Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Internacional | 25/04/2016 | 18h32

Dieselgate: Volkswagen propõe recompra de 480 mil veículos nos EUA

E posterga para o fim do ano a publicação sobre investigações internas do escândalo

REDAÇÃO AB

O Grupo Volkswagen propôs às autoridades dos Estados Unidos a recompra de 480 mil veículos a diesel que rodam no país dotados com equipamento fraudulento de emissões como uma das soluções para o dieselgate no país, que deve ter no total cerca de 600 mil veículos fraudados. Segundo a agência de notícias AFP, a oferta consta de um acordo inicial entre a empresa, o departamento de Justiça e a Agência Federal de Proteção do Meio Ambiente (EPA, na sigla em inglês) firmado na última quinta-feira, 21, em audiência realizada na corte de São Francisco, onde o processo instaurado contra a VW acusava a companhia de fraudar as normas ambientais e a enganar os consumidores.

“As partes alcançaram um plano concreto e chegaram a um princípio de acordo que deveria solucionar o problema para a maioria dos carros envolvidos”, disse o juiz do terceiro distrito Charles R. Breyer. Embora os termos e detalhes do acordo não tenham sido discutidos na audiência, o juiz disse que os consumidores merecem “uma compensação substancial” e elencou opções como indenização ou ainda o cancelamento dos pagamentos pendentes dos veículos, se for o caso. Breyer ordenou ainda que os detalhes do acordo permaneçam confidenciais até que seja finalizado, “provavelmente em algum momento deste trimestre”, disse o juiz.

O acordo também inclui o compromisso da companhia em investir em fundos para a proteção do meio ambiente. Breyer havia estabelecido a quinta-feira (21) como prazo final para que a Volkswagen chegasse a um acordo com as autoridades americanas e com os donos dos veículos, sob a pena de iniciar um julgamento caso não houvesse acordo. As partes têm agora até 21 de junho para enviar a documentação ao juiz, que marcou para o dia 16 de julho uma nova audiência para a aprovação preliminar do acordo.

Além disso, a Volkswagen terá também de enfrentar as denúncias de cerca de 80 mil proprietários de carros a diesel com motores de 3 litros envolvidos no dieselgate. Em nota, a Volkswagen informa que o acordo nos Estados Unidos não terá qualquer influência jurídica sobre os trabalhos que estão sendo feitos sobre o dieselgate fora do país. Na Europa, a Volkswagen já acordou com o governo alemão e com a União Europeia a opção de recall para os veículos equipados com o sistema fraudulento de emissões.

INVESTIGAÇÃO INTERNA

Além das investigações em países onde os veículos da Volkswagen são equipados com sistema fraudulento, a empresa passa por uma investigação abrangente interna atribuída ao escritório de advocacia Jones Day pelo conselho de supervisão da empresa. Em comunicado baseado na avaliação dos dirigentes da investigação, a companhia informa que atrasará a divulgação das conclusões do inquérito, antes prevista para o fim deste mês.

“Com base na avaliação atual, o escritório Jones Day espera que a investigação seja concluída no quarto trimestre de 2016. A Volkswagen lamenta que teve de se afastar do plano original de divulgar os resultados da investigação até o fim de abril”, diz a nota.

Segundo a empresa, a investigação interna está avançada e produziu até agora 65 milhões de documentos submetidos a revisão eletrônica, dos quais 10 milhões foram encaminhados para revisão dos advogados da Volkswagen. Cerca de 450 entrevistas foram realizadas sobre o dieselgate até agora e outras dezenas de entrevistas adicionais estão planejadas para as próximas semanas.

Na opinião do conselho, a divulgação preliminar do caso prejudicaria significativamente a cooperação da Volkswagen com o Departamento de Justiça e enfraqueceria a posição da empresa em qualquer processo restante, uma vez que indivíduos que ainda têm de ser questionados poderiam alinhar suas declarações com o conteúdo do relatório publicado.

A companhia alega ainda que ainda estão em curso complexas e inúmeras negociações da Volkswagen com um grande número de órgãos dos Estados Unidos, incluindo a Agência Federal de Proteção do Meio Ambiente (EPA), o California Air Resources Board (CARB), além da Comissão Federal de Justiça e os procuradores gerais de cada um dos 50 estados do país e, em particular, com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Tais negociações entraram em fase decisiva mais cedo que o previsto e exigem da Volkswagen um “alto grau de confidencialidade”, condição que restringe a companhia em fazer quaisquer comentários sobre os resultados preliminares da investigação em andamento.



Tags: Volkswagen, dieselgate, fraude, escândalo, acordo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência