Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Toyota busca avanço sem retrocesso
St. Angelo: confiança nos fundamentos econômicos robustos do Brasil

Mercado | 20/04/2016 | 18h44

Toyota busca avanço sem retrocesso

Para St. Angelo, crise é distração que encobre potencial do País

PEDRO KUTNEY, AB

À frente do comando da única marca que registrou crescimento sustentado das vendas no mercado brasileiro no primeiro trimestre de 2016, ainda que de modesto 0,9% com 41,4 mil unidades emplacadas, Steve St. Angelo, presidente da Toyota América Latina e Caribe, avalia que a atual crise é uma espécie de “distração” que encobre o real potencial do País. Durante o lançamento do Etios 2017 (leia aqui) o executivo usou uma figuração de linguagem para explicar seu ponto de vista – algo parecido com o que costuma mostrar aos preocupados japoneses da matriz. “É como um jogador que vai chutar um pênalti e o goleiro fica na frente agitando os braços para roubar a atenção e atrapalhar a cobrança. Sem isso a bola iria facilmente para o fundo da rede”, fez a analogia.

Tudo para garantir que segue firme sua convicção de que a profunda crise político-econômica em que se meteu o Brasil vai passar e em breve o mercado retomará seu ritmo de crescimento. “Vendemos no ano passado 378 mil veículos na América Latina e o Brasil foi responsável por 47% desse resultado. Claro que 2015 foi difícil e os próximos anos também não serão fáceis com a economia fraca, câmbio instável, inflação em alta. Mas tudo não passa de distração do goleiro, pois o Brasil tem fundamentos econômicos robustos. Eu vejo isso nos números, como US$ 379 bilhões de reservas internacionais e dívida externa que representa apenas 35,4% do PIB, enquanto em países como Japão e Estados Unidos esse índice ultrapassa os 100%”, afirma.

St. Angelo destaca também o crescimento da massa de consumidores e o ainda baixo índice de motorização do País, citando que a população brasileira deve crescer 5% até 2020, mas a parcela economicamente ativa avança o dobro, 10%. “Serão mais consumidores em busca de transporte”, diz, lembrando que o País tem apenas 1,9 veículo para cada 10 habitantes, em comparação com o México onde esse índice é de três para 10, Malásia com 4 e Estados Unidos com oito. “Vendo tudo isso, tenho certeza que a economia irá se recuperar, não há dúvida”, reforça.

ESTRATÉGIA SUSTENTÁVEL

Com essa perspectiva em mente, o executivo americano diz que o objetivo da Toyota no Brasil é avançar devagar e sem retrocessos. “Não estamos caçando market share, queremos crescimento sustentável, para evitar demissões e layoffs no futuro”, diz St. Angelo. A estratégia se baseia em ganhar participação de mercado por meio da boa reputação que a marca conquistou entre os brasileiros e da oferta de produtos que atingem ampla faixa de renda, como é o caso dos recém-renovados Etios, Corolla, Hilux e SW4. “Fazemos produtos desejados pelos consumidores e nossa meta é oferecer o melhor serviço nas concessionárias”, lembra, dizendo que o trabalho com a rede tem consumido a maior parte de seu tempo.

Outro foco é a expansão das exportações. “Quando cheguei aqui há quase três anos a Toyota do Brasil só exportava para a Argentina. Hoje já mandamos carros também para o Paraguai e Uruguai, mas precisamos aumentar essas opções, especialmente para outros países da América Latina, África e Oriente Médio”, diz o executivo. “Infelizmente, ainda é caro produzir aqui e não conseguimos fabricar um Corolla mais barato do que o produzido nos Estados Unidos, que exporta o carro feito na fábrica do Mississipi para a maioria dos países latino-americanos. De 40 países da região só conseguimos mandar o nosso Corolla para a Argentina”, lamenta. No entanto, o modelo feito nos EUA é mais simples que o brasileiro.

Em 2015 a Toyota bateu recorde de produção no Brasil, com 160 mil unidades produzidas em suas duas fábricas ambas no interior paulista, em Sorocaba, onde são feitos os Etios sedã e hatch, e Idaiatuba, que monta o sedã médio Corolla. A linha é complementada pela picape Hilux e seu derivado utilitário esportivo SW4, vindos da Argentina, e por poucos carros importados do Japão, caso do Camry, RAV4 e o híbrido Prius. Apesar da queda das vendas de 10% em 2015, com essa oferta a Toyota emplacou 175,8 mil carros e conseguiu ganhar mais de um ponto porcentual de participação de mercado, saltando para quase 7%. E no primeiro trimestre de 2016 o índice aumentou substancialmente para 8,6%, colocando a marca na quinta posição do ranking das mais vendidas no País, ultrapassando a Ford e Renault.

“Estamos no caminho certo do crescimento sustentável, estamos dentro das metas este ano, mas temos de ir além. O mercado está difícil em 2016, não deve ultrapassar 2 milhões de unidades. Por isso precisamos explorar novas oportunidades em nossa cadeia de valor, ajudar nossos fornecedores, reduzir custos e fortalecer os laços com os concessionários”, diz Koji Kondo, presidente da Toyota Brasil.

Ele acrescenta que a fabricante está pronta para crescer mais quando o mercado se recuperar: “Terminamos os investimentos (de R$ 100 milhões anunciados no começo de 2015) para ampliar a capacidade de produção (de 74 mil para 108 mil unidades/ano) e flexibilizar a fábrica de Sorocaba. Também estamos inaugurando a planta de motores de Porto Feliz. Também estamos investindo Np novo centro de pesquisa e desenvolvimento em São Bernardo do Campo, um passo importante para tornar a operação brasileira mais independente da matriz. Estamos preparados para crescer”, afirma Kondo.

No momento, ele descarta a possibilidade de desenvolver algum SUV compacto como fizeram outras montadoras, para explorar um dos poucos segmentos que ainda crescem no Brasil. “A maneira mais fácil de crescer e fazer mais produtos sobre uma mesma plataforma. Mas isso exige recursos e o mercado está muito fraco para investir agora. Vamos esperar”, diz.

Esta semana Kondo viaja ao Japão para mostrar o andamento dos processos e as possibilidades futuras do País. Tanto ele como St. Angelo esperam contar, mais uma vez, com a paciência oriental da direção da Toyota.



Tags: Toyota, Steve St. Angelo, mercado, projeção.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência