Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Bosch apresenta alternativa à injeção direta de combustível

Powertrain | 21/05/2015 | 10h41

Bosch apresenta alternativa à injeção direta de combustível

Solução promete diminuir em 12% o consumo de combustível

GIOVANNA RIATO, AB | De Abstatt, Alemanha

A Bosch trabalha em sistema para reduzir o consumo de combustível dos motores a gasolina que promete ser boa substituta para a injeção direta de gasolina. A chamada Advanced PFI combina quatro recursos no propulsor para alcançar redução de consumo de até 12%. A novidade pode não representar grande redução de custo, mas permite maior índice de nacionalização. “Essa é uma vantagem importante para o mercado brasileiro, que precisa localizar a produção para atender o Inovar-Auto”, explica Martin Leder, que lidera a área de engenharia de powertrain da companhia no Brasil, citando o regime automotivo da indústria local.

Ele estima que, apesar de a injeção direta de combustível oferecer economias de até 15% no consumo de combustível, os componentes usados no sistema não terão produção nacional tão cedo porque não há volume para isso. “A nossa nova solução utiliza partes e peças que já são feitas no Brasil”, conta, explicando que a própria companhia produz os componentes necessários.

Para alcançar o índice de redução no consumo apontado pela Bosch, o motor precisa incorporar quatro sistemas: dupla injeção, taxa de compressão elevada, injeção com abertura da válvula e o chamado PFI Scavenging, em que ar é injetado junto com o combustível no cilindro. O Suzuki Swift 1.2 Dualjet é o primeiro carro vendido no Brasil a incorporar a solução, ainda que parcialmente. “O modelo ainda não combina as quatro iniciativas, apenas uma parte delas", explica Leder.

A Bosch vem apresentando a novidade aos clientes no Brasil, mas o sistema tem algumas limitações. A primeira delas é que o Advanced PFI só pode ser incorporado em motores turboalimentados. A tecnologia é pouco presente nos carros fabricados no Brasil, mas a tendência é que este cenário mude nos próximos anos. “Já existem duas empresas que vão produzir turbos (para veículos leves) no Brasil”, lembra Leder, referindo-se à BorgWarner e Honeywell.

Outro aspecto importante é que, ao menos por enquanto, o sistema alternativo à injeção direta só funciona em propulsores a gasolina. “Estamos trabalhando no flex e devemos incorporar em um veículo para demonstração em breve”, assegura o executivo.



Tags: Bosch, motor, injeção direta, tecnologia, powertrain.

Comentários

  • Neuhaus

    São estas as iniciativas que o Brasil precisa! Financiamentos públicos para progresso tecnológico, reduções de custos e poluentes alavancam o avanço do Brasil, diferentemente de desperdícios e mau uso frequentemente vistos. Parabéns à Bosch!

  • Marcos Rolim

    Incrível como os fabricantes de tecnologia de que no Brasil não tem "volume"! Como pode falar de um mercado que é o quarto ou quinto mercado do mundo! Estes "caras" quem enganar a quem! Se a Europa tem a tecnologia de injeção direta, e por que no Brasil não pode!? Pagamos um carro mais caro do mundo, e não estou falando por causa dos impostos, é por causa do excesso de lucro!!!

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência