Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 07/10/2015 | 03h35

Honda vai de consórcio para enfrentar 2016

Cury, diretor comercial, diz que modalidade se adapta ao momento

MÁRIO CURCIO

A Honda contará com o consórcio e com a renovação da linha para ter um 2016 com emplacamentos semelhantes a 2015, na casa de 1 milhão de unidades. Em entrevista na véspera da abertura do Salão Duas Rodas (Anhembi, de 7 a 12 de outubro), o diretor comercial da Honda, Alexandre Cury, e o diretor de relações institucionais, Paulo Takeuchi, falaram sobre as expectativas da companhia. A Honda equipou as linha Fan e Titan com novos motores de 160 cc, mudou também a moto de entrada Pop e tenta conter reajustes decorrentes da alta do dólar e de matérias-primas. “Embora a produção seja bastante verticalizada, a fábrica também sente o impacto do câmbio. Se o salto é muito grande é preciso recorrer à área comercial”, afirma Takeuchi.

Alexandre Cury recorda que a Honda tem no consórcio uma grande ferramenta neste momento por não haver a transferência dos juros como no Crédito Direto ao Consumidor (CDC). “É claro que também há um limite para a manutenção dos preços no consórcio e as parcelas têm de ser muito bem calibradas, mas em curto prazo não devem subir. Segundo o diretor comercial, a participação da modalidade nas vendas da Honda passou em anos recentes de 30% a 37%.

As dificuldades de Cury e da Honda vão além dos reajustes. Também é preciso adequar todas as motos à fase 2 do Promot 4, programa de controle de emissões que passa a valer em 1º de janeiro nas linhas de montagem. Em seu estande a Honda ficou devendo a Biz 100 e a CG 125 com mudanças técnicas, como injeção eletrônica em vez de carburador, que devem ser mostradas só no fim do ano: “A Honda tem uma linha de motos muito grande, por isso houve necessidade de fazer as mudanças de forma escalonada”, diz Cury. Também é uma forma de os concessionários lidarem com seus estoques.

A perspectiva para exportações é de ligeiro crescimento. De acordo com Takeuchi, os embarques para a Argentina ainda têm peso importante por causa do envio de kits CKD. “Também exportamos motos para Estados Unidos, Austrália, Peru, Chile e pretendemos ampliar os envio para a Colômbia. Há outros mercados menores como Uruguai, Paraguai e Equador. Só não conseguimos exportar mais por causa da tecnologia mais avançada em relação a esses mercados. Estamos entrando na segunda fase do Promot 4 e alguns mercados não têm nem mesmo o Promot 1”, conclui Takeuchi.



Tags: Honda, Alexandre Cury, Paulo Takeuchi, Salão Duas Rodas, consórcio, Fan, Titan, carburador, injeção eletrônica.

Comentários

  • ADRIANO PEDROSA

    Olá! Pergunto porque a Honda interrompeu neste a ano a comercialização do modelo VFR1200F e quando este modelo retornará ao mercado brasileiro.

  • rodrigo

    estou interessado em fazer um consórcio..

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência