Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 07/01/2016 | 19h44

Pesados terão mais um ano amargo

Anfavea prevê queda de 14% em 2016, para 76 mil caminhões e ônibus

SUELI REIS, AB

O ano de 2015 foi mesmo inimaginável para o segmento de veículos comerciais pesados, principalmente para caminhões que nunca cogitou amargar queda expressiva de 47,7% sobre o ano anterior com a venda de 71,6 mil unidades. O volume que fez o mercado retornar ao patamar de 2003, segundo dados divulgados pela Anfavea na quinta-feira, 7. Segundo projeções da entidade, em 2016 o setor de pesados, incluindo caminhões e ônibus, enfrentará dificuldade semelhante ao prever volume de 76,1 mil unidades, 14% menor que o de 2015, quando as 88,4 mil unidades já ficaram 46,2% abaixo do resultado do ano anterior. Já as vendas de ônibus caíram 38,9% no ano, para 16,7 mil unidades.

-Veja aqui os dados da Anfavea

“Foi uma queda substancial a de 2015 embora o volume tenha ficado próximo dos 90 mil previsto pelas montadoras no fim do ano. O resultado foi influenciado pela retração do PIB, baixa confiança do consumidor e condições menos atrativas de financiamento”, argumenta Luiz Carlos de Moraes, vice-presidente da Anfavea durante a apresentação do balanço anual do setor.

A boa notícia para o setor são as novas condições do Finame TJLP (Taxa de Juros a Longo Prazo) anunciada em dezembro pelo governo e em substituição ao Finame PSI, extinto em 31 de dezembro de 2015. Entre as mudanças e especificamente para a aquisição de caminhões e ônibus por empresas de grande porte a participação do BNDES no financiamento permanecerá em 70% do valor do bem, mas a participação da TJLP na composição do custo será maior, de 70%, sendo que os 30% restantes financiados com taxas de mercado. Até então, o financiamento era realizado com 50% em TJLP e 50% com taxas de mercado.

“A nova regra traz previsibilidade ao setor; poderemos contar com ela durante todo o ano e traz a vantagem de ter sido publicada antes do fim do ano, diferente de outras medidas que em anos passados foram comunicadas em janeiro e só começavam a vigorar em fevereiro”, afirma Moraes. “As condições econômicas são difíceis, mas é o que nós temos e vamos trabalhar com isso”, acrescentou.

Em sua avaliação do ano, Moraes relembra que a parada brusca das operações pelo Finame PSI no fim de outubro e sua retomada em novembro causaram impactos importantes nas vendas de fim de ano: “Estávamos com uma média de 6 mil unidades por mês e caiu de 4 mil a 5 mil com a mudança”, informou.

O segmento pesado com PBT acima de 15 toneladas foi o mais impactado em 2015: a queda das vendas chegou a 60% sobre o ano anterior, para pouco mais de 18,6 mil unidades. Semileves e leves registraram os menores índices de retração, de 6,5% e 32,6%, respectivamente, para 3,7 mil e 19,3 mil unidades.

Já as exportações foram totalmente na contramão do mercado interno encerrando o ano com crescimento de 17,7% para um total de 20,8 mil caminhões. Houve crescimento dos embarques para diversos mercados: 18,6% para a Argentina, 34% no Chile, 54% para a África do Sul e 88% de alta das exportações de caminhões para o México. No segmento de chassis, as montadoras brasileiras enviaram 7,3 mil ônibus para o exterior, 10,9% a mais do que em 2014.

“As exportações não compensaram a queda da produção”, disse Moraes. Diante da fraca demanda do mercado doméstico, as fábricas de pesados ajustaram seus estoques revelando queda de 47,1% da produção em 2015, para 74 mil caminhões, e queda de 34,7% para a produção de chassis de ônibus, com 21,4 mil unidades.

Para 2016, as projeções das montadoras preveem exportações novamente em alta, com aumento de 12,4% sobre 2015, para um total de 31,7 mil veículos pesados, considerando caminhões e ônibus. Para acompanhar os embarques, a produção deve crescer 12,8%, para 107,8 unidades.



Tags: Caminhões, Anfavea, projeção, ônibus, vendas, Finame PSI, TJLP, .

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência