Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 06/05/2016 | 14h00

Vendas de implementos rodoviários recuam 31% até abril

Pesados têm o pior desempenho desde 2004 e leves voltam ao nível de 2008

REDAÇÃO AB

As vendas de implementos rodoviários no Brasil recuaram 31% no acumulado do ano até abril ao computar um total de 21.018 unidades, entre leves e pesados, na comparação com iguais meses do ano passado, quando a indústria entregou 30.499 unidades, de acordo com dados divulgados na sexta-feira, 6, pela Anfir, associação das fabricantes.

No segmento de pesados – reboques e semirreboques – a queda de 12,8% no mesmo comparativo anual, para 8.144 unidades fez deste o pior quadrimestre desde 2004. A categoria de leves – carrocerias sobre chassis – também registrou o pior quadrimestre desde 2008 com o volume de 12.874 unidades, representando queda de 39,1% sobre mesmo período do ano passado, quando o setor vendeu 21.158 implementos.

“A falta de perspectiva de retomada do mercado agrava ainda mais a situação criando um círculo vicioso onde o desempenho negativo cresce ainda mais”, afirma Alcides Braga, presidente da Anfir.

“Os únicos modelos [pesados] que registraram volume de emplacamentos acima do primeiro quadrimestre de 2015 são aqueles ligados a atividade agrícola como graneleiro e canavieiro”, aponta Mario Rinaldi, diretor executivo da entidade. “Nos demais há retração”, completa.

Na contramão do mercado interno, as exportações do setor de implementos tiveram crescimento de 41,7% de janeiro a abril contra iguais meses de 2015, passando de 563 há um ano para 798 unidades embarcadas neste ano.

REFINANCIAMENTO DE DÍVIDAS

O BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social estendeu para os implementos rodoviários as medidas para o refinanciamento de dívidas dentro do PSI-Programa de Sustentação do Investimento. “Os empresários estão com dificuldades para honrar seus compromissos e por isso essa medida vem em boa hora”, explica o presidente da Anfir.

O refinanciamento tem custo da TJLP (Taxas de Juros de Longo Prazo) atualmente em 7,5% ao ano, acrescido de 1,6% de remuneração do BNDES e até 6% de remuneração do agente financeiro. “Dessa forma o BNDES ajuda as empresas nesse momento difícil e ainda limpa seu balanço transformando o crédito de difícil recebimento em dívida equacionada”, complementa Braga.



Tags: Implementos rodoviários, vendas, Anfir, refinanciamento, BNDES, Alcides Braga.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência