Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Trabalho | 30/04/2015 | 18h40

Greve na Chery já se aproxima de um mês

Terminou sem acordo a audiência de conciliação no TRT de Campinas

REDAÇÃO AB

A fábrica da Chery permanece em greve e a paralisação já se aproxima de um mês. A audiência de conciliação ocorrida na quinta-feira, 30, no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Campinas terminou mais uma vez sem acordo. A montadora concordou em pagar o piso de R$ 1.850 sugerido há uma semana pelo próprio TRT e aceito pelos trabalhadores em assembleia.

No entanto, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região optou por manter a paralisação porque a Chery se recusa a assinar a convenção coletiva do setor automotivo, um documento que impede a terceirização de atividades-fim dentro da fábrica e garante direitos como licença-maternidade de 180 dias e estabilidade a trabalhadores lesionados. Segundo a entidade que reúne os trabalhadores, os metalúrgicos devem permanecer em greve por tempo indeterminado.

O sindicato informa também que entrou com pedido de liminar no TRT para garantir o pagamento de salários aos trabalhadores em greve. Em comunicado, a Chery afirmou que os pontos reivindicados pelo sindicato dos metalúrgicos seguiriam em negociação com a aprovação do piso e o fim da greve, mas, mesmo com o valor aceito pelos trabalhadores, a entidade “manteve a postura intransigente”.

A fábrica da Chery fica em Jacareí (SP) e começou a produzir o modelo Celer em fevereiro deste ano. Na quarta-feira, 6 de maio, a greve completará um mês. Se a paralisação persistir até lá, os metalúrgicos terão deixado de montar cerca de 600 carros.



Tags: Chery, greve, metalúrgicos, TRT, assembleia, Jacareí.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência