Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Trabalho | 28/06/2016 | 19h31

Metalúrgicos da Karmann-Guia vão à Justiça pedir falência da empresa

Medida dá preferência a trabalhadores em caso de pagamentos posteriores

REDAÇÃO AB

O sindicato dos metalúrgicos do ABC decidiu entrar na Justiça para pedir a falência da Karmann-Ghia alegando abandono de patrimônio. A decisão foi aprovada pelos trabalhadores durante assembleia realizada na segunda-feira, 27, e após a análise do departamento jurídico da entidade. Segundo o sindicato, a medida judicial deverá ser proposta nos próximos dias e foi considerada a alternativa mais viável para iniciar um processo de retomada das atividades na fábrica de autopeças.

“Estamos certos de que a abertura do processo de falência é a única forma de garantir os direitos dos trabalhadores do ponto de vista legal. O interesse maior é que a empresa continue viva”, explica Rafael Marques.

Quando a crise numa empresa avança a ponto de tornar o negócio inviável, os credores, de maneira geral, buscam agilizar a cobrança de suas dívidas para ter prioridade no recebimento dos valores devidos. Aqueles que primeiro têm sucesso nestas cobranças judiciais recebem com juros e correção monetária e os demais, quando o patrimônio da devedora não é suficiente, correm o risco de não receber. No caso das verbas trabalhistas, apesar de terem caráter alimentar - quando as pessoas dependem do salário para garantir sua sobrevivência e de seus familiares - a lei não impede que outros credores recebam antes dos trabalhadores.

Essa situação muda quando é decretada a falência: neste caso, o crédito trabalhista passa a ter preferência, até o limite de 150 salários mínimos. Desde que existam bens a serem vendidos, os pagamentos serão realizados por rateio entre os credores, estando os trabalhadores à frente na ordem de preferência. Segundo o sindicato, trata-se de um processo lento, mas pode representar a melhor alternativa para os empregados.

Durante a assembleia, os trabalhadores também decidiram dar continuidade à ocupação da fábrica, que completou 47 dias na terça-feira, 28. “A ocupação é importante para garantir a permanência do maquinário e, assim, poder defender o que é de direito dos trabalhadores. É com a luta e a união dos companheiros que vamos encontrar soluções e exigir respeito”, disse Marques.

A ocupação teve início em 13 de maio, após a Justiça dar parecer favorável aos antigos proprietários da empresa (leia aqui). O impasse jurídico gerou uma indefinição com relação à propriedade da Karmann-Ghia. O sindicato argumenta que atualmente não é possível saber quem são os reais donos da empresa e que ela está abandonada.

“A situação ficou insustentável. Quando iniciamos o acampamento na fábrica, até a energia elétrica havia sido cortada por falta de pagamento”, lembra o presidente do sindicato. “Os atrasos nos salários eram constantes e os benefícios trabalhistas deixaram de ser pagos. Fizemos várias tentativas de acordo, mas todos acabavam sendo descumpridos. Os trabalhadores estão sem salários desde o fim do ano passado, o último valor pago foi o correspondente a 25% do salário de um mês, depositado em dezembro. Não era possível continuar assim”, defende.

Marques acrescenta que o sindicato tem procurado as diferentes empresas credoras da Karmann-Ghia com o objetivo de buscar soluções: “O maior patrimônio da empresa são os trabalhadores. Não estamos pensando somente nos direitos, mas em construir alternativas e voltar a operar”.



Tags: Karmann-Guia, sindicato, metalúrgicos, trabalhadores, falência, Justiça.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência