Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Com economia fraca, caminhões empacam

Mercado | 07/05/2015 | 20h10

Com economia fraca, caminhões empacam

Vendas recuaram quase 40% no ano e retomada só deve vir no último trimestre

MÁRIO CURCIO, AB

A retração na economia e a falta de confiança do consumidor fizeram o setor de transporte empacar. “Houve um estacionamento das atividades da indústria, todos estão em compasso de espera”, afirma Rogério Rezende, vice-presidente da Anfavea, associação que representa a indústria automobilística no Brasil. A queda para os caminhões no acumulado do ano (25,1 mil unidades) foi de 39,3%. E o segmento mais afetado é o de modelos pesados, com vendas de 5,9 mil unidades no acumulado do ano, volume 60,8% menor que o registrado de janeiro a abril de 2014.

- Veja aqui as estatísticas da Anfavea

A Anfavea espera para este mês ou para o próximo as medidas de ajuste fiscal do governo. Mas ainda que ocorram nesse período, não terão efeito positivo tão cedo para o setor de caminhões: “A hipótese mais otimista é que a retomada ocorra no último trimestre deste ano”, acredita Rezende.

“Para alguns produtos ela virá antes”, diz, citando os modelos menores, já que os veículos envolvidos em atividades de varejo tiveram retração menos acentuada. A queda nos caminhões médios foi de 21%.

Sobre os pesados, Rezende recorda que em regra são comprados por grandes transportadoras, que renovaram sua frota recentemente, há dois ou três anos, e por isso não veem motivo para aquisições num momento como este.

“E as condições de financiamento estão mais severas, aumentou a seletividade do crédito”, diz. Rezende confia no Festival do Consórcio Contemplado como recurso para reduzir o impacto negativo da economia. “Isso pode resultar em 240 mil unidades a mais no setor automotivo, o equivalente a um mês de vendas.” Para os veículos pesados (caminhões e ônibus), o potencial estaria em 15 mil unidades extras até o fim do ano.

PRODUÇÃO

De janeiro a abril deste ano foram montados 30,2 mil caminhões no Brasil, volume 45,2% menor que o registrado nos mesmos meses do ano passado. A menor queda, de 29,6%, ocorreu para os modelos leves. Em todos os outros a retração oscilou entre 35,8% e 61,3%.

EXPORTAÇÕES

O Brasil enviou ao mercado externo pouco mais de 6 mil caminhões de janeiro a abril, o que resultou em uma pequena queda de 1,7% ante o mesmo período de 2014. Diferentemente do que ocorreu no mercado interno, os caminhões pesados apresentaram a maior alta, de 14,9%. Este também foi o segmento com maior volume, superando 2 mil unidades embarcadas.

ÔNIBUS

A retração de mercado não poupou os ônibus, mas ocorreu em menor medida que para os caminhões. “Isso acontece porque as grandes metrópoles renovam obrigatoriamente suas frotas de tempo em tempo. Só em São Paulo isso já implica mais de mil novos ônibus a cada ano”, recorda Rezende.

Os primeiros quatro meses de 2015 tiveram 6,7 mil novos ônibus licenciados, queda de 26,1% ante os mesmos meses de 2014. A produção desses veículos no período até abril somou 9,7 mil unidades e resultou em retração de 26,6%. Os modelos urbanos (7,7 mil do total) apresentaram o recuo mais alto, de 30,8%. Os modelos rodoviários produzidos no período somaram 2 mil unidades e tiveram pequena queda de 4,3%.

As exportações no acumulado chegaram a quase 2 mil ônibus e resultaram em alta de 7%. O Brasil embarcou para outros países quase a mesma quantidade de modelos rodoviários (986 unidades) e urbanos (983), mas aqueles voltados a maiores distâncias registraram alta de 42,5%, enquanto os urbanos anotaram queda de 14,4%.



Tags: Caminhões, ônibus, Anfavea, Rogério Rezende, Festival do Consórcio Contemplado, produção, vendas, exportações.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência