Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Citroën fechará o ano com cerca de 30 mil veículos
Novo Aircross ajudará a manter o ritmo de vendas da Citroën

Mercado | 25/11/2015 | 17h30

Citroën fechará o ano com cerca de 30 mil veículos

Montadora estima número igual ou pouco maior que este para 2016

MÁRIO CURCIO, AB | De Porto Real (RJ)

A Citroën fechará 2015 com cerca de 30 mil veículos vendidos no País e espera algo próximo a isso em 2016. “Queremos repetir ou superar este número”, afirma o diretor-geral das marcas Citroën e DS no Brasil, Paulo Solti.

O volume de emplacamentos será cerca de 45% menor que os 50,8 mil veículos Citroën registrados em 2014. Se voltarmos a 2011, quando a marca teve 90 mil unidades vendidas, a queda passará dos 65%. Naquele ano a Citroën obteve 2,6% de participação de mercado. O objetivo atual é de 1,3%.

Um dos carros que ajudarão a manter as vendas locais é o Aircross, que acaba de ser renovado (leia aqui). O hatch C3 também passará por mudanças, entre elas uma nova central multimídia. “Ele é o nosso carro mais vendido no Brasil e com qualquer incentivo ele decola”, afirma o diretor de marketing e produto da PSA para a América Latina, Fabrício Biondo.

No primeiro trimestre a Citroën fará alguma grande ação ligada a serviços. Paulo Solti não revelou detalhes, apenas que será algo abrangente, para mais de um modelo. “Temos a percepção de que precisamos melhorar nesse aspecto”, disse.

PORTO REAL VIVE NOVO RITMO

Com o encolhimento das redes Peugeot e Citroën e a redução da oferta de modelos das coirmãs, mais a retração de mercado, a fábrica da PSA em Porto Real (RJ) sofreu as consequências.

No início da década a unidade chegou a montar 27 veículos por hora e teve três turnos. O ritmo atual estaria em 20 carros por hora, em dois turnos de trabalho. O número de operários foi reduzido de 3,5 mil para 2,4 mil. Eles montam sobre a mesma plataforma os Citroën C3, o Aircross e os Peugeot 208 e 2008.

A fábrica também produz quatro motores, dois flexíveis (1.5 e 1.6) para suprir parte dos carros para o mercado brasileiro e dois a gasolina (1.4 e 1.6) que equipam alguns dos modelos feitos na Argentina.



Tags: Citroën, Paulo Solti, DS, Fabrício Biondo, C3, Peugeot.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência