Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Balanço | 27/01/2016 | 19h15

Lucro líquido da FCA diminui 40% em 2015

Ganhos somam € 377 milhões; receita sobe 18%, para € 113,2 bilhões

REDAÇÃO AB

A FCA - Fiat Chrysler Automobiles - registrou queda de 40,3% no lucro líquido de 2015 ao atingir € 377 milhões contra ganho de € 632 milhões no anterior, informa em comunicado divulgado na quarta-feira, 27. Embora as vendas globais tenham ficado estáveis ao somarem 4,6 milhões de unidades, o faturamento do grupo avançou 18% no comparativo anual, de € 96,1 bilhões para € 113,2 bilhões, impulsionado pelo forte desempenho na América do Norte. O lucro líquido ajustado alcançou € 2 bilhões contra, representando aumento de 91%.

O Ebit ajustado (resultados antes de impostos e despesas ou ganhos financeiros e juros) foi de € 5,3 bilhões, aumento de 40% sobre os € 3,8 bilhões de 2014. O balanço é o último que inclui dados de contribuição da Ferrari, marca que saiu do grupo no fim do ano passado (leia aqui). De acordo com o relatório, após o spin-off da Ferrari, o grupo diminuiu a dívida industrial líquida de € 6 bilhões para € 5 bilhões.

A região Nafta foi a responsável por manter o bom desempenho financeiro da FCA, com faturamento 33% maior em 2015, para € 70 bilhões, principalmente devido ao crescimento de volume das marcas Jeep e Ram, além de efeitos de preço positivo e conversão cambial. As vendas na região chegaram a 2,72 milhões de unidades, aumento de 9% sobre 2014.

Já na América Latina a FCA amargou queda de 25,4% no faturamento, passando de € 8,62 bilhões em 2014 para € 6,43 bilhões em 2015, reflexo da queda de 33% das vendas, embora a receita líquida tenha sido parcialmente compensada por ações positivas de preços. As entregas na região recuaram de 827 mil para 553 mil veículos, volume que também reflete a fraqueza econômica da região, resultado das condições comerciais desfavoráveis no Brasil e na Argentina.

Apesar disso, o relatório destaca a manutenção da Fiat como líder de mercado no Brasil, embora tenha perdido participação devido à forte concorrência e pressões de preço (leia aqui) e o desempenho do Jeep Renegade, que ascendeu no mercado de SUV com quase 30% de participação no segmento. Na Argentina, a participação da FCA diminuiu de 13,4% para 11,9%, principalmente por causa da continuação das restrições de importação.

Ao ajustar o Ebit na América Latina a FCA registra prejuízo de € 87 milhões, abaixo dos € 289 milhões de 2014, resultado relacionado com volumes mais baixos de venda, maior inflação nos preços dos insumos na região e com os custos operacionais para o início da produção do Jeep Renegade na fábrica de Goiana (PE), aponta o relatório, que acrescenta que as despesas de lançamento do modelo foram parcialmente compensadas pelo preço líquido favorável e mix de produtos, principalmente pelas fortes vendas do próprio Renegade.

O faturamento voltou a crescer na região Emea, que considera Europa, Oriente Médio e África: foram € 20,4 bilhões, 13% a mais que no ano passado, resultado do aumento de 12% da vendas, para pouco mais de 1,14 milhão de veículos. A empresa atribui o resultado a um mix favorável de produtos e pelo lançamento do Jeep Renegade e Fiat 500X, bem como efeitos de ações de preços positivos nos mercados da União Europeia.

Na região Ásia-Pacífico, incluindo China, a receita foi 22% menor, para € 4,88 bilhões com o recuo de 32% das vendas, para 149 mil unidades.

A divisão de componentes que inclui Magneti Marelli, Comau e Teksid, rendeu faturamento líquido de € 395 milhões, aumento de 38,5% sobre os € 285 milhões apurados em 2014.

METAS PARA O ANO

Em seu relatório financeiro a FCA indica que o lucro líquido ajustado deve aumentar de € 1,7 bilhão para € 1,9 bilhão este ano, enquanto o faturamento líquido deve reduzir de € 111 bilhões para € 110 bilhões. O Ebit ajustado deverá subir de € 4,8 bilhões para € 5 bilhões, mantendo a dívida industrial em € 5 bilhões. Os resultados, inclusive os de 2015, não consideram a Ferrari.

A empresa aponta para uma tendência contínua de melhoria de desempenho nas regiões da América do Norte, Europa, Oriente Médio e África, com melhora da lucratividade na Ásia-Pacífico a partir do segundo semestre de 2016 após a conclusão do processo de introdução de produção da Jeep na China. Para a América Latina, o grupo projeta retorno modesto da lucratividade, com a unidade de Pernambuco alcançando plena produção no segundo semestre.



Tags: FCA, Fiat Chrysler, lucro líquido, receita, faturamento, vendas globais.

Comentários

  • Carlos Silva

    O Grupo Fiat é, com certeza, o melhor fabricante de carros do planeta. Trata-se da empresa que desenvolve as tecnologias mais refinadas e que respeitam o meio ambiente. O consumidor brasileiro é inteligente, sendo que a marca é a líder em vendas no país. A Itália é a terra da Ferrari! Preciso dizer mais?

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência