Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Peugeot renova 208, mas mantém patamar de preços

Lançamentos | 05/04/2016 | 18h29

Peugeot renova 208, mas mantém patamar de preços

Com motor 1.2, carro parte de R$ 48.190 e recebe título de mais econômico do País

GIOVANNA RIATO, AB | De Fortaleza (CE)

Como parte do esforço para dar a volta por cima no mercado brasileiro, a Peugeot atualiza o 208. Apresentado pela montadora como hot hatch, o carro teve mudanças estéticas, ganhou novos equipamentos, mas a principal novidade é mesmo o motor PureTech 1.2 flex de três cilindros, que equipa algumas versões e leva a sério a tendência de downsizing, que prioriza potência e baixo consumo de combustível. Neste quesito o carro passa com louvor: a configuração garantiu ao modelo o título de automóvel mais econômico do Brasil na etiquetagem veicular do Inmetro (leia aqui).

A atualização foi apenas do veículo. Os preços começam exatamente no mesmo patamar, de R$ 48.190 na versão mais simples, a Active com câmbio manual e o novo motor 1.2 em substituição ao 1.5, que deixa de equipar a família 208 e, até que seja completamente substituído, permanece em outros carros da gama da PSA Peugeot Citroën. Serão oferecidas sete configurações do carro, com preços que chegam a R$ 78.990 na GT com motor 1.6 THP de 173 cv, que promete aceleração de zero a 100 km/h em 7,6 segundos. As versões intermediárias Active Pack, Allure com câmbio manual e Griffe, com transmissão automática, também permanecem com preços inalterados.

Desde a configuração mais simples, o 208 segue a estratégia da empresa de oferecer sempre bom nível de equipamentos. No caso, o modelo já vem de fábrica com itens como ar-condicionado, lanternas de LED, direção elétrica, volante com regulagem de altura e profundidade, além de vidros, travas e retrovisores elétricos. "Temos coerência no nosso posicionamento de marca. Nossos clientes esperam design e conforto”, destaca Ana Theresa Borsari, diretora geral da Peugeot no Brasil.

O visual do modelo está alinhado com o do vendido na Europa, com algumas adaptações para o mercado local. Internamente o carro recebeu o i-Cockpit, que traz o painel de instrumentos em posição elevada para que o condutor não desvie o olhar da pista, além de nova central multimídia. Os materiais de acabamento e tecidos dos bancos também foram renovados.

Segundo a Peugeot, o 208 é a opção mais em conta se for considerado o mesmo nível de equipamentos em concorrentes como o Ford New Fiesta, Hyundai HB20, Fiat Punto e Chevrolet Onix. O motor 1.2 que equipa o carro agora tem 90 cv de potência, três a menos do que o propulsor 1.5 oferecido na geração anterior. “Esta diferença é amplamente compensada pela economia de combustível que o cliente vai ter”, assegura Sergio Davico, gerente de produto da companhia. Nos testes do Inmetro, quando abastecido com gasolina, o modelo fez 15,1 quilômetros por litro em ciclo urbano e 16,9 km/l em estradas.

O motor 1.6 é oferecido a partir da versão Allure com câmbio automático de quatro marchas e preço sugerido de R$ 59.090. A opção mais completa, 208 GT, não existe na Europa e foi desenvolvida para o mercado brasileiro. Além da esportividade do motor, o carro traz itens como rodas de liga leve de 17 polegadas, aerofólio e controle de estabilidade.


Peugeot 208 versões Griffe (branco) e GT (vermelho)

MOTOR É PEÇA-CHAVE PARA O INOVAR-AUTO

Ana Theresa enfatiza que o objetivo da marca é ficar distante da imagem de carro popular. Para ela, o motor com menor cilindrada não afeta este plano. “A Peugeot deixou de oferecer motor 1.0 há mais de 15 anos, mas faz tempo que este tipo de propulsor não é mais sinônimo de carro popular. Conseguimos ótima performance com o propulsor 1.2 no 208”, garante.

O motor é uma aposta alta da empresa. Totalmente importado da França no atual patamar elevado do dólar, o propulsor pode tornar mais difícil para a marca manter a margem das vendas do 208. A decisão de trazer a novidade mesmo assim pode ter foco em melhorar a rentabilidade no futuro, garantindo boa performance de eficiência energética no Inovar-Auto. “O novo motor é peça-chave para que a gente alcance as metas do Inovar-Auto”, diz Carlos Gomes, o presidente do grupo na América Latina. A conferência dos resultados do programa acontece ainda neste ano e importar o propulsor pode ser a oportunidade que a PSA Peugeot Citroën encontrou para garantir performance melhor e, eventualmente, conquistar desconto adicional no IPI.

“Temos a produção local nos planos, mas só se o volume chegar perto de 100 mil unidades por ano e quando tivermos previsibilidade melhor do mercado brasileiro”, aponta Gomes. Ele admite que o propulsor será usado em outros modelos, o principal candidato a receber a motorização é o Citroën C3, mas por enquanto só no Brasil. “Na Argentina não tem Inovar-Auto, então não vamos levar o motor para lá.”


Peugeot 208: novo motor 1.2 flex de 3 cilindros e detalhe dos novos bancos e painel

PRODUTO ADEQUADO E ESTRUTURA PRONTA

Com as novidades, a Peugeot espera significativo aumento das vendas do 208. A previsão é de que o patamar atual de 750 a 800 unidades por mês suba para mil carros/mês. “Já temos bom resultado com o novo 2008, que supera a nossa previsão com nível de mil emplacamentos mensais”, compara Ana Theresa. Do volume esperado, 60% a 65% deve ser das versões equipadas com motor 1.2, 25% da configuração Griffe com motor 1.6 e 20% das outras opções com câmbio automático e da topo de linha GT.

A Peugeot não aposta apenas na oferta do novo produto para concretizar estes resultados. O lançamento do 208 é apoiado em ofensiva no pós-venda. O carro tem garantia de três anos e revisões a preço fixo. A empresa oferece ainda plano de fidelização dos clientes que já estão na marca. Eles terão acesso a condições especiais de financiamento, com juros subsidiados pela empresa, além de um bônus de R$ 3 mil, que pode ser usado como o cliente preferir, em desconto no valor do carro, serviços ou acessórios na concessionária. “Com isso, uma pessoa pode trocar seu 208 e sair de carro novo pagando a mesma parcela que pagava no modelo antigo”, diz Davico.

A reestruturação da rede de concessionárias, que acontece desde 2014, também deve impulsionar os negócios. A Peugeot inaugurou mais de 20 lojas nos últimos quatro meses e encerrou março com 103 revendas no Brasil, número que saltará para 126 casas até o fim do ano. “Não é só crescer em número, mas melhorar a oferta para o cliente, estar em regiões importantes. Começamos a nos readequar antes mesmo da crise e hoje estamos do tamanho exato para o mercado, com um modelo de negócio rentável para o nosso concessionário”, garante Ana Theresa.

Segundo ela, a linha de veículos oferecida pela marca no Brasil nunca foi tão atual quanto agora, o que soma mais um ponto a favor. Nas casas da marca a meta é conquistar o cliente ao volante, oferecendo test-drive para que ele sinta os atributos dos carros. “Aumentamos em quatro vezes a nossa frota para testes na rede”, conta a executiva.

A ofensiva na área comercial compõe o plano Acelera Peugeot, que envolve toda a rede de distribuição para melhorar a performance da marca. O esforço já rende resultados. Ana Theresa destaca que a empresa encerrou 2015 com 1,10% de participação no mercado brasileiro. O porcentual cresce gradativamente e alcançou 1,44% em março, segundo a executiva.

Ao enfatizar esta evolução, a marca deixa para trás o discurso de que estava em busca de lucratividade e não de market share e mostra disposição em recuperar ao menos parte da representatividade perdida no Brasil. Com isso, a nova estratégia da empresa indica que as duas coisas caminham juntas e que a Peugeot não está disposta a abrir mão de nenhuma delas.



Tags: Peugeot, 208, PSA Peugeot Citroën, lançamento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência