Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Volvo quer se firmar como líder em conectividade
Tecnologia da nova linha F pretende garantir disponibilidade do veículo

Tecnologia | 25/08/2015 | 19h15

Volvo quer se firmar como líder em conectividade

Companhia olha para o futuro e deseja ampliar compartilhamento de informações

GIOVANNA RIATO, AB | De Fortaleza (CE)

A Volvo está empenhada na tarefa de se firmar como a fabricante de caminhões que mais oferece soluções de conectividade para seus clientes. A empresa aprofunda a investida que começou com a chegada da nova linha F, apresentada no mercado brasileiro em outubro de 2014, um ano e meio depois de chegar à Europa. “Queremos usar a tecnologia para garantir que o caminhão esteja 100% disponível, com zero paradas não planejadas”, explica Michael Gudmunds, gerente global de serviços conectados da companhia, que visitou o Brasil para participar do seminário sobre conectividade que a montadora promoveu na terça-feira, 25.

A nova gama de caminhões da marca vem de fábrica com recursos inovadores para o segmento, como o dispositivo I-See, que armazena na nuvem dados da via. Estas informações serão usadas nas próximas vezes que o veículo passar pela mesma estrada para tornar a condução mais eficiente, economizando combustível. Outra tecnologia de série que mostra a aposta da marca sueca em conectividade é o My Truck, aplicativo de celular que exibe indicadores do painel do caminhão, como consumo, nível de combustível, de Arla 32 e até mesmo se o alarme do veículo soa ou uma porta é aberta. Os dados podem ser acessados remotamente tanto pelo motorista quanto pelo responsável pela gestão da frota.

A Volvo aproveitou o evento para destacar as funcionalidades do sistema On Call. O dispositivo permite que, por meio de um botão, o motorista peça socorro para alguma falha do caminhão. O veículo já vem equipado com um chip e, quando necessário, completa uma ligação para a central de atendimento da companhia em Curitiba (PR). De lá os profissionais da marca são capazes de acessar o sistema do caminhão, detectar qual componente está com problema e como consertá-lo.

A partir de 2016 a empresa fará ainda trabalho ativo de manutenção preventiva. A ideia é entrar em contato com os clientes sempre que o veículo estiver perto de precisar trocar alguns componentes. Por enquanto essa iniciativa tomará como base a quilometragem rodada, com dados do uso do caminhão passados para a fábrica pela tecnologia embarcada do veículo. A ideia é refinar ainda mais esse serviço nos próximos anos, com potencial de identificar o desgaste dos componentes de forma ainda mais detalhada.

Os recursos oferecidos pela marca fizeram a nova geração da linha F ficar, em média, 20% mais cara na comparação com a anterior. Ainda que o aumento seja indigesto para os clientes principalmente em momento de retração da economia, a investida tecnológica pode trazer larga vantagem à Volvo na área de conectividade. Nilton Roeder, diretor de estratégia e desenvolvimento de negócios da companhia na América Latina reconhece que os novos recursos dos caminhões permitirão que a empresa forme preciosa base de dados sobre as estradas do continente.

“Teremos banco com informações coletadas pelo I-See. No futuro poderemos ter uma versão compartilhada do sistema, que use dados captados por um veículo para ajudar na condução de outro motorista e outro caminhão”, explica. o executivo esclarece que um passo importante para que isso se torne realidade já está acontecendo, que é a manter os veículos conectados e compartilhando informações com a fábrica.

Enquanto planeja as próximas etapas do avanço tecnológico dos caminhões, a Volvo já comemora bons resultados com a linha F recém-chegada ao mercado. Dados da transportadora chilena RRCia International apresentados no evento mostram que o uso dos novos caminhões da marca equipados com as tecnologias garantiram redução de 7% no consumo de combustível na operação da estrada do Caracol, na Cordilheira dos Andes, trecho conhecido por ser perigoso por causa das curvas apertadas. Além do I-See, a empresa utiliza o Dynafleet, sistema de gerenciamento de frota oferecido como opcional.

MOTORISTA CONECTADO

Antes de lançar no mercado brasileiro os novos veículos pesados e extrapesados, a Volvo fez um levantamento com 600 motoristas do País para entender como estes profissionais lidam com o aumento da conectividade. O estudo revelou que os condutores têm, em média, 42 anos, são casados e concluíram o ensino médio. Entre os que participaram do estudo, 62% têm desktops em casa, 38% possuem notebooks e 24% usam ainda tabletes.

Sobre o uso de recursos tecnológicos nas viagens, 5% dos entrevistados levam notebooks, 4% tabletes e 38% utilizam seus smartphones, porcentual que sobe para 50% no caso dos motoristas que fazem viagens de médias e longas distancia. “Quanto mais tempo na estrada, mais conectado o condutor é”, destacou Daniel Homem de Mello, gerente de marketing da Volvo Brasil. Os dados indicam que, se depender do interesse dos motoristas brasileiros em tecnologia, a fabricante de veículos deve ter bons resultados com a sua investida em conectividade.



Tags: Volvo, conectividade, tecnologia.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência