Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Sem acordo, Mercedes confirma demissões

Trabalho | 19/08/2015 | 16h59

Sem acordo, Mercedes confirma demissões

Após impasse com sindicato, montadora anuncia cortes a partir de setembro

REDAÇÃO AB

Terminam sem acordo as duas reuniões entre representantes da Mercedes-Benz e do sindicato dos metalúrgicos de São Bernardo do Campo (SP) realizadas nos dias 17 e 18. Tanto montadora como sindicato confirmam o impasse entre as duas partes e a ausência de alternativas além das que foram discutidas. Como não houve consenso, a Mercedes-Benz informa em nota divulgada na quarta-feira, 19, que oficializará as demissões dos trabalhadores a partir de 1º de setembro na planta paulista, onde calcula excedente de mão de obra em 2 mil pessoas, conforme já havia sinalizado (leia aqui).

Por sua vez, o sindicato informa que caso a montadora concretize as demissões, vai iniciar “um processo de luta” (greve). Segundo o sindicato, a empresa não aceitou aderir ao PPE (Programa de Proteção ao Emprego), alternativa sugerida pelo próprio sindicato a fim de evitar os desligamentos na fábrica, onde são produzidos caminhões, chassis de ônibus, motores, eixos e transmissões. Os trabalhadores aprovaram em assembleia a autorização ao sindicato de negociar as condições do PPE junto à montadora (leia aqui).

Durante as reuniões, as duas partes tentaram buscar formas de solucionar a viabilidade de adoção do PPE, que neste caso previa redução de jornada em 20% com redução salarial de 10%. Para a Mercedes, “a adoção isolada do programa não é suficiente para continuarmos a administrar o contínuo excesso de pessoas na unidade, considerando nossa atual ociosidade de quase 50% na fábrica, além das expectativas negativas de recuperação do mercado em 2016”. Durante a negociação, a empresa alegou ser necessária a adoção de outras medidas além do PPE, como a reposição parcial da inflação nos salários no próximo ano, proposta que já tinha sido rejeitada pelo sindicato, bem como o nível de redução da jornada e de salário.

“Em que pesem outras diversas propostas que fizemos, a empresa permaneceu irredutível. Ela nem sequer concordou que pudéssemos discutir alternativas com os trabalhadores após o retorno da licença remunerada, que ocorre na próxima segunda-feira, dia 24, e manifestou que vai iniciar o processo de demissões do excedente ainda antes do retorno do pessoal. Obviamente, não vamos aceitar isso”, destacou Sérgio Nobre, diretor do sindicato.



Tags: Mercedes-Benz, demissões, sindicato, trabalhadores, empregos, São Bernardo do Campo, PPE.

Comentários

  • Lucas Abner

    Eu acho que este é o destino de todas as montadoras. Como os caminhões têm sido o mais afetado; 2016 com certeza sera marcado pelas demissões também. Que haja um proposito positivo para tudo isso!

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência