Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 05/04/2016 | 17h05

PSA Peugeot Citroën ainda enfrenta o desafio de localizar

Grupo terá só uma plataforma na AL para alcançar 90% de conteúdo regional

GIOVANNA RIATO, AB | De Fortaleza (CE)

Em 2015 a PSA Peugeot Citroën obteve pela primeira vez lucro na operação da América Latina (leia aqui). O bom resultado, no entanto, não é o suficiente para que Carlos Gomes, presidente da companhia na região, tire uma folga. “É complexo. Cometemos erros no passado e ainda há muita coisa para fazer”, admite. O executivo acredita que seu principal desafio é aumentar o conteúdo local dos carros produzidos na região, que hoje gira em torno de 65%. A meta, ele conta, é elevar este índice para expressivos 90%.

Para chegar lá a companhia pretende reduzir suas importações de componentes pela metade nos próximos três anos com a ajuda da cadeia de fornecedores. “O problema é que há muitas empresas enfrentando dificuldades financeiras, que não conseguem se adaptar tão rápido às nossas necessidades”, aponta. Ele estima que o grupo tenha 400 fornecedores na América Latina e a meta é diminuir a quantidade de parceiros. “Temos pouco mais de R$ 4 mil de conteúdo importado, em média, em nossos carros e eu tenho a pressão de reduzir este número cada vez mais”, diz Gomes.

O processo de restringir as importações na PSA Peugeot Citroën acontecerá em paralelo com o aumento do compartilhamento dos componentes dos carros feitos pela empresa na América Latina. O número de plataformas produzidas localmente vai cair de cinco para apenas uma nos próximos anos. “Esta plataforma ainda está em desenvolvimento”, revela. Segundo ele, a base modular faz parte do plano estratégico que a empresa apresentou na terça-feira, 5, em sucessão ao Back in the Race, que tinha como objetivo colocar os resultados da companhia novamente no azul e foi concluído em 2015, com dois anos de antecedência.

MAIS 2 ANOS DIFÍCEIS

A estratégia local da PSA Peugeot Citroën será conduzida justamente no momento em que o mercado brasileiro enfrenta a crise. Gomes não espera que as vendas passem de 2 milhões de unidades em 2016. “Prevejo mais dois anos de dificuldades”, avalia. Segundo ele, ainda que a situação economia melhore, vai levar algum tempo para isso refletir nas vendas de veículos. “As pessoas estão com outras prioridades agora.”

Para o executivo, a situação não é ideal, mas também não impede que a empresa conduza seus planos de elevar as vendas na América Latina. O objetivo é aumentar tanto o market share, que está em 3,9% no continente, quanto a lucratividade. Gome avalia que a Argentina será pilar importante desta evolução, com mudanças na política econômica desde que o presidente Mauricio Macri assumiu o governo. “Somos um time. O Brasil já cobriu perdas da Argentina, mas hoje está acontecendo o contrário”, assume.



Tags: PSA Peugeot Citroën, Carlos Gomes, mercado, indústria.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência