Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Governo corta recursos do Finame-PSI

Crédito | 27/10/2015 | 17h31

Governo corta recursos do Finame-PSI

Com baixa procura, programa é encerrado mais cedo este ano

PEDRO KUTNEY, AB

O mais importante programa de financiamento para compra de veículos comerciais, responsável por viabilizar de 70% a 80% das vendas do segmento no País, o Finame-PSI sofreu novo golpe na sexta-feira, 23, quando o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou resolução que reduz em R$ 30,5 bilhões os recursos destinados à linha de crédito do BNDES, que caiu de R$ 50 bilhões para R$ 19,5 bilhões, considerando todas as operações. Para o caso específico de caminhões e ônibus novos, a fatia voltada a grandes empresas teve o limite reduzido de R$ 8 bilhões para 1,8 bilhão; para micro, pequenas e médias empresas o valor caiu de R$ 8,8 bilhões para R$ 5 bilhões; e o Procaminhoneiro, destinado a autônomos, foi cortado de R$ 1,4 bilhão para apenas R$ 151 milhões.

Ao mesmo tempo, na prática o CMN também encerra o PSI mais cedo este ano: o programa continua valendo até o fim de dezembro, mas só serão aprovados os contratos daqueles que entrarem com o pedido de empréstimo até o próximo 31 de outubro. A modalidade de requisição simplificada do PSI, em que o tomador aprova o financiamento no banco repassador mais rapidamente, já foi cancelada na segunda-feira, 26.

Em comunicado, o Ministério da Fazenda justificou a medida devido à baixa procura pela linha, que até setembro passado somou apenas R$ 6,8 bilhões, considerando todas as modalidades do PSI, que também contempla a aquisição de máquinas industriais, entre outros bens de capital. Como os recursos do PSI vêm do Tesouro Nacional, o governo decidiu usar a sobra do dinheiro e encerrar o programa mais cedo para cobrir o rombo fiscal, conforme já confirmou em evento na terça-feira, 27, o ministro Joaquim Levy.

O tombo na procura pelo PSI para compra de caminhões e ônibus já era esperado desde o início de 2015, quando o governo reduziu bastante a atratividade da linha, aumentando a taxa de juros do programa de 6% ao ano para 10% (grandes empresas), 9.5% (pequenas e médias) e 9% (Procaminhoneiro), além de reduzir a parcela financiável, que era de 100% do valor do bem, para apenas 50% no caso de corporações de grande e 70% para as de pequeno e médio portes. O prazo máximo de 120 meses caiu para 72 meses (seis anos), com seis meses de carência para iniciar os pagamentos. A partir de março, as montadoras fizeram uma composição, oferecendo parte do financiamento pelo PSI e outra pelo Finame-TJLP, que tem taxas variáveis.

A linha continuou a ser a mais barata do mercado, mas a retração da economia, aliada ao grande volume de antecipação de compras em 2014 para aproveitar as condições de financiamento mais favoráveis, acabou por reduzir muito a procura pelo PSI este ano. Com problemas de caixa, tudo indica que o governo deve acabar de vez com o programa nos moldes atuais, passando a oferecer só o Finame-TJLP a partir de 2016.



Tags: BNDES, Finame, PSI, financiamento, caminhão, ônibus, crédito.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência