Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Setor de motos prevê queda de 12,2% em 2016

Duas Rodas | 07/04/2016 | 17h34

Setor de motos prevê queda de 12,2% em 2016

Fabricantes projetam mercado de pouco mais de 1 milhão de unidades

SUELI REIS, AB

As vendas de motocicletas no Brasil em 2016 devem ficar 12,2% abaixo do volume registrado no ano passado, quando o mercado já havia recuado 14%. De acordo com a revisão das projeções divulgada na quinta-feira, 7, pela Abraciclo, associação das fabricantes, as vendas deste ano devem atingir 1,07 milhão de unidades, quase 150 mil a menos do que as 1,22 milhão de motos licenciadas no ano passado. No fim de 2015, a entidade havia projetado um ano estável, com o mesmo volume de vendas e produção de 2015.


-Veja aqui o balanço da Abraciclo do 1º trimestre.

“As projeções não são muito animadoras, mas 1 milhão de unidades não é um número desprezível”, afirma Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, acrescentando que o País tem capacidade produtiva para 2 milhões de unidades por ano: “Saímos de 2 milhões para 1 milhão em apenas cinco anos”, lembrou.

A revisão pela entidade foi impulsionada pelo resultado do mercado no fechamento do primeiro trimestre, quando as vendas do segmento de duas rodas registraram queda de 26,6% contra igual período do ano passado, para 239,9 mil unidades. Os volumes se referem aos licenciamentos (vendas no varejo). No atacado (vendas para a rede de distribuição) o volume do primeiro trimestre teve queda mais acentuada, de 37,4%, para 215,3 mil motocicletas.

Com o mercado interno encolhido, a produção também será menor. As fabricantes estimam a entrega de 1,14 milhão de motocicletas em 2016, volume 9,7% menor que o de 2015, quando as linhas da Zona Franca de Manaus montaram pouco mais de 1,26 milhão de unidades. Nos três primeiros meses deste ano, a atividade das fabricantes recuou 36,9%, para 227,4 mil unidades no comparativo anual.

Segundo Fermanian, o baixo nível de confiança do consumidor aliado à perspectiva negativa do desemprego são os principais fatores da queda das vendas do segmento, uma vez que o nível de aprovação dos financiamentos segue em nível semelhante ao dos últimos meses do ano passado, em torno de 20%. Ele também elenca o cenário político como agravante: “Esperamos que se resolva rápido, precisamos de algum tipo de movimento para sair do impasse. Essa falta de previsibilidade que faz o País ficar parado e estagnado”, pondera.

Neste cenário, as empresas se ajustam como podem para conter os estoques e se adequar à nova demanda. “As fabricantes têm utilizado todos os mecanismos relacionados ao emprego, como férias, layoffs ou ainda o PPE (Programa de Proteção ao Emprego)”, ressalta o presidente da Abraciclo. O número de empregados pelo setor diminuiu 10% em 2015, para 16.102, e embora a entidade ainda não tenha fechado o número de demissões do primeiro trimestre, a tendência é de queda: “Houve um movimento intenso em março na indústria com os PDVs (Programa de Demissão Voluntária) e que ainda está em curso”, explica o executivo que promete revelar o número de desligamentos no próximo mês. A rede de distribuição segue com 2.162 concessionárias operando, o mesmo número com o qual terminou 2015, representando 1,5% abaixo do total de 2014, quando o setor registrava 2.195 revendas.

MERCADO EXTERNO: EXPECTATIVA POSITIVA

Já nas exportações a Abraciclo espera aumentar os volumes em 1,3% neste ano, ao passar de 69,1 mil para 70 mil unidades. O resultado do primeiro trimestre mostra o potencial da atividade como um alento para a indústria nacional: neste período as exportações mais que dobraram ao registrarem mais de 13,7 mil unidades – há um ano os embarques somaram 6,3 mil unidades.

“A América do Sul, que é nosso maior cliente, principalmente os países vizinhos, têm um potencial de mercado do tamanho do Brasil: uma fatia de 70 mil sobre 1 milhão de unidades mostra que a participação ainda é muito pequena. Estamos em constante conversas com o governo no que diz respeito apoio ao avanço das negociações bilaterais; é um movimento que está acontecendo, mas não com uma velocidade muito ágil porque este tipo de tratativa demanda tempo”, explica.

A expectativa positiva se deve basicamente à Argentina, país para o qual se destina cerca de 70% das exportações brasileiras de motocicletas. Fermanian conta que desde setembro, após o fim das barreiras de importação no país vizinho, o fluxo de embarques melhorou substancialmente. Além disso, Peru, Chile e Paraguai são outros mercados com potencial positivo para este ano.



Tags: Vendas, motocicletas, projeção, produção, Abaraciclo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência