1990 com a promessa de trazer mais segurança. Na época, o Clio foi o primeiro do segmento a sair de fábrica com airbag duplo frontal, que ainda não era compulsório, iniciativa descontinuada pouco tempo depois para que o carro ganhasse preços mais competitivos.



Tags: Murguet defende que companhia não tem performance inferior em segurança.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência