Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Aos 18, Honda Sumaré chega ao topo
Montagem do HR-V já ocupa um terço da produção em Sumaré e trouxe investimentos como nova linha de solda, transportador aéreo de portas e mais robôs para pintar para-choques

Indústria | 20/05/2015 | 21h50

Aos 18, Honda Sumaré chega ao topo

Fábrica trabalha acima da capacidade à espera de nova planta

PEDRO KUTNEY, AB | De Sumaré (SP)

Se comparada à evolução de um ser humano ao longo dos anos, a fábrica da Honda em Sumaré chega perto de completar 18 anos de idade no topo da produtividade, em sua estatura máxima. A planta vem produzindo acima de sua capacidade máxima instalada de 120 mil unidades/ano – em 2015 a conta deve ficar próxima de 150 mil veículos. Graças a investimentos de cerca de R$ 100 milhões nos últimos três anos para melhorar a produtividade, além de quase 3,5 horas extras de trabalho em dois turnos, a unidade no interior paulista conseguiu aumentar o volume diário de produção de 540 para 652 carros, para dar conta do sucesso de mercado conseguido por todos os quatro modelos fabricados (Fit, City, Civic e HR-V). Nada mal para quem nasceu, em outubro de 1997, fazendo apenas 20 sedãs Civic por dia.

“Já crescemos 15% de janeiro a abril e estimamos continuar nesse ritmo até o fim do ano”, diz Carlos Eigi, vice-presidente da Honda Brasil responsável pelas operações industriais. O executivo explica que a procura pelos carros da marca está em alta e só a partir do início de 2016 a fábrica de Sumaré poderá ser desafogada com a inauguração da nova planta de Itirapina (SP), a 100 km de distância, e a transferência da produção do Fit para lá. A segunda unidade fabril da Honda Automóveis do Brasil recebe investimentos de R$ 1 bilhão e vai dobrar a capacidade da montadora no País, pois poderá fazer outros 120 mil veículos/ano, com flexibilidade para fabricar qualquer um dos modelos atualmente montados em Sumaré.

O HR-V, lançado em março passado, gerou filas de espera que chegam a três meses dependendo da versão. Por isso o modelo ocupa cerca de um terço da produção em Sumaré, com 240 unidades/dia, e 10 mil já foram fabricados este ano. Segundo Eigi, no momento não há como aumentar os volumes de HR-V, nem é essa a intenção com a transferência do Fit para Itirapina. “Isso será feito para evitar as horas extras e a sobrecarga de trabalho dos funcionários, não necessariamente para aumentar a produção em Sumaré”, afirma. Ele acrescenta ainda que, como o HR-V está fazendo sucesso em vários mercados, também existem dificuldades em elevar as importações de alguns componentes usados no carro, que ainda demoram a ser nacionalizados. “Não é possível fazer isso rápido, alguns ferramentais para fazer peças levam seis meses para ser desenvolvidos”, explica.

O fato é que Sumaré cresce a cada novo modelo que recebe. A renovação dos produtos Honda ocorrida desde 2012 – novas gerações do Civic, Fit e City e o novo HR-V – consumiram investimentos tão altos quanto os normalmente feitos em uma fábrica nova. Para instalar equipamentos e desenvolver ferramental específico foi aportado mais de R$ 1 bilhão, o mesmo valor aplicado para fazer Itirapina.

O HR-V sozinho trouxe investimento de R$ 250 milhões a Sumaré. Além do ferramental exclusivo para o modelo, para fabricar o novo carro no mesmo espaço onde já eram produzidos outros três foram aplicados cerca de R$ 100 milhões em melhorias dos processos industriais, incluindo a instalação de uma nova linha de prensas com três máquinas e cinco robôs para o aumento da capacidade da estamparia; 13 novos robôs substituíram a soldagem manual de peças como porta-malas, porta e capô; outros 16 foram agregados aos 80 já existentes na área de funilaria; foram automatizados os processos de transporte de partes da carroceria e a montagem da suspensão.

FÁBRICA-MÃE

Ao atingir sua maioridade, Sumaré também está sendo preparada para ser a fábrica-mãe da Honda Automóveis na América do Sul, produzindo motores e peças plásticas para a Argentina – que este ano deve complementar a demanda brasileira pelo HR-V – e, em breve, também para Itirapina.

Estão em andamento investimentos que somam aproximadamente R$ 26 milhões para atender Itirapina. Na área de injeção de plásticos, que já conta com três injetoras de 3 mil toneladas e duas de 800 toneladas para fabricar painéis, para-choques e outras peças menores, a linha de pintura de para-choques ganhou cinco novos robôs para ampliar a produção de componentes que serão enviadas à nova unidade 100 km distante.

No mesmo ritmo, a área de fundição e usinagem de blocos e cabeçotes de alumínio vai quase que dobrar o ritmo, das atuais 700 para 1,2 mil unidades/dia, assim como a montagem de motores ganhará uma nova linha, permitindo assim alimentar mais uma fábrica.

Os investimentos recentes envolvem ainda a construção de um novo laboratório de emissões de poluentes, para assegurar a conformidade dos veículos produzidos com as regulamentações do País. Na área são feitas medições para produção e homologação de emissões evaporativas e de exaustão, consumo de combustível, torque e potência, além de durabilidade de catalisadores.

MAIORIDADE ADMINISTRATIVA

O crescimento contínuo dos últimos 18 anos também trouxe a Sumaré a maioridade administrativa, pois desde o início deste ano a unidade se transformou em sede da Honda Automóveis América do Sul, com a transferência de 400 funcionários, incluindo a presidência e diretorias, que antes trabalhavam em São Paulo.

Dentro do mesmo terreno de 1,7 milhão de m² comprado em 1974 por Soichiro Honda em pessoa, o fundador da empresa, além das unidades industriais já está em funcionamento há um ano um centro de desenvolvimento que abriga 300 engenheiros e consumiu investimento de R$ 100 milhões.

Outros R$ 98 milhões foram investidos na nova sede, incluindo o novo prédio de 4,2 mil m² e seus funcionários. Cerca de metade do valor será gasto em benefícios aos empregados que aceitaram se mudar para a região de Sumaré: eles receberam dois salários extras para pagar a mudança e terão bônus de 25% dos vencimentos nos próximos dois anos para arcar com despesas de moradia. Com isso, 90% dos colaboradores de São Paulo aderiram ao programa e aceitaram a obrigação de ter de vestir o mesmo homogêneo uniforme branco usado por todos nas dependências da fábrica, da presidência aos operários, bem ao modo coletivo japonês de ser – dizem que o próprio Soichiro Honda inventou a moda nos anos 50 para que os operários ficassem parecidos com médicos e imbuídos da mesma missão, de não poder errar com seus pacientes, assim como eles não poderiam cometer erros ao fabricar as motos da marca naquela época.



Tags: Honda, Sumaré, Itirapina, fábrica, indústria, investimento, produtividade.

Comentários

  • Vanderlei Nicola

    Ótima reportagem , e ainda mais contendo boas informações sobre o que a Honda quatro rodas esta fazendo e já planejou para o futuro no Brasil . Nota se a visão de um empresário de rara capacidade em visualizar o seu negocio , e a sua filosofia de empreendo ismo é capaz , conheço o trabalho desta organização desde São Paulo / Manaus , e o sucesso de Sumaré , e com certeza Itirapina também fara parte deste conjunto de resultados positivos ,tenho convicção que os seus colaboradores / fornecedores tenham esta visão . Vanderlei Nicola

  • Carolino Nelson Costa

    Sempre é muito bom ler para tomar conhecimento de uma empresa que diante de tantas adversidades nacional tais como: corrupção, desemprego, desvalorização profissional entre outras, saber desta mensagem de otimismo e crença no futuro deste país imenso e rico em mão de obra. Parabenizo esta organização empresarial e me sinto muito lisonjeado por tomar conhecimento da valorização que dão ao ser humano, grato aos dirigentes e a todos responsáveis por esta conceituada empresa. Carolino Nelson Costa

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência