Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
ZF apresenta suas apostas para o futuro
Veículo Urbano Inteligente estaciona sozinho por comando remoto

Tecnologia | 03/07/2015 | 17h10

ZF apresenta suas apostas para o futuro

Companhia investe em eficiência, segurança e automação

GIOVANNA RIATO, AB | De Postdam, Alemanha

A ZF apresentou em seu encontro com a imprensa global as suas apostas para o futuro. Assim como outras sistemistas, a companhia quer cumprir a função de desenvolver e fornecer às montadoras parte expressiva das inovações vistas nos automóveis que chegam ao mercado. As novidades mais interessantes da companhia, que comprou recentemente a TRW e ganhou reforço na área de segurança, foram reunidas no protótipo Veículo Urbano Inteligente, que resume as tendências enumeradas por Peter Lake, vice-presidente de vendas e desenvolvimento de negócios da agora ZF-TRW: “eficiência, segurança e automação.”

O carro elétrico tem entre suas principais ousadias o eixo dianteiro, com ângulo de esterçamento de até 75°. Segundo a empresa, a novidade permite manobrar o veículo com facilidade, algo cada vez mais útil nas grandes cidades. O sistema é complementado pelo Torque Vectoring do acionamento do eixo traseiro, que distribui o torque independentemente para cada roda.

No conceito Veículo Urbano Inteligente a ZF combinou a inovação com a tecnologia de estacionamento por comando remoto Smart Parking Assist. No protótipo o comando era dado por meio de um relógio. De dentro ou de fora do automóvel o condutor pode acionar a função, que identifica vagas e estaciona o carro sozinho, sem que o motorista precise fazer qualquer manobra. Para isso a central eletrônica do carro recebe informações de 12 sensores instalados na dianteira, traseira e laterais.

As manobras são feitas em velocidades baixas, o que os engenheiros que participaram do desenvolvimento do modelo chamam de “velocidade de pedestre”, próxima de 10 km/h. Dessa forma, a ideia é garantir segurança e comodidade, permitindo, por exemplo, que o motorista desça do carro no estacionamento de um shopping, e deixe com o Smart Parking Assist a ingrata tarefa de procurar vaga e estacionar.

Outra possibilidade apresentada pela ZF é controlar o carro por meio de um tablet, que permite ao condutor indicar, de fora do veículo, as manobras que o automóvel deve fazer para, entre outras possibilidades, entrar em uma vaga apertada, que não permitiria a abertura da porta.

INFORMAÇÕES NA NUVEM

Outro protótipo apresentado pela ZF mostra o sistema PreVision Cloud Assist, que busca garantir ao veículo mais eficiência e, principalmente, segurança. A tecnologia coleta as informações dos trajetos percorridos pelo carro. Assim, da próxima vez que o veículo passar pela via, o sistema acessa os dados armazenados na nuvem e informações do GPS para fazer com que o automóvel rode da maneira mais eficiente possível em cada trecho. Caso o motorista entre em uma curva rápido demais, a tecnologia reduz a velocidade para garantir a segurança.

Mesmo quando o motorista pisa forte no pedal do acelerador, o carro reduz a velocidade nas curvas. Dessa forma, na descida de uma serra, por exemplo, o condutor pode ativar o dispositivo e concentrar a maior parte dos esforços em controlar o volante, já que a velocidade será limitada pelo sistema em cada volta.

CARRO AUTÔNOMO

A ZF mostrou estar alguns passos atrás das concorrentes quando o assunto é automação. Ou pelo menos é isso que indica o sistema que a companhia decidiu apresentar em sua coletiva de imprensa. O protótipo mostrado pela empresa reúne a tecnologia ACC de piloto automático ao sistema que reconhece e troca de faixa de rodagem, o Highway Driving Assist. Na prática, a tecnologia permite que o carro ande sem que o motorista precise colocar o pé no acelerador ou as mãos no volante.

Ainda assim, o condutor precisa estar atento, já que os sensores do carro ficam instalados apenas na dianteira. Cada vez que a alavanca da seta é acionada para a direita ou para a esquerda, o carro muda de faixa. O problema é que, sem sensores na lateral, é o motorista o responsável por verificar se há outro carro no caminho e evitar uma colisão.

O engenheiro que apresentou o protótipo foi enfático ao afirmar que, apesar da comodidade oferecida pelo veículo, mesmo sem estar de fato dirigindo, o condutor precisa estar vigilante, com os olhos na estrada. Ele não pode, por exemplo, deixar que o carro rode enquanto checa e-mails ou se dedica a leitura atenta de um livro, atividades prometidas para quando a condução for totalmente autônoma. “Esse sistema não toma decisões. Isso é responsabilidade do motorista”, determinou o especialista. A tecnologia também tem atuação limitadas nas curvas e, diante de voltas apertadas, perto de 90 graus, o carro para e o condutor precisa reassumir o controle.

A tecnologia está na prateleira, pronta para ser instalada no carro da montadora que tiver interesse, mas, diante das várias condições, o sistema parece não ter tanta aplicação no mercado. É questionável o interesse dos consumidores por um automóvel com este nível de autonomia, mas não tão confiável, já que depende da completa atenção do motorista. Outro aspecto importante é a segurança. Um sistema feito justamente para evitar acidentes pode acabar se envolvendo em colisões caso o dono do carro não o utilize da forma correta, se distraindo justamente no momento em que o automóvel sozinho é incapaz de prevenir o impacto.

MERCADO

Durante as demonstrações, engenheiros da companhia garantiram que as tecnologias estão em estágio avançado de desenvolvimento e poderiam ser instaladas em veículos de produção. Ainda assim, a empresa é bastante esquiva quando se trata de estimar o prazo para a chegada destes sistemas ao mercado. A justificativa é que, por causa da compra recente da TRW, concluída em maio deste ano, há limitações para falar dos planos futuros, o que pode influenciar o valor das ações da companhia na bolsa de valores.

Outro entrave são as legislações que determinam que os veículos precisam ser guiados por pessoas. O mais provável é que a ZF siga o fluxo ao lado de suas concorrentes, que também trabalham intensamente para fazer com que o carro atue de forma cada vez mais independente do motorista, tendência que deve ganhar força nos próximos 10 anos, à medida que as legislações que exigem que um condutor esteja ao volante forem atualizadas.


Sistema que combina ACC e Highway Driving Assist permite ao motorista tirar as mãos do volante e o pé do acelerador.



Tags: ZF, carro, prototipo, TRW.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência