Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 08/04/2015 | 18h45

Sabó segue surfando nas exportações

Empresa mantém presença internacional e busca novos mercados

PEDRO KUTNEY, AB

Com somente 15% a 20% do faturamento obtido no mercado doméstico, a Sabó é das poucas empresas brasileiras de autopeças que tem números externos tão robustos a mostrar. Com forte processo de internacionalização que começou ainda nos anos 90, a fabricante de juntas e retentores fincou raízes fortes raízes além das fronteiras no País e suas exportações seguem em alta independentemente da cotação do dólar. “Conseguimos competir graças aos fortes investimentos em tecnologia e produtividade que fizemos nos últimos”, explica Lourenço Oricchio, diretor geral da Sabó Américas.

O executivo lembra que desde 2011 os processos de produção em suas duas fábricas no Brasil, em São Paulo e Mogi Mirim (SP), foram altamente automatizados para trabalhar com novas tecnologias sofisticadas, como juntas e retentores que têm a junção de elementos de metal e borracha por meio de nanotecnologia, sem uso de cola. “Dessa forma aumentamos o valor agregado dos produtos. Hoje Ford e General Motors equipam 100% de suas transmissões automáticas de seis velocidades com nossas juntas e retentores”, informa o executivo.

Com o alto grau de automação que esses processos industriais exigem, a Sabó nos últimos quatro anos reduziu seu número de empregados no Brasil de 4 mil para pouco mais de 1 mil. “Para exportar é necessário ganhar sofisticação tecnológica, qualidade e produtividade para reduzir custos. Por isso foi necessário automatizar e reduzir o quadro, mas os funcionários que ficaram hoje são melhor remunerados”, pondera Oricchio. “Os componentes que fornecemos para os câmbios automáticos de Ford e GM precisam durar 50 mil milhas. Para garantir essa durabilidade só com muito investimento em processos altamente confiáveis. Já fornecemos 80 milhões de juntas para a GM sem um único defeito sequer”, acrescenta.

Atualmente as vendas da Sabó Brasil estão divididas em meio a meio entre fornecimento direto às montadoras, sendo que 30% desse bolo são destinados à exportação, e o restante vai para o segmento de reposição, cerca de 10% para países vizinhos da América do Sul e quase 40% são vendidos no mercado nacional.

REESTRUTURAÇÃO INTERNACIONAL E NACIONAL

Nos anos 90 a Sabó comprou a concorrente alemã Kako e iniciou sua expansão internacional, passando a controlar plantas na Alemanha, Áustria, Hungria, Estados Unidos e, mais recentemente, na China. Há um ano a empresa tomou a decisão estratégica de vender sua participação majoritária no negócio para o grupo chinês Zhong Ding, ficando com 20% do capital. Embora em um primeiro momento a venda tenha significado redução do faturamento externo da companhia, mais adiante é esperado aumento substancial das receitas além-fronteiras.

“Isso porque temos apenas 3% do mercado nos Estados Unidos e algo como 1% na China. Seria fácil crescer bem mais do que isso com os produtos que temos, mas seria necessário fazer investimentos muito altos e não tínhamos capacidade para tal. Com o grupo Zhong Ding essa expansão será feita, continuaremos a fornecer a tecnologia e podemos chegar a 20% ou 30% de participação nesses países de altos volumes. Assim o faturamento externo subirá nos próximos cinco anos e deve até superar o de antes, quando tínhamos 100% do controle, e faremos isso sem contrair dívidas”, explica Oricchio.

No médio prazo, no entanto, a tendência é que essa estratégia diminua as exportações do grupo no Brasil. Isso porque as juntas e retentores para próximas gerações de transmissões automáticas de 10 e 12 velocidades serão fornecidos para Ford e GM pela Kako dos Estados Unidos, não mais pela unidade brasileira. “Para compensar isso já estamos prospectando novos mercados internacionais, como a Índia, por exemplo”, diz o executivo.

No Brasil a Sabó também passa por reestruturação de suas operações industriais. Na semana passada a empresa anunciou a venda para a italiana Reflex & Allen de sua fábrica de mangueiras de borracha (leia aqui), que ocupa um dos nove prédios da antiga planta do bairro da Lapa, em São Paulo, que começou a ser erguida no fim dos anos 40. “Já fazia quatro anos que tentávamos vender o negócio para focar nas unidades de produtos de maior valor agregado”, justifica Oricchio.

O prédio da fábrica de mangueioras foi alugado por dois anos para a Reflex & Allen e outros dois continuam a abrigar escritórios e toda a produção de juntas. Existem seis galpões desativados na área. “Com o tempo, após o término do aluguel, tendência é vender todo o terreno, localizado em área valorizada para a construção de edifícios, e transferir toda a operação para Mogi Mirim, onde está concentrada a produção de retentores e ainda temos 70 mil metros quadrados para expansão e podemos produzir juntas”, explica.



Tags: Sabó, autopeças, Automec, exportação, reposição, aftermarket, pós-venda, mercado, projeção.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência