Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Trabalho | 14/04/2015 | 17h15

Greve na Chery continua sem data para acabar

Empresa e sindicato fizeram reunião, mas não chegaram a um acordo

GIOVANNA RIATO E SUELI REIS, AB

A greve dos trabalhadores da fábrica da Chery em Jacareí (SP) permanece sem data para terminar. A montadora e o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos participaram de reunião na terça-feira, 14, mas não chegaram a um acordo, apesar de a fabricante de veículos ter apresentado uma proposta. Com isso, a paralisação na planta conclui seu nono dia sem data para terminar.

Desde 6 de abril os funcionários da unidade interromperam as atividades para reivindicar a adesão da Chery à convenção coletiva da categoria. Segundo os trabalhadores, os salários e direitos oferecidos pela empresa não são compatíveis com os das outras companhias do setor automotivo. Para o sindicato, a empresa tem feito propostas muito distantes da realidade.

“A proposta apresentada é muito ruim, por isso já foi rejeitada na mesa de negociação”, conta o presidente do Sindicato, Antônio Ferreira de Barros, o Macapá. Segundo ele, enquanto a montadora não sugerir acordo melhor a produção da fábrica continuará parada. A entidade agendou assembleia para a quarta-feira, 15, para informar aos trabalhadores o resultado da reunião.

Por sua vez, a Chery ofereceu um aumento de 20% nos salários, que admite, são menores que o de trabalhadores de outras montadoras da região.

"Esta greve estava prevista, sabíamos que assim que iniciássemos as operações, o sindicato faria esse movimento. O problema é que estão pedindo algo irreal: estamos no nível 1 de salário e o que eles querem é o nível 3, de empresas com muito mais tempo de atividades no Brasil. Dissemos a eles que estamos começando, pedimos tempo. Admitimos: eu pago um pouco menos, mas eu vou chegar lá, acredito que dois ou três anos são necessários para consolidar a marca", disse Luis Curi, vice-presidente da Chery no Brasil durante o lançamento do Celer que passou a ser fabricado no Brasil (leia aqui).

O executivo acrescentou que os trabalhadores da Chery em Jacareí recebem salário cerca de 10% menor que outros profissionais de mesmo nível 1. O executivo alega que a empresa está cumprindo a lei trabalhista, que prevê 44 horas semanais e não 40 horas, como pede o sindicato. Ele informa ainda que a montadora adiantará o dissídio dos empregados, de setembro para este ou o próximo mês.



Tags: Chery, trabalho, sindicato, greve.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência