Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Negócios | 22/03/2016 | 19h00

Argentina quer passo atrás em livre comércio

Queda nas exportações de veículos ao Brasil pode atrasar liberação

REDAÇÃO AB

A queda expressiva de exportações de veículos da Argentina para o Brasil, combinado com o crescimento das compras de carros brasileiros no país vizinho, deve atrasar a adoção do livre comércio automotivo entre os dois países. Em reunião marcada em Brasília para a próxima segunda-feira, 28, Martín Etchegoyen, secretário de Indústria do governo argentino, assegurou ao jornal Clarín que será proposto aos negociadores brasileiros a continuação do sistema de cotas móveis por pelo menos mais um ano, até julho de 2017. O acordo atual, que vence em 30 de junho próximo, prevê que os dois países podem exportar até US$ 1,50 um ao outro em veículos e autopeças para cada dólar que importam do vizinho. Por exemplo, quem importa o total de US$ 1 milhão pode vender ao outro até US$ 1,5 milhão sem cobrança de imposto de importação; o que fica acima desses limites é taxado normalmente.

Desde o início deste ano o governo brasileiro passou a defender o fim deste sistema, com a adoção do livre comércio de veículos e autopeças entre os dois países sem cotas e nenhuma aplicação de imposto alfandegário, assim como previa o acordo original do Mercosul assinado em 1991, mas que no caso do setor automotivo já recebeu mais de 40 adendos imponto limitações comerciais, com interesses que flutuam de acordo com as crises econômicas vividas em cada lado da fronteira.

Em certas épocas, com o real excessivamente valorizado, era o Brasil que defendia o regime de cotas. Agora, com o câmbio mais favorável aos brasileiros e a queda do mercado doméstico que jogou nas alturas a ociosidade da indústria automotiva, são os argentinos que querem a limitação. “Entendemos que, tal como estão as condições hoje em ambos os países, não é o momento ideal para liberar completamente o comércio de veículos. Vamos propor que o sistema atual flex de 1,5 seja prorrogado por pelo menos mais um ano”, disse o secretário Etchegoyen ao Clarín. O regime já havia sido prorrogado por 12 meses em junho de 2014.

A luz amarela contra a liberação do comércio automotivo foi acendida logo após o governo Mauricio Macri eliminar as restrições alfandegárias que a gestão anterior impunha ao setor. Com isso, em janeiro e fevereiro deste ano as vendas de veículos aumentaram 30% no mercado argentino em comparação com o mesmo período do ano passado, mas a maior parte do crescimento foi da venda de carros importados do Brasil, já que as compras de produtos feitos na Argentina subiram apenas 2% no primeiro semestre.

Na mão contrária, as exportações de veículos argentinos ao Brasil não param de cair: após atingir o pico de 400 mil unidades em 2013, baixaram para 302 mil em 2014 e recuaram outros 33% em 2015, para pouco mais de 200 mil. Em janeiro e fevereiro, com o aprofundamento da crise econômica e a maior retração do mercado brasileiro, as vendas dos argentinos caíram ainda mais, 44% na comparação com o primeiro bimestre do ano passado. No sentido oposto, de 2014 para 2015 as montadoras instaladas no Brasil aumentaram em 5,5% suas vendas aos argentinos, de 255,5 mil para 270,2 mil.

Com a balança pendendo mais favoravelmente agora ao lado brasileiro, os argentinos preferem deixar seu mercado mais limitado aos carros brasileiros, que normalmente são modelos mais baratos do que os feitos na Argentina por uma questão de estratégia da maioria das montadoras que atua no Brasil e tem fábricas também no país vizinho.



Tags: Argentina, Brasil, acordo automotivo, importação, exportação, balança comercial.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência