Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 05/08/2015 | 17h20

GM quer fazer motor diesel no Brasil

Montadora deve encerrar contrato com MWM e produzir em fábrica própria

PEDRO KUTNEY, AB

A General Motors confirmou que vai encerrar no início do próximo ano o acordo que mantinha com a MWM para a fabricação no País do motor diesel que hoje equipa versões da picape S10 e do utilitário esportivo Trailblazer. A intenção é fazer o propulsor em uma das fábricas brasileiras da empresa. Questionada, a montadora enviou a seguinte nota oficial: “A GM informa que o contrato com a MWM para produção, sob licença, do motor Chevrolet 2.8 Turbodiesel na fábrica do fornecedor em Canoas (RS) se encerra em fevereiro de 2016. A partir desta data, a GM transferirá a produção para uma de suas unidades no Brasil, ainda a ser definida.”

O contrato para a produção do 2.8 Turbodiesel da GM pela MWM foi firmado em julho de 2008 para início das entregas a partir de novembro de 2011, com a chegada ao mercado brasileiro da nova geração da S10 e Trailblazer. Foi noticiado na época que este teria sido do maior contrato da história da MWM International, com valor total em torno de US$ 3 bilhões para fabricar no Brasil cerca de 280 mil unidades VM em sete anos, até 2018. Por motivo que nenhuma das empresas quer comentar, o acordo está sendo encerrado dois anos antes.

Atualmente a GM produz somente motores flex gasolina-etanol no Brasil, em duas fábricas: São José dos Campos (SP) e Joinville (SC), que foi inaugurada em 2013. Como S10 e Trailblazer são os dois únicos veículos ainda fabricados em São José, parece fazer mais sentido a produção de motores diesel na unidade do Vale do Paraíba – aliás, seria a volta da fabricação lá, pois a planta foi inaugurada em 1959 justamente para fazer propulsores a diesel inicialmente. Contudo, devido aos conflitos com o sindicato dos metalúrgicos local, desde 2013 a GM vem esvaziando a fábrica, que tem ficado de fora dos planos de novos investimentos. Já Joinville é mais moderna e totalmente dedicada a uma só operação, mas tem a missão, primeiro, de produzir uma nova geração de motores otto mais eficientes, para atender às exigências do Inovar-Auto.

Na semana passada, em reportagem do portal do jornal O Globo, o presidente do sindicato dos metalúrgicos de Canoas, Paulo Chintolina, disse que a MWM já havia comunicado aos funcionários que o motor para a GM não seria mais produzido na unidade a partir de fevereiro de 2016. A fabricante de motores diesel, que pertence ao grupo americano Navistar, não comenta o assunto. A única informação oficial é que a produção continua normal na planta localizada na região metropolitana da capital gaúcha, Porto Alegre, com média de 3 mil motores entregues por mês à GM.

A MWM fornece motores para picapes e utilitários Chevrolet no Brasil e Argentina desde 1996. Em 2008, a GM comprou a italiana VM Motori, com intenção de trazer da Itália propulsores diesel para equipar a nova geração de sua picape média a partir de 2011, que até então usava o MWM Sprint. Foi quando a fabricante de motores conseguiu negociar a produção do modelo VM em sua fábrica de Canoas. Em 2010 a GM vendeu sua participação na VM para a FPT, do Grupo Fiat, mas reteve consigo o projeto do 2.8 Turbodiesel, que passou a ser feito em dois lugares no mundo: no Brasil de forma terceirizada e em planta própria na Tailândia, de onde pode também importar o motor se mais à frente desistir de produzi-lo aqui.



Tags: GM, General Motors, diesel, motor, 2.8 Turbodiesel, fábrica, MWM, Navistar, Canoas.

Comentários

  • Fernando Schiesser

    Apenas uma anotação: A fábrica da GM em São José dos Campos foi inaugurada em 1959 para a produção do antigo motor 6 cilindros à gasolina 4.300 cc então usado nos caminhões e pickups da marca. Naquela época a GM não produzia veículos com motor diesel.

  • Frederico

    A GM está com a linha de montagem pronta em São José. Especulou-se que seria na moderna planta de Joinville mas não foi concretizado. A GM não pode trazer os motores da Tailândia pois o governo barrou esta importação, eles tentaram e foram penalizados. Boatos dizem que a MWM quebrou os pratos pois queria reajuste no preço dos motores, coisa que a GM não costume fazer com os seus fornecedores. A GM suga dos fornecedores que nem os extraterrestres do filme Guerra dos Mundos. A MWM no fim achou um mal negócio este contrato.

  • Tiago

    Tenho uma S10 2013, turbo diesel, adorei o motor mas posso dizer que se a GM modificar um motor consagrado para colocar o motor dela terá uma queda expressiva nas vendas, acho besteira fazer isso.

  • Vicente Soares

    Concordo plenamente com o Tiago. Creio que a GM sofrerá uma queda expressiva nas vendas da S10 e Trailblazer com a retirada do consagrado MWM. Aproveito para tirar algumas dúvidas, se possível: Afinal, qual motor a GM está usando atualmente nos veículos citados acima ? Quando deu-se a mudança ? Ele é nacional ou importado da Tailândia ? Até quando posso comprar uma S

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência