Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Volare Cinco estreia chassi feito dentro de casa
Cinco recebe este nome pelas 5 toneladas de PBT. Mede 6,7 m e leva até 20 passageiros

Lançamentos | 27/04/2016 | 22h00

Volare Cinco estreia chassi feito dentro de casa

Empresa investiu R$ 250 milhões no desenvolvimento e produção do modelo

MÁRIO CURCIO | De Vitória (ES)

A Volare já produz o miniônibus Cinco, um novo modelo que consumiu cerca de R$ 250 milhões entre o projeto e a modernização da fábrica de São Mateus, no Espírito Santo. Meio van, meio micro-ônibus, o Cinco recebe este nome pelo Peso Bruto Total (PBT) de cinco toneladas. Com isso ele se enquadra na categoria M3 e se beneficia da linha Finame.

O novo veículo se destaca pela utilização de chassi próprio em vez de ser montado sobre uma base fornecida por fabricantes de caminhões. “O que orientou essa decisão não foi a economia no custo do chassi, mas a necessidade de uma base específica para o transporte de passageiros”, afirma Francisco Gomes Neto, CEO da Marcopolo, proprietária da Volare.

As vendas do modelo começam em maio. São três versões. A mais em conta é a Escolar, com preço sugerido de R$ 169 mil e capacidade para 20 estudantes. A intermediária, Executiva, custa R$ 195 mil e leva 16 passageiros. A Executiva Plus sai por R$ 208 mil e transporta 13. “As primeiras 200 unidades terão bônus de R$ 8 mil”, afirma o diretor comercial, Mateus Ritzel. A Volare acredita na maior demanda da versão executiva, mas não arrisca projeções: “É impossível um prognóstico neste momento”, diz Gomes Neto.

Por causa da retração de mercado, que reduziu as vendas da Volare em 58% em 2015 e fez baixar sua produção no primeiro trimestre deste ano em 25%, a fábrica de São Mateus está operando em um turno apenas, com capacidade para dez unidades por dia. Com dois turnos passaria a 20 veículos/dia, mas ainda não se sabe quando isso ocorrerá. A fábrica comporta ampliação para 40 unidades diárias, o que demandaria algum investimento, cerca 10% do total já aportado no novo projeto.

Neste momento São Mateus se dedica somente à montagem do Cinco. Até março deste ano, parte da linha Fly era produzida ali, mas hoje está concentrada na unidade de Caxias do Sul (RS). A rede Volare também perdeu quatro ou cinco revendas e tem atualmente 56 concessionárias.

O PROJETO

O novo miniônibus tem rodado duplo, 6,7 metros de comprimento e pesa 3,5 mil quilos. As dimensões internas (1,93 metro de altura e 1,91 m de largura) e o bom corredor garantem a facilidade de movimentação dos passageiros. A altura externa é de 2,74 m. O acesso ao interior é feito por uma grande porta pantográfica nas três versões, acionada com controle remoto na chave.

O motor é o Cummins ISF 2.8, com 140 cavalos. A transmissão é manual de cinco marchas, fornecida pela Eaton. Os eixos dianteiro e traseiro são Dana. A Maxion fornece o quadro do chassi e também as rodas.

MERCADO EXTERNO

No segundo semestre começam as exportações. “Em julho faremos o lançamento para o Chile”, afirma Ritzel. Assim com os clientes brasileiros, os chilenos receberão modelos equipados com motor Euro 5. Embora a Argentina já adote esse padrão desde o começo do ano, as negociações com o país vizinho não estão definidas. Em 2017 o Cinco passa a ser enviado a mercados que utilizam motores Euro 3 e também àqueles que adotam mão inglesa, com o volante à direita. A Volare está presente em 25 países.

Volare
Cinco tem boa posição de dirigir e alavanca de câmbio no painel, que facilita a movimentação do motorista. Versão Executiva Plus traz central multimídia. Na sequência de interiores, da esquerda para a direita, estão as versões Escolar (para 20 passageiros), Executiva (para 16) e Executiva Plus (para 13). Fotos: Mário Curcio e divulgação

A carroceria do novo modelo mistura diferentes materiais. Utiliza aço estampado na tampa do porta-malas, alumínio nas laterais e plástico na dianteira e parte da traseira. Esse material é produzido pelo processo Sheet Mouldind Compound (SMC), que faz a pré-conformação a quente da resina, das fibras de reforço e outros componentes empregados. O método é o mesmo adotado na produção dos novos jipes Troller T4 e resulta em peças mais leves e bem-acabadas que as de fibra de vidro convencionais.

CONFORTO E DIRIGIBILIDADE

O Cinco tem motor dianteiro e tração traseira. O ruído interno em uso urbano é aceitável. As poltronas das versões Executiva e Executiva Plus são reclináveis. Proporcionam conforto adequado, a não ser que o passageiro seja muito grande ou esteja fora de forma.

A Plus tem retrovisores elétricos, cortinas, porta-pacotes com iluminação, central multimídia, monitor rebatível, piloto automático, faróis de neblina, cintos retráteis e braços nas poltronas.

A Executiva recebe som com CD/MP3 Player. A Escolar também tem rádio com CD/MP3 Player, câmera de ré e sai de fábrica com a identificação lateral em preto e amarelo.

O Cinco é agradável de dirigir. Automotive Business avaliou uma unidade Executiva Plus pela região central de Vitória (ES) e aprovou o desempenho carregando 13 passageiros. A posição de dirigir e dos comandos foi bem trabalhada pela Volare.

Faltou a oportunidade de dirigir em rodovias para conhecer o desempenho em subidas e também a capacidade de frenagem nas descidas. Segundo a Volare, a velocidade máxima é de 130 km/h, mas pela legislação ele não pode passar de 90 km/h.

CONCORRÊNCIA E FUTURAS OPÇÕES

O Cinco vai concorrer com especialmente com Fiat Ducato, Iveco Daily, Mercedes-Benz Sprinter e Renault Master. Segundo a Volare, na análise do TCO, sigla em inglês para o Custo Total de Propriedade, ele leva vantagem sobre alguns concorrentes sobretudo pelo menor desembolso com manutenção.

A Volare já estuda uma opção automatizada do novo modelo. Outra possibilidade seria uma versão furgão (para carga). “Não existem estudos nesse sentido, mas ele tem vocação”, afirma Ritzel. O diretor de engenharia e design, Roberto Poloni, admite a viabilidade de uma versão 4x4, como aquelas que cumprem o programa Caminho da Escola em zonas rurais.

Em fevereiro, quando a Volare mostrou parte do projeto, o investimento informado foi de R$ 180 milhões, dos quais cerca de R$ 100 milhões teriam sido destinados à fábrica. Segundo Gomes Neto, os gastos reais chegaram aos R$ 250 milhões tanto pela fábrica como pelo desenvolvimento do veículo.



Tags: Volare, Cinco, miniônibus, Iveco, Daily, Fiat, Ducato, Mercedes, Sprinter, Renault, Master, Marcopolo, Francisco Gomes Neto, PBT, Mateus Ritzel, Roberto Poloni, Dana, Maxion, Cummins.

Comentários

  • Marco Sousa

    O cinco esta muito bonito, mas ja saiu pretendo por causa do valor sugerido, esta mais caro que a Sprintes

  • Felipe Pereira

    O veículo a primeira vista parece ser bom, não tenho uma opnião formada sobre o carro, porém analisando estritamente a parte estética, deixou a desejar! Está uma "mistura" de Iveco New Daily (que só roda na Europa) com a grade da Nova Master, no estilo grade "gorila" como o próprio representante da Master mencionou. Eu, particularmente achei um "mix" desses dois veículos. A ausência de calotas protetoras, além de, novamente friso aqui, dar uma estética melhorada, me incomoda, pois poderiam proteger os parafusos das rodas dianteiras contra choques contra meio-fio, calçadas etc... Falta realizar alguns ajustes, mas creio que a Volare tem tudo para conquistar essa fatia do mercado!

  • Marcos Lima

    Infelizmente a Volare no Rio de janeiro deixou a desejar! Tenho um Volare W9 e um Volare A8, não há representante da Volare para a reposição de peças! tomará que melhore nesse quisito, pois estou sofrendo!

  • luis antonio

    boa noite amigo. achei interessante este micro (van) , ´gostaria de saber qual é o consumo deste carro.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência