Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Lançamentos | 31/07/2015 | 20h00

Subaru acelera mais forte com o WRX

Importadora já tem 30 pré-vendidos e espera emplacar 40 por mês

PEDRO KUTNEY, AB | De Campinas (SP)

O lançamento do invocado sedã WRX tem potencial para acelerar mais forte as vendas da Subaru no mercado brasileiro. A expectativa do importador da marca no Brasil, o Grupo Caoa, é de emplacar cerca de 40 unidades por mês até o fim deste ano, sendo 30 a 35 da versão 2.0 mais comportada de 270 cavalos, ao preço de R$ 147,9 mil, e de 5 a 10 do superesportivo STI, um “envenenado original de fábrica” com motor 2.5 de 310 cavalos, por R$ 194,9 mil. “Começamos a faturar o carro este mês, mas já temos 30 pré-vendidos, sendo 12 STI. O cliente Subaru é muito fiel”, destaca Danilo Rodil, diretor de vendas da marca.

Se a projeção de vender 2,2 mil Suraru este ano for concretizada, 1,44 mil só neste segundo semestre, a participação do WRX no portfólio da marca no Brasil será em torno de 16% nos próximos seis meses somados. Mas a previsão, segundo Rodil, é ampliar os emplacamentos do modelo para 50 unidades/mês em 2016. “Temos um preço competitivo nesse segmento e vamos ter mais concessionárias no ano que vem”, justifica.

PEGADA ESPORTIVA

O WRX tem design sóbrio, que não chama muito a atenção para seu principal apelo: alta potência e desempenho esportivo. Por isso é perfeito para os apreciadores de performance que não querem (ou não precisam) mostrar isso para todos na rua. Está dentro do conceito do cliente que “compra o carro para ele e não para os outros”, como diz a campanha publicitária montada para a Subaru no Brasil.

A Subaru posiciona o carro sob o conceito “Força sob controle”, para mostrar que toda a cavalaria sob o capô é muito bem adestrada por tecnologias de última geração. O modelo nasceu da plataforma do Impreza em 1992 e foi desenvolvido com tração integral nas quatro rodas para as corridas de rali de velocidade – daí a sigla WRX, de World Rally eXperimental. A experiência deu certo e o WRX já venceu o campeonato mundial WRC por três vezes, transferindo assim a reputação de robustez, estabilidade e performance para a vida comercial do veículo.

Estratégia semelhante é usada para a versão esportiva STI, cuja sigla vem da divisão de preparação Subaru Tecnica International, que para refinar o WRX STI usou a pista das 24 Horas de Nürburgring (Alemanha), onde a marca japonesa conquistou o tricampeonato na edição deste ano, além de bater o recorde da Isle of Man TT Road Course (Reino Unido).

“É um sedã com pegada esportiva”, resume Flavio Padovan, diretor geral da Subaru no Grupo Caoa, que havia prometido trazer a nova geração do WRX, incluindo a versão STI, durante o Salão do Automóvel de São Paulo, em outubro de 2014. Em comparação com a versão antiga que já não é vendida no País há um par de anos, o WRX que chega agora ao mercado brasileiro ganhou em refinamento.

MUDANÇAS POR FORA E POR DENTRO


Design sóbrio esconde o desempenho esportivo do Subaru WRX

A carroceria ficou mais leve e a distância entre os eixos cresceu 22 milímetros, o suficiente para garantir um pouco mais de conforto a bordo. O espaço para pernas no banco traseiro cresceu 50 mm e a capacidade do porta-malas passou de 320 para 340 litros. Soleiras laterais mais baixas e as quatro portas com ampla abertura facilitam o acesso ao carro.

O motor continua a ser o já tradicional boxer da Subaru, com quatro pistões contrapostos na horizontal, o que diminui o centro de gravidade do bloco e contribui para aumentar a estabilidade do carro. O novo 2.0 denominado FA20 que equipa o WRX é turboalimentado e tem injeção direta de gasolina. Desenvolve potência máxima de 270 cv a 5.600 rpm e torque de 35,7 kgfm entre 2.000 e 5.200 rpm. Pela primeira vez esta versão do carro foi equipada com a nova transmissão automática Sport Lineartronic de oito velocidades, que também permite a troca manual nas aletas atrás do volante e conta com o programa Subaru Intelligent Drive (SI-Drive), para a escolha das características de direção em três modos: Intelligent, mais econômico, Sport e Sport Sharp, para tocadas mais esportivas.

O trem de força do WRX é harmonicamente ligado às quatro rodas pela tração integral Symmetrical All-Wheel Drive com distribuição variável de torque controlada eletronicamente. O modelo conta ainda com o sistema Active Torque Vectoring que, nas curvas, aplica leve pressão no freio da roda dianteira interna para reduzir as saídas de frente. Completa a inteligência artificial embarcada o controle de estabilidade e tração denominado Vehicle Dynamics Control (VDC), com três seleções de operação: Normal, Traction (para pisos irregulares ou escorregadios) e Off, que desliga o sistema para que gosta de “cantar pneus”. Na prática, toda a força bruta que vem do motor é domada por um pacote tecnológico bastante eficiente, que “cola” ao WRX ao chão mesmo em alta velocidade.


O interior do WRX com transmissão automática de oito velocidade (à esquerda) tem acabamento de alto padrão igual ao da versão mais esportiva STI, com a alavanca do câmbio manual de seis marchas no console central.

Na cabine o interior do WRX é bem acabado com revestimento de couro sintético no painel, volante e bancos. Os assentos dianteiros esportivos com regulagem elétrica são bastante confortáveis. Na parte central do painel está uma tela touchscreen de 6,2 polegadas, onde o motorista pode controlar o sistema de áudio, sincronizar o dispositivo com o celular por Bluetooth e visualizar a imagem da câmera de ré. Há ainda um outro display LCD de 4,3 polegadas na área superior do painel de instrumentos, que exibe informações do veículo e de sua condução, como pressão do turbo, sistema de ar-condicionado e computador de bordo.

O Subaru WRX é vendido em versão única com ampla lista de equipamentos de série, que inclui teto solar elétrico, faróis de xenônio, rodas 18” de liga-leve, bancos revestidos em couro, e ar-condicionado digital de dupla zona de temperatura.

WRX STI


O Subaru WRX STI de 310 cavalos: desenvolvido nas pistas de corrida

A pegada esportiva sobe de nível na versão STI do WRX, a começar pelo aerofólio traseiro que diferencia o modelo logo à primeira vista. O acabamento e a lista de equipamentos de série é praticamente igual. A maior diferença fica embaixo do capô: o motor 2.5 turbo com injeção direta de 310 cavalos a 6.000 rpm e torque 40 kgfm a 4.000 rpm. Na prática, significa que pisar forte no acelerador equivale a um coice que leva o sedã 0 a 100 km/h em apenas de 5,2 segundos, e logo mais à velocidade máxima limitada eletronicamente em 250 km/h.

Outra diferença importante é o câmbio manual de seis marchas, mais adequado aos ortodoxos da velocidade. E para parar o bólido a Subaro instalou freios Brempo de alta performance. Tudo ao gosto de quem gosta de acelerar e consegue encontrar algum lugar para fazer isso no Brasil. Também serve bem ao propósito de acelerar a reputação da imagem da Subaru no País.



Tags: Subaru, WRX, STI, lançamento, importados, Caoa.

Comentários

  • Ronaldo

    Qual é a pegada ecológica, principalmente no consumo de combustível?

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência