Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 13/05/2016 | 12h25

Clariant domina a produção de etanol 2G

Empresa busca clientes dispostos a investir na tecnologia Sunliquid

MÁRIO CURCIO, AB | De Suzano (SP)

A suíça Clariant detém a tecnologia para produzir etanol celulósico ou “etanol 2G”, de segunda geração. A empresa tem uma planta pré-comercial em Straubing, na Alemanha, que desde 2012 processa palha de trigo e também bagaço de cana-de-açúcar brasileiro levado em contêineres. O processo criado pela companhia recebeu o nome Sunliquid. “Com ele conseguimos obter até 300 litros de etanol por tonelada de bagaço seco. Nosso processo pode ter custo até inferior ao de produção de etanol de primeira geração e é o mais competitivo entre os 2G”, afirma o gerente de desenvolvimento de negócios para as Américas, Martin Mitchell.

A Clariant procura no Brasil e em outros países clientes dispostos a investir numa planta de etanol celulósico Sunliquid. Uma unidade montada isoladamente teria custo aproximado de US$ 100 milhões de dólares. “Esse valor diminui bastante se ela for integrada a uma usina convencional”, diz Mitchell. Entre as vantagens do Sunliquid estão o pré-tratamento do bagaço sem produtos químicos (o que reduz o gasto com insumos desse tipo em até 50%) e a produção de enzimas integrada ao processo.

Outras vantagens apontadas pela Clariant para o processo Sunliquid são a utilização de equipamentos-padrão da indústria de papel e celulose e outros encontrados em usinas. “Grande parte da instalação poderia ser fornecida com equipamentos encontrados aqui no Brasil”, diz Mitchell, que acredita que há uma grande chance de a primeira planta com tecnologia Sunliquid ser erguida no Brasil.

Além do pacote de tecnologia, que inclui culturas starter para produção de enzimas integrada ao processo, a Clariant oferece desenvolvimento de projetos personalizados, suporte para aquisição e logística de matérias-primas e capacitação de colaboradores, entre outros serviços.

Parte do etanol celulósico feito em Straubing foi consumida no Brasil por caminhões P 270 Scania comprados pela Clariant e utilizados numa fábrica em Suzano, SP (veja aqui).



Tags: Clariant, Straubing, cana-de-açúcar, bagaço, Sunliquid, Martin Mitchell, Scania, enzimas, etanol celulósico.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência