Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Ford e MAN fortalecem presença no mercado de caminhões

Mercado | 02/04/2015 | 18h59

Ford e MAN fortalecem presença no mercado de caminhões

Mercedes-Benz perdeu no 1º trimestre o espaço conquistado em 2014

GIOVANNA RIATO, AB

O tombo das vendas de caminhões no primeiro trimestre de 2015 teve impacto mais forte em algumas fabricantes do que em outras. Mesmo diante da contração de 36,1% do mercado total, para 19,3 mil unidades entre janeiro e março, a Ford começou o ano com motivo para comemorar. A companhia abocanhou expressivos 6 pontos porcentuais de market share na comparação entre os primeiros trimestres de 2014 e 2015 e assim respondeu por 19,2% dos caminhões vendidos no Brasil no período.

Foram emplacados 3,7 mil caminhões Ford no período, volume 7,1% menor do que o anotado no primeiro trimestre de 2014. Ainda que tenha registrado queda, o desempenho da montadora foi superior ao de suas concorrentes. O resultado levou a marca novamente ao posto de terceira maior em vendas de caminhões no Brasil, atrás apenas da MAN e da Mercedes-Benz. A montadora tinha perdido a posição para a Volvo em 2013.

A maior presença nos segmentos de semileves e de leves foi a grande responsável pelo bom resultado da marca. Os caminhões pesados sentiram o maior impacto da redução das vendas no início do ano. A Ford conseguiu manter volumes melhores com os produtos da nova Série F e da linha Cargo.

Outra empresa que alcançou bons resultados mesmo no mercado adverso foi a MAN. Depois de ter sua liderança ameaçada em 2014 pela expansão dos negócios da Mercedes-Benz, a companhia abocanhou 2 p.p. de participação de mercado no primeiro trimestre de 2015 e respondeu por 29,5% do total de caminhões vendidos no Brasil. Os emplacamentos da marca somaram 5,7 mil unidades. O volume é 29% menor do que o registrado no ano passado, mas, como a Ford, a redução dos negócios da companhia foi menor do que a registrada no mercado de forma geral.

Já a Mercedes-Benz permaneceu como a segunda marca que mais vende caminhões no Brasil. Ainda assim, a companhia encerrou o primeiro trimestre com perda importante de 1,5 p.p. de market share. O prejuízo é significativo para a companhia, que em 2014 acelerou os negócios e chegou perto da MAN. No início deste ano a fabricante respondeu por 23,5% do mercado nacional, com 4,5 mil veículos vendidos, volume 40% abaixo do anotado há um ano.

SUECAS PERDEM ESPAÇO

As suecas Volvo e Scania, conhecidas pelo posicionamento superior de seus produtos, foram afetadas em cheio pelo tropeço da demanda por caminhões no começo de 2015. As duas empresas oferecem apenas modelos semipesados e pesados, os primeiros a terem a demanda afetada quando o ritmo da economia diminui e os mais dependentes de financiamento. Com a demora para a regulamentação das novas regras do Finame PSI e aumento dos juros da linha de crédito, as duas companhias entregaram market share.

A Volvo, que vinha conquistando participação de mercado de forma consistente nos últimos anos, perdeu 4,2 p.p. e foi responsável por 10,6% do total negociado no País até março. Os emplacamentos da companhia somaram 2 mil caminhões, com redução de 54,3% sobre o primeiro trimestre de 2014. Com vendas mais fracas combinadas à melhor performance da concorrente Ford a montadora caiu da terceira para a quarta colocação no ranking de vendas.

Em quinto lugar aparece a Scania, que teve perda semelhante à da conterrânea e abriu mão de 4,8 p.p. de participação de mercado. A companhia vendeu 1,2 mil veículos, com queda de 63,6%, e representou 6,3% do total vendido no Brasil no período.

MENORES VOLUMES

A Iveco, sexta colocada no ranking de vendas, também entregou participação. A companhia perdeu 1 p.p. e ficou com fatia de 6% do mercado. A marca vendeu nacionalmente 1,1 mil caminhões, número 45,6% abaixo do anotado um ano atrás. A empresa vem acumulando perdas no Brasil e já tinha encerrado 2014 com presença menor nas vendas locais. Para reverter esta situação a companhia anunciou recentemente investimento de R$ 650 milhões (leia aqui). O aporte será feito até 2016, com foco no aumento da nacionalização dos produtos, em pesquisa e desenvolvimento e na melhoria dos processos industriais da fábrica de Sete Lagoas (MG).

O sétimo lugar do ranking foi ocupado pela Hyundai Caoa no primeiro trimestre de 2015. Com 640 unidades de seus modelos médios. Com market share de 3,1%, a companhia ficou à frente da DAF, que começou a operar no fim de 2013 em fábrica nacional instalada em Ponta Grossa (PR). A fabricante de caminhões pesados vendeu apenas 83 unidades no Brasil até março.

A brasileira Agrale teve 76 unidades entregues no mercado brasileiro, número 24% inferior ao do começo de 2014. Na 10ª posição do ranking nacional está a Sinotruk, com 37 caminhões entregues este ano, seguida da International (31 unidades) e da Foton (16 veículos).



Tags: caminhões, Ford, Man, ranking, vendas, mercado.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência