Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Iveco investe para buscar 10% do mercado
'Borba: “Qualquer resultado abaixo de 10% não pode ser aceito”

Comerciais | 19/05/2015 | 19h05

Iveco investe para buscar 10% do mercado

Fabricante de caminhões detalha programa de R$ 650 milhões

PEDRO KUTNEY, AB

Com 8,8 mil caminhões vendidos no Brasil em 2014, o que significou recuo acima da média do mercado, de 23,5% sobre 2013, e perda de um ponto porcentual de participação, fechando o ano com 6,4% de participação, em sexto lugar no ranking dos maiores fabricantes do segmento, os principais executivos da Iveco no País esperam reverter esse quadro com o programa de investimento de R$ 650 milhões de 2014 a 2016, divulgado em abril passado (leia aqui). “Hoje estamos batendo na trave no que queremos, mas temos condições de obter desempenho melhor. Qualquer resultado abaixo de 10% não pode ser aceito”, afirma Marco Borba, vice-presidente da Iveco para a América Latina.

Em seu autodesafio, Borba coloca na conta uma linha completa de produtos lançados ao longo dos últimos anos no Brasil, desde os semileves e leves Daily, passando pelos médios Vertis e semipesados Tector, até os pesados Stralis, todos atualizados em relação aos modelos vendidos na Europa. Apesar disso, a Iveco ainda está longe de alcançar os 10% almejados, continua com 6%, em sexto lugar, atrás de fabricantes com menos produtos, e suas vendas de janeiro a abril se reduziram em 46,5%, porcentual acima do tombo médio de 39% do mercado nacional de caminhões.

Borba avalia que “no passado talvez a marca tenha corrido rápido demais com muitos lançamentos”, o que deixou flancos abertos também no atendimento da rede de concessionárias, hoje com 96 casas de 30 grupos empresariais, que agora passa por reestruturação. “Vamos aproveitar a baixa do mercado para arrumar a casa. Discutimos o fechamento de alguns pontos que ficaram inviáveis, abertura de outros e eventualmente a troca de alguns grupos”, diz Ricardo Barion, diretor de marketing da Iveco América Latina, recém-chegado da MAN. Segundo ele, também foi aberta a possibilidade de abertura de lojas conjuntas de veículos e máquinas agrícolas do grupo CNH Industrial, do qual a Iveco faz parte.

“Nosso objetivo com os investimentos que estamos fazendo é dar um salto de competitividade, com oferta de produtos que o cliente precisa e redução do TCO (custo operacional) dos nossos veículos”, explica Borba. Seguindo essa meta, o programa de R$ 650 milhões está dividido em três pilares: R$ 250 milhões para nacionalização de componentes, R$ 160 milhões para melhoria dos processos industriais da fábrica de Sete Lagoas (MG) e R$ 240 milhões para desenvolvimento e aprimoramento tecnológico dos produtos. Com isso, o executivo estima que os 10% poderão ser alcançados até 2016, quando terminam os aportes iniciados já em 2014.

INVESTIMENTO DETALHADO

“Temos hoje uma situação cambial diferente e precisamos aumentar a nacionalização dos produtos para ganhar competitividade em custo e eficiência logística.” Assim Borba justifica a maior porção do programa de investimentos, com o objetivo de elevar de 10% a 12% o uso de componentes comprados no Brasil nos caminhões e ônibus Iveco, para chegar a um índice de 70% a 80%, dependendo do modelo do veículo, conforme já havia confirmado em entrevista a Automotive Business diretor de compras da CNH Industrial América Latina, Osias Galantine (leia aqui). Cerca de 200 itens serão nacionalizados, principalmente na cabine e suspensão.

Outro objetivo do projeto de nacionalização é trazer fornecedores para perto, no distrito industrial de 257 m², localizado a 450 metros da portaria de Sete Lagoas. São 20 lotes para receber plantas de autopeças, dos quais oito já estão reservados. A Iveco doou parte do terreno de sua fábrica à Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig), que investiu R$ 16,2 milhões nas obras de infraestrutura. Esse valor será cobrado das empresas interessadas em se instalar nos lotes de 2 mil a 25 mil m². A estimativa é de aumentar em 10% a 15% o número de fornecedores instalados em Minas Gerais.

Porção quase igual do investimento em nacionalização irá para o aperfeiçoamento de produtos. Os R$ 240 milhões previstos já foram destinados em parte aos lançamentos mais recentes, como o caminhão Tector e o chassi de ônibus de 17 toneladas. “Os novos produtos nos colocam em segmentos onde não atuávamos antes e nos ajuda a aumentar as vendas”, destaca Borba. O foco agora será em redução do custo total de propriedade (TCO, na sigla em inglês) dos veículos e incorporar atualizações tecnológicas.

Os R$ 160 milhões restantes estão sendo aplicados na modernização da fábrica de Sete Lagoas e seus processos, buscando maior produtividade e qualidade. Entre as melhorias, já foram instalados novos como robôs na cabine de pintura e equipamentos de instalação de chicotes, regulagem de pneus e abastecimento de fluidos. Alguns operadores estão testando o SL Glass em um programa piloto: com tecnologia de realidade aumentada, os óculos especiais passam instruções de procedimento para os montadores, diminuindo falhas e melhorando o tempo de execução das tarefas.

Faz parte dos investimentos o campo de provas de 300 mil m², que já está quase concluído e consumiu R$ 24 milhões. Com isso, a Iveco será uma das poucas fabricantes de caminhões no País com pistas de testes própria, com capacidade para desenvolver e homologas todos os produtos de sua linha, incluindo o veículo militar Guarani.



Tags: Iveco, investimento, mercado, projeção, fábrica, Sete Lagoas.

Comentários

  • Claudio de Freitas

    É deveras mente motivacional , poder ler um artigo com tamanha proposta de melhoria quando passamos por uma situação de impotência, relacionado ao ajuste fiscal que tem dissipado muitas empresas e colocando vários pais de família na rua ,ficamos felizes pela iniciativa da IVECO , nos investimentos propostos que seja e que venha realmente fortalecer a marca que já esta consagrada , pelos usuários de nossos produtos e serviços , parabéns pela forma de informação aos colaboradores da marca . sou IVECO e não abro. abraços

  • Luciano

    Eu acho que um dos pontos essenciais que a iveco deve mudar são os eixos traseiros dos stralis e hi-way 6x2 e 4x2 que ainda deixa a desejar e trazer logo para o brasil o sistema common rail nos motores cursor 13 assim como nos motores cursor 9 que o sistema faz o seu papel este motor é muito silencioso assim no cursor 13 vai ficar muito silencioso também e com mais torque eu acredito na iveco e iremos chegar entre o segundo e terceiro mais vendido no brasil ainda .

  • karlson rocha silveira

    A iveco não divulga adequadamente seus produtos. O Cruzeiro foi bi-campeão brasileiro, ficou surfando na mídia e a Iveco não fez marketing na camisa. Erro grave !

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência