Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Distribuição | 30/06/2015 | 13h21

Mil concessionárias devem fechar as portas este ano

Previsão é da MVC, que propõe um choque de gestão no setor de distribuição

PAULO RICARDO BRAGA, AB

Pressionadas pela crise econômica que afeta diretamente a indústria automobilística, mil lojas de concessionárias devem fechar as portas este ano – o equivalente a 12% das 8.300 casas dedicadas à comercialização de veículos novos que existiam no País em janeiro. A previsão é de Marcelo Viana, diretor da MVC Finanças, consultoria empresarial voltada para estratégia corporativa e de mercado e especializada no segmento de distribuição de veículos.

Profissional experiente no ramo, com atuação na diretoria executiva e financeira de grupos como Itavema, Vigorito e Viamar, ele abriu recentemente as portas da MVC com a proposta de reestruturar e racionalizar processos, rever estruturas organizacionais e modelos de gestão, com a implementação de indicadores de performance. “O setor de distribuição enfrenta dificuldades há muitos anos, mas agora a situação se agravou, piorando muito mais do que seria razoável supor. Poucos grupos se prepararam adequadamente para suportar a enorme queda na demanda e na rentabilidade dos negócios”, alerta.

Ele lembra que empresários tradicionais no segmento mantiveram de pé operações concebidas para a comercialização de centenas de veículos por mês, enquanto a ociosidade avançava para 70%. “São estruturas enormes, com um custo fixo insuportável”, aponta.

Viana destaca que o comprador de carros médios e grandes já sabe o carro que vai adquirir ao chegar à concessionária, graças à informação disponível na Internet. O mesmo não ocorre com o cliente de veículos de entrada, para os quais a escolha dependerá bastante do valor proposto. “O momento é muito digital. Mas relacionamento e calor humano precisam ser resgatados por muitas marcas”. Para ele, faltam produtos inovadores no mercado. “Quando surge um SUV surpreendente como o H-RV, da Honda, forma-se uma fila de três meses para entrega do carro, mesmo em época de baixa nas vendas”, assegura.

O diretor da MVC propõe um choque de gestão para as concessionárias que pretendem superar o momento difícil e voltar a crescer no médio prazo. “Mas é preciso implementar estratégias acertadas, evitando o corte indiscriminado de infraestrutura e pessoal. Revendas que estão dispensando profissionais para depois contratar pela metade do salário podem ter surpresas desagradáveis, que serão refletidas na perda de identidade de gestão e governança. É preciso impor controles eficientes para tomada de decisão, com pessoal qualificado”, comenta.

Na contramão do mercado, alguns grupos estão avançando em participação nas vendas. “Trata-se de empresários que fizeram a lição de casa no passado e hoje estão bem estruturados para enfrentar dificuldades e crescer, consolidando negócios interessantes, já que o valor da maioria das concessionárias está em baixa”, afirma Viana. “Mais do que nunca é hora de repensar o modelo de negócio e promover uma reengenharia”, finaliza.



Tags: Concessionárias, distribuição, veículos, consultoria.

Comentários

  • Edgard

    O problema real é que as concessionárias entraram na onda das montadoras e superestimaram o potencial de compra do consumidor brasileiro. O que está acontecendo agora é um realinhamento entre produção e consumo e convenhamos : 12% não é nada alarmante tendo em vista a necessidade obrigatória de se rever para baixo metas de produção / vendas. Só não enxergava quem não queria : níveis elevados de produção, crédito fácil e barato, vendas desenfreadas. "Inocente" foi aquele que apostou que esta "festa" iria durar para sempre ! Resta agora, a duras penas amargar (e pagar) pela falta de visão e quem sabe com isto aprender a lição para sobreviver nas próximas décadas !

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência