Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 09/04/2015 | 18h48

Sindipeças projeta 2015 devastador para o setor

Mas prevê recuperação em 2016, com crescimento de 4,2% no faturamento

REDAÇÃO AB

Este ano promete ser devastador para o setor de autopeças no Brasil, é o que mostram as novas projeções do Sindipeças, que reduziu a expectativa de faturamento das associadas, cerca de 500 empresas, em 10,5% sobre a estimativa divulgada em janeiro, para R$ 67,9 bilhões neste ano. O novo valor representa queda de 11,5% sobre os R$ 76,7 bilhões ainda estimados de 2014, fazendo desta a menor receita verificada nos últimos cinco anos. Na previsão anterior, a entidade esperava faturar R$ 75,9 bilhões em 2015.

Já para 2016, a indústria nacional de autopeças prevê a volta do crescimento de seu faturamento, atingindo novamente a casa dos R$ 70,8 bilhões, com alta de 4,2% sobre a projeção para 2015, mas ainda abaixo da média do desempenho observado entre 2010 e 2013, quando as receitas ficaram sempre acima dos R$ 80 bilhões por ano.

A composição da receita em 2015 deverá ser de 64% de participação das vendas feitas diretamente às montadoras ou R$ 43,4 bilhões, redução de 3,5 pontos porcentuais na comparação com a fatia estimada em 67,5% de 2014. Quase na mesma proporção, a participação do mercado de reposição subirá 2,2 pontos porcentuais, de 17% em 2014 para 19,2% em 2015, equivalente a R$ 13 bilhões. Os dois mercados andam para lados opostos: enquanto as vendas para OEM vêm caindo ano a ano, considerando os dados desde 2010, com o crescimento da frota nacional o aftermarket vem ganhando fôlego e importância para o setor de autopeças no mesmo período: a projeção dos dois índices representam a menor e a maior participação, respectivamente, desta década.

Por sua vez, as exportações também devem crescer em importância: a participação deve fechar 2015 em 11,8% e para 2016 a previsão é de 12,4%. No ano passado, as vendas ao exterior representaram 9,5% do faturamento.

Para a balança comercial, o Sindipeças prevê déficit menor este ano, na ordem de US$ 7,23 bilhões, uma vez que o do ano passado fechou em US$ 9 bilhões: as exportações devem somar US$ 8,55 bilhões, enquanto que para as importações são previstos gastos de US$ 15,78 bilhões.

A balança comercial também deverá diminuir a diferença das operações de importação e exportação em 2016, quando o setor espera alcançar um dos menores déficits desde 2010, para algo como US$ 5,59 bilhões, sendo US$ 9,06 em exportações e US$ 14,6 bilhões em importações.

Os investimentos totais do setor são estimados em US$ 830 milhões para 2015. Se confirmado, este também será o menor valor investido pelo conjunto dos fabricantes de autopeças nos últimos cinco anos, quando o total sempre ultrapassou US$ 1,98 bilhão por ano. Para 2016, a expectativa não muda muito: o valor deve ficar em algo como US$ 850 milhões. O Sindipeças calcula que em 2014 as empresas injetaram US$ 1,38 bilhão na indústria nacional, também um dos menores valores investidos pelas associadas.

Acompanhando a baixa do faturamento prevista para este ano, os empregos na indústria de autopeças também devem encolher em 9% com relação a 2014, passando de 194,7 mil para 177,2 mil postos de trabalho. Apesar disso, a entidade espera retomar as contratações em 2016, quando o número de empregados deve aumentar 3,2%, para 182,8 mil.



Tags: Sindipeças, projeções, autopeças, faturamento, montadoras, mercado de reposição, OEM, balança comercial, exportações, importações, empregos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência